Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



ORIGEM - Volta e meia os políticos falam dos jornalistas, queixando-se da forma como são tratados e como é tratada a política em Portugal. Eu acho que infelizmente há demasiada parcialidade em muitas redacções, existe uma proliferação de agendas escondidas e objectivos camuflados, mistura-se demais a opinião com a informação e, sobretudo, relata-se mal o que efectivamente aconteceu e imagina-se demais o que poderá acontecer (ou poderia acontecer). No entanto, uma boa parte do ambiente de futurologia política que é a doença infantil da imprensa portuguesa nesta área, tem origem e é fomentado pelos próprios políticos, sempre desejosos de manter boas relações, contarem pormenores internos, às vezes inventarem intrigas, tudo para serem considerados fontes a contactar – uma fonte estável tem um enorme poder de influência e a classe política-partidária está cheio de exemplares destes. 

 


 


RIDÍCULO - Se a opinião que os cidadãos têm dos políticos já não é estimável, então o caso ocorrido na última semana, em que se verificou que o PS estava em minoria e só não foi derrotado no Parlamento por ausência física da oposição, é verdadeiramente escandaloso. Parece – diz-se agora – que é hábito à sexta o plenário estar depauperado; parece que há deputados que picam o ponto mas se evaporam de seguida; parece que na realidade a Assembleia da República tolera o laxismo. O mais ridículo, nos últimos dias, foi ouvir uma ilustre cabeça da política à portuguesa defender que a resolução para a desagradável situação criada poderia ser a de não fazer sessões plenárias à sexta – assim todas as ausências poderiam passar despercebidas. Imaginem que por essas empresas todas se deixava de fazer o que quer que fosse às sextas…  

 


 


ENTUBADO - Barack Obama dirige-se ao país, na qualidade de Presidente eleito, através do You Tube. Ciente de que este período de três meses e tal entre eleição e tomada de posse podia ser devastador, sobretudo no contexto de crise financeira, Obama estabeleceu uma agenda mediática que passa por gerir ele próprio a comunicação através das ferramentas digitais hoje disponibilizadas – assim passa toda a mensagem que quer, sem edição, nem intermediação. Muito interessante de seguir – como será quando estiver sentado na sala oval? 

 


 


AZAR - Tive a pouca sorte de ver «Liberdade 21» um dia destes na RTP. Há muito que não via uma série portuguesa tão má – sobretudo ao nível da realização, casting e guião. Situações inverosímeis, personagens mal definidos, uma confusão de situações – tudo isto torna «Liberdade 21» num sério retrocesso a nível da produção para televisão em Portugal. Não é por acaso que na TVI coisas de tão fraca qualidade não vão para o ar – José Eduardo Moniz e a sua equipa seguem e controlam o guião, o casting e a forma da realização. Os resultados estão à vista: há uma diferença quando uma equipa de produção trabalha para a TVI e quando trabalha para a RTP ou a SIC. Discutir a produção não é apenas discutir orçamentos, é saber ver conteúdos.  

 


 


VER - Em vez de uma exposição sugiro que dediquem um pouco do vosso tempo a ver o mais recente número da revista «Egoísta», inteiramente dedicado à imagem e praticamente sem texto. Produzida na altura em que a Sociedade Estoril-Sol completa 50 anos, a «Egoísta» de Dezembro deste ano surge sob o título «Rostos». A capa, magnífica, com efeito tridimensional, tem uma cara marcada e incontornável do portfolio de Andrea Martinnelli. Destaco ainda os retratos de Augusto Brázio, o trabalho cada vez mais consistente e envolvente de Pedro Cláudio, e ainda os portfolios de José Pedro Santa Bárbara, João Carvalho Pina, Nicolas Guerin e Sandra Rocha, as imagens do Fundo da Cadeia da Relação do Porto e as ilustrações de Rodrigo Saias. Um número de colecção, como sempre com a edição de Patrícia Reis.


 

 


ESCUTAR - A pianista francesa Hélène Grimaud tem vindo a construir uma carreira sólida e este ano foi a escolhida para a noite de encerramento dos concertos Promenade, da BBC. A lenda conta que divide o seu tempo entre o estudo do piano e a criação de lobos, na Suíça, onde vive. Este ano, pela primeira vez, decidiu gravar as suas interpretações de Bach, mas fê-lo da forma mais curiosa: gravou primeiro a versão original escrita por Bach e, de seguida, os arranjos posteriormente feitos por Busoni, Liszt e Rachmaninov para as mesmas obras. Bach versus Bach – como ela chama ao conceito, proporciona novas e interessantes leituras. CD Deutsche Grammophon. 

 


 


PROVAR - Já imaginaram o que é cozinhar uma dourada à Bulhão Pato, como se faz às amêijoas? Parece estranho? Experimentam provar que não se arrependerão. A proposta foi-me feita no restaurante «Mar do Peixe», Aldeia do Meco, na estrada que desce para a praia. A vista do restaurante, mesmo de dentro da sala, é fantástica e o local tem uma coisa muito boa: sendo a maior parte do interior em madeira e os tectos inclinados, mesmo com sala cheia não há demasiado barulho nem aquele ruído incómodo fruto da reverberação do pladur , que infelizmente está por todo o lado. Mas voltemos ao assunto: a dourada é feita com azeite, alho, muitos coentros é claro, e uma pinga de vinho branco - tal como as amêijoas, coze num instante e depois é servida já arranjada, os lombos separados, apuradíssimos. A carne do peixe ganha um sabor fantástico e é uma excelente alternativa aos grelhados do costume. O peixe era fresquíssimo e suculento, acompanhavam umas primorosas batatas fritas às rodelas muito finas e estaladiças. «Mar do Peixe», telefone 212 684 034.  

 


 


BACK TO BASICS – A internet é viciante e acentua os comportamentos – se é um solitário pode estar mais sozinho, se quer conhecer gente torna mais fácil entrar em novos círculos – Esther Dyson. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:49


1 comentário

Sem imagem de perfil

De José Santos a 18.12.2008 às 00:22

Cheira-me a inveja...
Não sabe o que diz relativamente à ficção em Portugal.
Nem de videoclip entendia...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D