Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



ABSURDO - Por muito que me esforce não consigo compreender como foi possível que grandes bancos, conceituados analistas, consultores de prestígio e especialistas em avaliações, fossem ludibriados ao longo de anos pelos fundos de Bernard Madoff. A única explicação é uma enorme ingenuidade, uma crença acrítica nas possibilidades de gerar mais valias milagrosas, um desfasamento total da economia e do mundo real, e, sobretudo, uma vida passada no universo das ilusões financeiras, de produtos especulativos e não produtivos, de previsões e não de realidades. Madoff é afinal apenas o retrato do absurdo que nas últimas décadas moveu a economia: especulação, especulação, especulação e produtividade zero.


 


 


 


 


 


MISTERIOSO - Existe um curso do INDEG que me chamou a atenção: «Pós Graduação em Empreendedorismo Cultural e Criativo», feito em colaboração entre essa Universidade e o Ministério da Cultura. Um amigo meu, que esteve na sessão de apresentação do curso aos putativos candidatos disse-me uma coisa extraordinária: num curso desta natureza ainda não se sabe quem constitui o corpo docente precisamente das disciplinas nucleares  de Gestão da Cultura e Gestão de Organizações Culturais. Um dos responsáveis do curso, Luís Martins, afirmou na ocasião que seria o Ministério da Cultura a indicá-los (o que é estranho e pouco tranquilizante), mas não deu mostras de achar o conhecimento desses nomes relevante para a decisão dos candidatos – convenhamos que isto é um mistério. Na apresentação do curso que está na Internet também nada consta – e tão pouco uma linha que seja sobre questões tão cruciais nos dias de hoje como gestão de direitos de autor, negociação de royalties, utilizações multimédia de eventos ou gestão de patrocínios, para só citar algumas áreas que em matéria de empreendedorismo podem fazer alguma diferença. A menos que o curso não seja para empreendedores da área mas sim para candidatos a burocratas… 

 


 


FRÁGIL -  Logo à noite ainda pode assistir ao último concerto que Rodrigo Leão dá no Frágil, Rua da Atalaia 126. Celina da Piedade, Viviena Tupikova, Marco Pereira e Miguel Fernandes acompanham Rodrigo Leão. Enquanto o concerto decorre pode ser vista a exposição «Tacto» de Filipa Sottomayor. Ver e ouvir Rodrigo Leão ao vivo num espaço como aquele é uma raridade a não perder. 

 


 


LER - Gonçalo M. Tavares tem uma abundante (e genericamente interessante) produção literária. Uma das facetas mais curiosas desta produção é a série a que chama «Cadernos» e em que  simula delirantes e irresistíveis conversas com figuras da literatura mundial – Paul Valéry, André Breton, Bertolt Brecht ou Ítalo Calvino, entre outros. Nesta série acabei de me deliciar a ler «O Senhor Breton», uma entrevista imaginária,  muito oportuna dada a circunstância de vivermos numa época completamente surrealista nos mais variados aspectos. A escrita de Gonçalo M. Tavares trabalha as palavras, usa-as com gôzo e manobra-as de forma hábil – na realidade torna-se um prazer lê-lo. O livro tem ainda um atractivo suplementar: os desenhos de Rachel Caiano.. Edição Caminho, 56 páginas. 

 


 


VER - Por estes dias pode valer a pena uma visita à Galeria Antiks onde está desde ontem uma nova exposição de fotografias de  Gundula Friese, incluindo uma remontagem da série «O Segredo» , que inclui 13 obras, apresentadas em conjunto, e ainda uma rara série de pinturas «a quatro mãos» da dupla «Combinatione Arrabbiatica», dos artistas Axel Heil e Uwe Lindau. Ao mesmo tempo estão patentes obras representativas da arte portuguesa nos anos 60 e 70, da cuidada colecção da Galeri Antiks Design (Rua Mouzinho da Silveira 2, frente à Cinemateca Portuguesa). Mais informações em www.antiksdesign.com 

 


 


ESCUTAR - Uma das boas surpresas deste Natal é o primeiro disco de Rui Reininho a solo, um sopro de frescura nas edições portuguesas deste ano. O início de carreiras a solo, nesta fase da vida, de membros de grupos que foram históricos, é sempre um risco, mas a verdade é que Reininho se sai muito bem da expedição. É de bom tom reconhecer que Armando Teixeira, dos Balla, nos comandos da produção musical, foi uma inteligente escolha – e eficaz porque é sem dúvida dos mais versáteis e eficazes músicos contemporâneos portugueses. Reininho assina todas as letras , deliciosas, desde «O Estranho Caso do Amante Preguiçoso», até «Dr. Optimista» e «Yoko Mono», passando por «Turbina & Moça», e sobretudo por um tema que – aposto – vai virar clássico: «Al Fakir». O disco inclui versões (Bem Bom», das Doce e «Faz Parte do Meu Show» do romântico brasileiro Cazuza, e temas inéditos, para além de Armando Teixeira, de Slimmy, Margarida Pinto (Coldfinger), Legendary Tiger Man, New Max, Alexandre Soares e Rodrigo Leão. Melhor leque era quse impossível. E o resultado é, de facto, muito bom. Rui Reininho, «Companhia das Índias», CD Sony Music. 

 


 


PROVAR - Ao longo dos últimos meses tenho visto numerosas referências ao restaurante Bocca, que abriu em Lisboa há uns meses, na Rua Rodrigo da Fonseca nº87-D, no local onde durante anos existiu o Chester. A decoração é completamente nova e muito conseguida, há zona de fumadores e não fumadores, o ambiente e a luz são agradáveis. O aspecto geral é melhor que o resultado culinário, simpático mas sem grande história, um pouco pretencioso demais na apresentação em carta e em prato. Num jantar foram provados uns filetes de peixe galo e um risotto que não ultrapassaram a mediania. A carta de vinhos é curta mas com propostas equilibradas e de boa relação qualidade-preço. Resumo – local simpático mas longe de ser um templo da gastronomia. Tel. 213808383. 

 


 


BACK TO BASICS – A verdade é aquilo que passa o teste da experiência – Albert Einstein. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D