Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



TENDÊNCIAS - Imperdível o artigo de Paul Boutin na «Wired» de Novembro – anuncia o fim da era dos blogs e decreta que ferramentas como o Facebook são o novo meio de fazer circular opiniões e ideias (procurem em www.wired.com na zona da revista).


Um pouco mais à frente, na mesma edição, explica-se como o Facebook também pode ser usado como instrumento de acção política. Ainda no mesmo número um belo artigo, «How To Google Better», e, depois, o guia mais completo sobre novos gadgets para esta época de Natal e a história de capa - uma investigação sobre o futuro dos produtos agrícolas, como a tecnologia está a revolucionar a área. A «Wired» já fez 15 anos, mas continua cheia de vivacidade.

 

BOM SENSO - Muito bom o artigo de Augusto M. Seabra sobre alguns acontecimentos recentes no mundo da arte, cá e lá fora (Joana Vasconcelos por cá, Damien Hirst lá fora). O artigo está na revista digital ArteCapital (www.artecapital.net) , na secção «O Estado da Arte» e chama-se «Gosto e Ostentação».

 

IMAGEM - Na situação que vivemos é preciso coragem para lançar novos produtos editoriais. A nova revista mensal iMAG apresenta-se como um magazine dedicado ao fotojornalismo, pretendendo testemunhar as notícias pela imagem. O primeiro número já está na rua, dirigido por Mafalda Lopes da Costa, que já dirigiu também a «Ler» e se tornou conhecida pelas suas crónicas sobre livros na TSF. A editora desta aventura é a Multipublicações, comandada por Ricardo Florêncio e Paulo Carmona, que há bem pouco tempo retomou o projecto da revista sobre cinema «Premiere».

 

FOTOGRAFIA - A galeria «Pente 10» dedica-se à fotografia contemporânea e tem um belíssimo espaço junto ao Jardim das Amoreiras, na Travessa da Fábrica dos Pentes nº10 (www.pente10.com) . Até 10 de Janeiro (de 3ª a sábado entre as 15 e as 20h00) podem ver «Presença da Ausência», a nova exposição da fotógrafa Rita Barros, há muito tempo a viver em Nova Iorque, autora de um livro e exposição sobre o mítico Chelsea Hotel, onde aliás ainda vive. Rita Barros, que se tornou conhecida com as suas reportagens fotográficas para o «Expresso», percorre nesta mostra outros rumos para além do fotojornalismo. Como Jorge Calado sublinha o texto do catálogo sobre estas «naturezas mortas domésticas», a verdade é que «a viagem mais extraordinária está na imaginação de cada um». Jogando com as cores e os enquadramentos, Rita Barros exibe as provas da sua imaginação.

 

IMPRESSÃO - Fez-me um bocado de impressão conhecer a nova versão da Madredeus com a Banda Cósmica exactamente no mesmo local, o Teatro Ibérico, onde há quase vinte anos, em 1987, assisti aos primeiros ensaios dos então ainda desconhecidos Madredeus. Na altura a surpresa foi total, pela positiva – uma sonoridade nova, arranjos que combinavam violoncelo com acordeão e sintetizador e, acima de tudo isso, a voz de Teresa Salgueiro a cantar poemas que eram pequenas histórias da vida portuguesa. Agora, confesso que a desilusão foi a primeira reacção. Vamos por partes: alguns arranjos são interessantes, a conjugação da harpa com o violino, guitarra eléctrica, baixo, bateria e percussão tem muitos momentos curiosos – mas às vezes tocam no enfadonho, talvez por excesso de procura do virtuosismo. O problema maior reside nas vozes – na tentativa de colagem desnecessária aos ambientes de Teresa Salgueiro que acabaram por constituir a imagem de marca do grupo. Se nos arranjos e no novo conceito musical se vislumbra algum caminho possível, os arranjos vocais são terríveis e a excessiva teatralidade da interpretação de Mariana Abrunheiro é frequentemente incómoda e a roçar o kitsch. A certa altura dei por mim a pensar se, neste novo caminho, não seria melhor usar uma voz masculina, em vez de querer manter o registo vocal feminino que vai sempre ter, bem ou mal, o ponto de comparação com Teresa Salgueiro.

 

SUPER - Gosto de Sonny Rollins, gosto de gravações de jazz efectuadas ao vivo, em concerto. Rollins, actualmente com 78 anos, continua a ser um dos nomes grandes do saxofone e este «Road Shows Vol. 1» mostra isso mesmo. As gravações foram efectuadas no ano passado, no Canadá e, de um muito elogiado concerto realizado no Carnegie Hall em Setembro de 2007, está uma grande interpretação de «Some Enchanted Evening» com Rollins no sax tenor, Christian McBride no baixo e Roy Haynes na bateria). O disco tem a curiosidade de incluir três inéditos da autoria do próprio Rollins e que nunca haviam sido antes gravados – e o mais fascinante deste registo é a capacidade de improvisação que se sente permanentemente nas faixas canadianas – em que Rollins é acompanhado por Clifton Anderson no trombone, Mark Soskin no piano, Bobby Broom na guitarra, Jerome Harris no baixo eléctrico e Al Foster na bateria. (CD Sonny Rollins «Road Shows Vol 1», Universal Music).

 

LEVEZA - Nos últimos tempos, para refeições rápidas, tornei-me fã da Go Natural, e acho que é a melhor oferta em Lisboa dentro deste tipo de restaurantes. Dois destaques recentes na loja das Amoreiras e na loja do Saldanha: uma salada de camarão com couve que passou todas as reservas iniciais e uma sanduíche de pão integral com queijo de cabra, beringela e tomate seco. Um reparo apenas – as sanduíches mereciam melhor embalagem, como por exemplo a das melhores sanduíches do mundo que são as da cadeia britânica «Prêt-A-Manger» - incomparáveis em frescura e sabor. Mas a Go Natural para lá caminha – melhorem um pouco mais por favor.

 

BACK TO BASICS – Pobres daqueles que não têm paciência , Shakespeare

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:46



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D