Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



RESUMO DA SEMANA – Na Universidade de Verão do PSD sucederam-se declarações críticas a Ferreira Leite; dois distintos militantes socialistas, Pina Moura e Henrique Neto, resolveram elogiar o programa do PSD em comparação com o do PS; notáveis do PSD apareceram a elogiar as vantagens do Bloco Central. E na manhã seguinte à entrevista a José Sócrates a RTP 1 conseguiu reduzir o noticiário político de véspera a três repetições, no espaço de uma hora, da peça-resumo dessa entrevista. 

 


 


BATOTA – Caroços à parte, um partido que escolhe para mandatária da juventude uma jovem que admite fazer batota para ganhar está a dar um sinal a todos. Tratar a política como uma campanha publicitária dá resultados destes. A culpa, no entanto, não é de Carolina Patrocínio, igual a si própria: é de quem a escolheu para uma função política apenas pelas formas e popularidade. Deve ser uma das tais expressões de modernidade de que Sócrates gosta de se gabar. 

 


 


METRO – A maneira como o Metropolitano trata Lisboa é um escândalo, já se sabe. Durante meia dúzia de anos, no Saldanha, esventrou o coração da cidade, desprezou residentes e comerciantes. Anuncia mais ligações futuras à periferia sem cuidar de pensar nas ligações dentro da cidade, por exemplo a ocidente ou nas novas zonas habitacionais. Quanto às estações novas, nomeadamente S. Sebastião, fica uma nota: estações enormes, muito em profundidade – mas com poucas escadas rolantes, em contraste com o que acontece noutras situações semelhantes no estrangeiro. Já na Baixa-Chiado é a mesma coisa e, em muitos casos, as escadas rolantes estão avariadas – sempre as que sobem, claro. Ora isto leva-me a perguntar: porque é que não há alguém que, quando a escada de subida avaria, se responsabilize por inverter a de descida – é que sempre é mais fácil descer que subir. No meio do enorme preço das estações não se poderá investir um pouco mais em conforto e comodidade para os utentes? 

 


 


TV – Na última semana de Agosto os três canais comerciais (RTP 1, SIC e TVI) ficaram separados por um intervalo de apenas cinco pontos entre o mais visto (TVI) e o menos visto (SIC). A guerra de audiências no último trimestre promete, ainda por cima com as mudanças entretanto verificadas na TVI. Mas o dado mais significativo vem do constante crescimento do universo do Cabo – que continua a aumentar o número de espectadores, agora já nos 20 por cento de forma estabilizada. Mais cedo ou mais tarde isto vai ter efeitos no mercado publicitário. Uma nota: em Espanha, esta semana, a TVE deixou de vender publicidade. É outra lógica de serviço público. 

 


 


OUVIR – Neste regresso de férias convém manter no ar o espírito de Verão. Um disco que tem feito as minhas delícias é a compilação de canções pop portuguesas dos anos 50 e 60, da responsabilidade do Real Combo Lisbonense, um projecto dirigido por João Paulo Feliciano e que faz parte da colecção de discos da operadora telefónica Optimus. São sete temas, uma versão de um êxito internacional da época («Oh» de Byron Gay e Arnold Johnson) e seis bem portugueses e lisboetas: «A Borracha do Rocha» do Conjunto de Mário Simões, «Sensatez» de Carlos Canelhas e António José, «Pepe Fado» de Eugénio Pepe e Francisco Nicholson, «O Fado É Bom P’ra Xuxu» de Frederico Valério e Amadeu do Vale e «Dois Estranhos» de Artur Ribeiro e Cazal Ribeiro. Nestas novas versões brilham as vozes de Mário Feliciano, Ana Brandão, Márcia Santos e Ian Mucznik, onde antes estavam Mafalda Sofia, o Thilo’s Combo, Simone ou Olivinha Carvalho, entre outros. A produção é exemplar na reconstituição do som da época e as novas interpretações são deliciosas. CD à venda na FNAC, ainda por cima a menos de cinco euros. 

 


 


SUGESTÃO  – Já que estamos nesta onda musical aqui fica uma sugestão para hoje à noite, sexta-feira dia 4 : os Irmãos Catita actuam no Cabaret Maxime pelas 23h30 (Praça da Alegria), sob a batuta de Lello Marmello, aliás Manuel João Vieira. Reservas de mesa pelo telefone 213467090, entrada a 10€. 

 


 


LER – A edição de Setembro da «Vanity Fair» vem com duas capas alternativas – Michael Jackson está numa, Farrah Fawcett noutra: Fallen King no título da primeira, Fallen Angel no título da segunda. Já se sabe que as edições de Setembro das grandes revistas são sempre apostas fortes da publicidade das grandes marcas, mas em ano de crise temia-se uma alteração à tradição – depois de um início do ano mais fraco, esta «Vanity Fair» vem recheada de publicidade, ela própria graficamente aliciante – destaco as páginas da Chanel, David Yurman, Moncler (com Bruce Weber), Calvin Klein Jeans e Guess – esta última marca estrategicamente colocada no início da tradicional lista dos mais bem vestidos em diversas áreas (muitos espanhóis referenciados a começar pela Princesa Letícia), sempre publicada na edição de Setembro. Um atractivo suplementar é uma divertida ficção de Tom Wolfe sobre as angústias dos ricos financeiros que deixaram de poder viajar em jactos privados. Delicioso. 

 


 


VER – O número de Setembro da edição britânica da revista «Esquire» é verdadeiramente um artigo de colecção que merece ser manuseado, folheado, visto por todos os ângulos. Dedicado integralmente ao tema do fato clássico para homem, tem uma capa dura, lombada de tecido e papel especial. Na capa está Quentin Tarantino e no interior numerosos artigos e, felizmente muita publicidade – como já não se via há alguns meses, um sinal de alguma retoma nestas edições da rentrée. O tema do fato de homem – a sua evolução ao longo da história e os melhores acessórios, por exemplo, ocupam boa parte da edição. O prato forte é uma entrevista com Paul Smith, o homem que reinventou a roupa de homem na Grã-Bretanha há uns anos e que é uma referência incontornável no design de moda. 

 


 


PETISCAR – Algo me diz que o Spot S. Luiz, o restaurante do Teatro S. Luiz, vai marcar esta rentrée – ao almoço está cada vez mais animado, tem agora uma pequena esplanada, um inovador hamburguer com ovo escalfado, clientela animada e a presença de Sofia Aparício na equipa da casa. A direcção culinária é do chefe Fausto Airoldi. Telefone 213430253 . 

 


 


BACK TO BASICS – «Só há um forma de saber se um homem é honesto... pergunte-o. Se ele disser 'sim', então você sabe que ele é corrupto» - Groucho Marx 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:54



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D