Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 


FAZER - Um país que não produz vale pouco por mais auto-estradas, aeroportos e linhas de TGV que se construam. Numa apresentação realizada na semana passada pela Associação Empresarial Portuguesa em Lisboa, o seu dinâmico Vice-Presidente, Paulo Nunes de Almeida, chamou a atenção para um dado pouco falado: nos primeiros seis meses do ano o déficit externo português subiu 36% em relação a período homólogo do ano passado - quer dizer, produz-se menos, importa-se mais. E fiquei a pensar: quilómetros de alcatrão não são exportáveis - a qualidade da manufactura é. Num período em que muitas empresas começam a desconfiar da qualidade chinesa, há uma oportunidade para os produtos de qualidade feitos em Portugal. O futuro passa por aí, mais do que por gigantescas obras públicas que podem ter efeitos no curto prazo mas não são feitas a pensar no futuro.  

 


 


CRIAR - Fiquei fã de Aníbal Campos, Presidente da Silampos, que numa entrevista recente não poupou nas palavras - e com razão: «Bruxelas tornou-se um Kremlin, uma instituição de burocratas que venderam a ideia de que era possível viver sem produzir». E mais adiante: «Sou a favor da globalização, mas com regras. (...) Os produtos que vêm da China não têm de cumprir regras e ninguém fiscaliza. A questão da marca CE é uma questão muito interessante - é divulgada como sendo China Export». E, ainda: Se um europeu exporta para a América do Sul «pagam-se taxas absurdas de 60 a 70%, o caso do Brasil é um escândalo porque os produtos brasileiros entram na Europa com taxas de 4%».  

 


 


MUDAR - Cá para mim quem tem razão é José Miguel Júdice na análise que faz do Estado da Nação: segundo ele Portugal está como os Estados Unidos -  precisa de reforçar a classe média, de garantir  maior justiça fiscal e de conseguir renovar o sonho de uma vida melhor. Só que eu não vejo maneira de isso acontecer. Estamos na recta final de um mandato de quatro anos de maioria absoluta onde as promessas cumpridas foram poucas e as reformas cheias de zigue-zagues. Quando o Primeiro Ministro pede uma nova maioria absoluta para poder governar tenho as minhas dúvidas de que o cheque em branco seja merecido. Mas também percebo que, com a oposição que existe, dificilmente se conseguirá fazer melhor. 

 


 


VER – Gostei do documentário de Bruno de Almeida que ganhou uma menção honrosa no Doc Lisboa deste ano, «Homeostéticos b=0». Partindo de um belíssimo trabalho de recolha de arquivos e de depoimentos, de um guião muito bem construído e de uma montagem sóbria e eficaz, o documentário, de uma hora, ajuda a perceber o percurso de artistas que deixaram um marca para além do período em que se tornaram conhecidos: Pedro Portugal, Ivo, Manuel João Vieira, Xana, Pedro Proença e Fernando Brito. Parabéns à voz que faz a narração, de forma exemplar e à produção da Midas Filmes. Deixo uma frase tirada do filme: «Estamos sem porcos a quem darmos as pérolas».  

 

 


LER -   Bem sei que isto se está a tornar repetitivo, mas cada nova edição da revista «Monocle» é um motivo de recomendação. Neste número de Novembro o tema de capa é a forma como o design pode ajudar a diplomacia – e faz-se um levantamento de embaixadas por esse mundo fora que são amostras das culturas e talentos dos países que representam. Também nesta edição é muito interessante ver como o organismo britânico de comércio externo, «UK Trade & Investment» chama a atenção em duas páginas editoriais para o sector criativo no Reino Unido. A terminar uma belo ensaio fotográfico acompanhado por um informativo artigo sobre a arte milenar do Sumo japonês, essa antiga forma de luta que privilegia a táctica e a sabedoria sobre a força.  

 

 

 


DESCOBRIR – Os desenhos e esboços de Cruzeiro Seixas, feitos em pedaços de papel, expostos até dia 8 de Novembro na Galeria Arque, Avenida Miguel Bombarda 120 A. É uma colecção invulgar, de rabiscos ocasionais, mas que no entanto ganham sentidos quando expostos desta forma.    

 


PETISCAR - O Nobre voltou a Lisboa e está no Campo Pequeno. Mesmo coisas simples podem ser surpreendentes, como a salada de polvo, servida de entrada. Bom pão, bom azeite para acompanhar, vinho a copo honesto e de preço aceitável. Nos pratos do dia havia uma miscelânea de peixe fino com gambas, em molho de côco com puré de coentros e um  bacalhau à Spazio, com espinafres, amêndoas torradas, lascas de bom bacalhau e umas batatas ao redor. Serviço exemplar. Avc. Sacadura Cabral 53 B, tel 217 970 760. 

 


 


OUVIR – Inesperado, arrebatador, surpreendente – bastam três palavras para descrever o novo disco de Charlie Haden, um divertido projecto nascido de explorações de sonoridades tradicionais, dos blues ao country, em que participam nomes como Rosanne Cash, Elvis Costello, Pat Metheny, Bruce Hornsby e Vince Gill, entre outros. Também alguns familiares de Haden dão uma ajuda num disco apropriadamente intitulado «Family & Friends». É um disco despretencioso e divertido, cheio de pequenas descobertas, como o próprio Haden a cantar. 

 

 


BACK TO BASICS – Penso sobre os aviões a mesma coisa que sobre as dietas – são óptimos para outras pessoas experimentarem – Jean Kerr 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:54



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D