Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



UMA CIDADE PERDULÁRIA

por falcao, em 07.07.09

 


(Publicado no diário Meia Hora de 7 de Julho)

 

Desde há 43 anos o festival de jazz de Montreux, na Suíça, é um marco incontornável do mês de Julho – nas quase duas semanas em que decorre atrai à cidade cerca de 200.000 visitantes. Ao longo dos anos o Festival abriu-se a outras músicas para além do jazz e teve, nomeadamente, uma enorme importância no reconhecimento de uma geração de músicos brasileiros na Europa. Montreux conseguiu, com o Festival, que uma cidade Suíça, antes conhecida apenas pelo seu lago e pelo casino, se tornasse numa das capitais da música do Verão Europeu – e a organização criou receitas com gravações, discos e programas de televisão. É uma operação exemplar.

Em tempos sonhei que Lisboa podia ter, se houvesse persistência e apoio, uma iniciativa que, com o tempo, fosse semelhante. Aquilo que eu defendia que se fizesse, e que ainda aconteceu curtos anos, era a criação de um Festival, em Lisboa, que fosse o pólo de divulgação e cruzamento da música de África com a Europeia e de outros continentes, e que, ao longo dos anos permitisse afirmar Lisboa como uma verdadeira plataforma multicultural. A estratégia era basear numa primeira fase a actividade no cruzamento com a música dos países lusófonos de África com a portuguesa, utilizando o palco da música (em Monsanto, na época reabilitado) e desenvolvendo complementarmente iniciativas no campo das artes plásticas, literatura e cinema, entre outras. Foi assim que nasceu o Afrika Festival.

Infelizmente a experiência demorou demasiado pouco tempo e a actual Câmara Municipal de Lisboa acabou com o palco da música e manteve apenas as actividades complementares, o que destruíu completamente a ideia existente. Resta sublinhar que nos anos em que o Afrika Festival se manteve, as citações sobre Lisboa na imprensa internacional ultrapassaram as de outros Festivais musicais cá realizados.

O caso infelizmente não é único : vale a pena dizer que o que aconteceu, a outro nível, com a extinção da Lisboa Photo teve exactamente os mesmos efeitos – só que Sérgio Mah, o Comissário da iniciativa, acabou por ver o seu talento reconhecido em Madrid, que o convidou para dirigir o Photo España.

Estas duas iniciativas – Afrika Festival e Lisboa Photo – podiam ser alicerces para a imagem de Lisboa, enquanto cidade aberta à modernidade e ao encontro entre culturas. Nem vou referir que, a médio prazo, o retorno do investimento, em capacidade de atracção turística, seria interessante. Mas registo que foi esta Câmara que acabou com estes projectos, que tinham público e notoriedade. É o que se chama uma política perdulária, a que nem as operações cosméticas de «cartas estratégicas» feitas por encomenda eleitoral chegam para dar qualquer sentido ou consistência. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:50



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D