Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 


REALIDADE – Costuma dizer-se que só percebemos que a situação está má quando ela nos começa a cercar. Nos últimos meses vários dos meus amigos, mais ligados a actividades criativas, tipicamente a trabalharem enquanto prestadores de serviços, a recibos verdes, começaram a dizer-me que sentiam uma diminuição de procura, de encomendas. Nas últimas semanas vários disseram-me que as avenças que tinham foram rescindidas. Pessoas com experiência, capacidade de execução e coordenação de projectos, de repente encontram-se sem trabalho e ouvem dizer que são qualificadas demais para o que existe para fazer. Não contam para as estatísticas do desemprego, mas existem. O mundo – este nosso mundo – está a ficar perigoso: a experiência é penalizada e a inexperiência explorada. O resultado não pode ser bom.

 

MATEMÁTICA – As primeiras notícias diziam que Sócrates havia sido reeleito secretário-geral do PS quase por unanimidade. As segundas notícias já diziam que afinal só 1/3 do universo eleitoral dos militantes socialistas havia participado nas eleições. A unanimidade de Sócrates é afinal de cerca de 30% - também depois das diatribes de Santos Silva contra a oposição interna outra coisa não era de esperar.

 

PROMESSAS - Em tempo eleitoral todas as promessas são permitidas. Mas já que Sócrates e seus amigos tantas promessas estão a fazer, e tanto se comprometem com a classe média, convém aqui recordar que depois do enorme rol de promessas de emprego, de não subida de impostos e de maravilhas diversas, a realidade é a que se vê: logo a seguir às eleições os impostos subiram e muito e os tais milhares de empregos nunca foram criados, mesmo antes de a crise se instalar. Ele há alturas em que vale a pena puxar pela memória e ver como correram as promessas…

 

MEMÓRIA – Gosto muito do You Tube – lá se podem encontrar curiosos fragmentos do passado. Se tiverem paciência digitem esta entrada: http://www.youtube.com/watch?v=ga4JFtrOx1Y.

Aqui poderão ver um líder de oposição aguerrido a dirigir-se ao Primeiro Ministro a queixar-se dos maus números da economia, a acusá-lo de não criar condições para aumentar as exportações, a criticar o excessivo optimismo, a apontar o que o Governo não faz, a prometer resistir e impedir o controlo da comunicação social. O curioso, como poderão ver, se inserirem o link acima publicado, é que quem fez estas afirmações foi o Deputado José Sócrates, contra o Governo PSD da altura. O vídeo é adequadamente intitulado «Falar Para O Espelho».

 

COMUNICAÇÃO – Para a semana nasce um novo canal de televisão, essencialmente informativo, o TVI 24, em preparação há vários anos – as razões dos atrasos que sofreu são um case study do que corre mal em Portugal neste sector, a variadíssimos níveis, desde o licenciamento à distribuição, sendo que a culpa não foi da TVI, que pacientemente esperou pelas autorizações. Estou convencido que o TVI 24 manterá a independência editorial que é a imagem de marca da informação da estação-mãe, e que felizmente se afirmou, mesmo apesar dos momentos mais governamentalizados da direcção da Prisa em Portugal. Que contraste existe entre esta informação e a do Rádio Clube Português, também da Prisa, sobretudo desde que João Adelino Faria bateu com a porta – infelizmente o RCP é hoje uma estação cujos noticiários parecem mais preocupados em não ser incómodos do que em relatar a realidade.

 

OUVIR – As coisas simples são invariavelmente as melhores. Em 1968, pouco depois do fim dos Buffalo Springfield, Neil Young, então com 22 anos, tocou, sozinho com a sua guitarra, na Canterbury House, intercalando pequenas introduções entre as canções, aqui em inesperadas, frescas e belíssimas interpretações. Trata-se da edição, em CD e DVD, de mais um fragmento dos arquivos pessoais de Young, este com 40 anos de idade: será que daqui a 40 anos descobriremos registos inéditos e tão surpreendentes como este dos artistas contemporâneos? CD e DVD «Sugar Mountain» , Reprise.

 

VER- Raúl Perez é um artista plástico português cujas influências vêm do surrealismo. Na sua obra predomina o desenho, a tinta da china ou carvão, com algumas passagens por desenhos aguarelados e por elaborados trabalhos a óleo. O Museu Colecção Berardo juntou desenhos e pinturas de Perez feitos entre 1963 e 2008, numa mostra surpreendente para quem tem um primeiro contacto com o artista. Todas as obras são de uma enorme minúcia e revelam uma disciplina de trabalho apertada. A exposição estará patente até 12 de Abril.

 

LER – No dia 6 de Junho de 1926 a «Revista de Comércio e Contabilidade» publicava um interessante e didáctico artigo intitulado «Os Preceitos Práticos Em Geral E Os De Henry Ford Em Particular». O autor do artigo era Fernando Pessoa e o texto é absolutamente notável. Ocupa 16 páginas de uma bela edição da colecção Centauro, criada pela renovada Guimarães Editores em finais do ano passado. Transcrevo um dos princípios enunciados: «O negócio não pertence ao patrão ou aos empregados, mas ao público».

 

PROVAR – Takashi Yoshitake fez mais pelo conhecimento dos usos e costumes do Japão em Portugal nos últimos anos que todas as iniciativas diplomáticas oficiais. Mestre Takashi Yoshitake, que morreu há poucas semanas em Portugal, foi o fundador do restaurante Aya, que ao longo dos anos se foi expandindo até ter criado, há pouco tempo, o AYA de Carnaxide, num edifício autónomo, com um espaço fantástico que conjuga um salão com compartimentos privados de uma sobriedade exemplar. A qualidade dos ingredientes e da preparação do peixe são notáveis e valem a deslocação. Rua Anibal Bettencourt nº71, tel. 214181684, Carnaxide.

 

BACK TO BASICS – Não é a espécie mais forte, nem a mais inteligente, aquela que consegue sobreviver – é a que tiver maior capacidade de adaptação, Charles Darwin.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:40



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D