Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A ESTRATÉGIA DE LISBOA

por falcao, em 14.11.08

 


(Publicado no diário «Meia Hora» do dia 11 de Novembro)

 


A polémica recente em torno do alargamento do terminal de contentores de Alcântara vem trazer à baila uma outra questão – independente do impacto desse alargamento ou da forma como ele tem sido feito: Lisboa quer ser uma cidade portuária? Deve ser uma cidade terminal de contentores? Qual o posicionamento da cidade? Qual a sua estrágia de desenvolvimento?


Pressuroso de facilitar um negócio privado, o Governo impôs que se pusesse o carro à frente dos bois e – como tem sido desgraçadamente hábito – não cuidou em pensar no assunto.


A questão é esta: se o terminal de Alcântara avançar com a dimensão pretendida Lisboa ficará para sempre com uma marcada vocação de carga portuária – e eu tenho as maiores dúvidas de que isso seja benéfico para a cidade.


Vamos por partes: Portugal tem uma costa de centenas de quilómetros, com uma meia dúzia de cidades com características para poderem ter intensa actividade portuária de contentores. Algumas delas têm até já boas instalações portuárias, nalguns casos subaproveitadas. Lisboa não é portanto a única solução possível e num raio de cem quilómetros existem mesmo várias outras opções.


Lisboa, por outro lado, é uma das raras cidades capitais da Europa que conjuga a proximidade ao mar com um clima excelente e uma riqueza de património invulgares. Nos últimos anos Lisboa tem sido cada vez mais reconhecida como um destino turístico apreciado, muito graças à boa actuação do Turismo de Lisboa. Por outro lado, também nos últimos anos, a cidade tem sido cada vez mais um ponto de passagem de grandes navios de cruzeiros que garantem uma utilização do Porto de Lisboa consentânea com a estratégia de desenvolvimento turístico da cidade.


Qual das actividades beneficia mais a cidade, o seu posicionamento e a qualidade de vida do seus residentes: ser essencialmente um terminal de carga ou ser um destino turístico?  É bom recordar que as duas coisas não são compatíveis – uma cidade terminal de carga (e existem várias na Europa a provar o que digo), não coexiste como destino turístico Premium.  Valia a pena parar para estudar e pensar se queremos uma cidade de carga ou uma cidade de serviços sofisticados. A um ano de eleições uma decisão destas é uma péssima herança deixada para o futuro – é a tentativa de criar um facto consumado. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:50


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Via Latina a 18.11.2008 às 01:17

A consagrada escritora Alice Vieira estará presente na próxima tertúlia Via Latina,

a ter lugar na sexta-feira dia 21, pelas 21:30, na Galeria Matos Ferreira,

à rua Luz Soriano, em Lisboa (Bairro Alto).

Mais detalhes em vialatina.wordpress.com

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D