Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A IMPORTÂNCIA DA CREDIBILIDADE

por falcao, em 29.01.09

(Publicado no diário «Meia Hora» de 27 de Janeiro)


 

Um património fundamental dos politicos é a credibilidade. A demagogia eleitoral deixa sempre as suas mossas, a mania dos políticos em estabelecer metas e fazer promessas que depois deitam fora é uma das coisas que mais destrói a política e mais afasta as pessoas da participação cívica.

Eu devo dizer que tenho o Engenheiro Sócrates na conta de uma pessoa séria – não corrompível, não venal, que não quer tirar proveito próprio nem material da actividade política. Mas sei também como é determinado e como frequentemente não olha a meios para atingir objectivos. Aos poucos José Sócrates tem vindo a construir um património de incredibilidade, em termos políticos e em termos pessoais.

Em termos políticos na campanha eleitoral prometeu que não iria subir os impostos, e a primeira coisa que fez foi aumentá-los; prometeu milhares de empregos que nunca surgiram; prometeu reformas que ou não se fizeram ou ficaram a meio. Tudo indica que o final do seu mandato fique muito longe, em termos de resultados, do que ele anunciou – o recente relatório de uma agência de rating sobre a situação do país é o retrato de um falhanço, mesmo antes de a crise ser o que é.

Em termos pessoais, em três situações diferentes, começou por não admitir determinados actos, que depois se verificou terem ocorrido – a sua dificuldade em conviver com a verdade quando esta lhe pode ser desagradável é uma característica repetida: foi assim no caso do seu currículo profissional e no caso da sua licenciatura, foi assim no caso dos projectos de engenharia que assinou, foi assim neste caso do Freeport.

O seu comportamento tem sido sempre igual: ao princípio nega tudo, depois tem que recuar e aceitar parte do acontecido. O problema é que deixa no ar a dúvida sobre se ficará mais por desvendar. É isso que afecta a sua credibilidade e é isso que começa a preocupar tanta gente no PS, sobretudo em vésperas de Congresso partidário.

No caso Freeport, parece-me, a questão principal é saber se houve tratamento de excepção na rapidez do licenciamento, no facto de a decisão ter sido tomada já com o Governo de saída, no facto de objectivamente a decisão ter sido pressionada (como hoje já se sabe) por um correlegionário partidário do Engenheiro Sócrates – o Presidente da Câmara de Alcochete, à data do sucedido, era do PS. Esta é verdadeiramente a questão central de todo o problema: houve ou não favorecimento político – partidário? Todas as aparências indicam que sim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:43


1 comentário

Sem imagem de perfil

De ana a 02.02.2009 às 11:45

O nosso primeiro ministro, já tem um curriculum extenso no que diz respeito a negócios pouco claros. Parece mesmo que é um hábito familiar, senão vejamos as últimas noticias sobre o negócio feito pela mãe de Sócrates, na compra da casa, e de como a reforma da mesma aumentou consideravelmente por "obra e graça" e alguma entidade divina, sem ninguém saber como...! É uma vergonha!!! Mas tudo passa e fica esquecido...

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D