Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



PARCIALIDADE - Um ano depois de Barack Obama ter vencido a eleição presidencial vai um grande sururu na Casa Branca por causa da Fox News. Obama acusa a Fox News de ser tendenciosa. A conversa alastrou pelos media e Fareed Zakaria, o editor da Newsweek, um Obamista assumido, colocou a sua revista ao serviço da cruzada anti-Fox News. Convém aqui dizer, de passagem, que o desenvolvimento da reformulação editorial da Newsweek, que Zakaria empreendeu há uns meses, transformou a revista, num espaço muito alinhado politicamente com a Casa Branca e com os objectivos internos e externos de Obama – ou seja, o reverso da moeda que é criticada na Fox. Esta conversa sobre o alinhamento dos media não é nova – assistimos até há pouco tempo a grande sururu em torno da TVI e do Público – em ambos os casos, como agora já se percebeu, a linha editorial foi domesticada. O fenómeno acontece por todo o lado – desde Chávez a Obama, pelos vistos – quando algum canal de televisão se torna incómodo passa a ser maltratado. A questão, no entanto, é a forma como as coisas são tratadas a partir de diferentes prismas. Durante anos assistiu-se a um claro enviezamento noticioso francamente favorável, em sentido lato, à esquerda europeia ou aos democratas norte-americanos. Digamos que quase se tornou uma regra do politicamente correcto ser-se anti-Thatcher, anti-Cavaco, anti- Bush. No caso americano, que aqui estamos a analisar, o coro anti-Bush de muitos media foi assinalável – mas não me lembro de à época a Casa Branca ter decretado persona non grata vozes críticas. Num recente artigo do «New York Times» notava-se que se os democratas se irritam com a Fox, os Republicanos também se podem irritar com outro canal noticioso, a MSNBC. Na realidade o facto de existir alguma tendência nos noticiários não é nova; novo é o facto de os democratas americanos estarem a provar o fel que andaram durante anos a servir ao público em geral. E é muito curiosa a forma como reagem. 


 


CÂMARA - Esta semana tomei posse como representante eleito na Assembleia Municipal de Lisboa. Chocou-me a forma como os serviços da Assembleia, certamente mal instruídos por alguém, logo na primeira sessão, deram por adquirido que existia uma única lista candidata à Mesa da Assembleia, fruto de negociações entre PS, PSD e CDU. Em vez de esperarem por ver o que saía do plenário, quiseram dar por adquirido o resultado das negociações entre as estruturas dos maiores partidos. O resultado é que surgiu mais uma lista, do PPM e do MPT, que felizmente salvou as aparências e evitou que Simonetta Luz Afonso fosse eleita em lista única, como me pareceu ser o desejo dos negociadores. Os serviços lá fizeram à pressa novo boletim de voto, menos cuidado e completo que o anterior. Os pequenos partidos e os independentes fazem falta, e muita, para que a política não se transforme numa farsa negocial – esta a primeira lição que aprendi logo no meu primeiro dia em funções. 


 


LIXOS - A operação Face Oculta vem chamar a atenção para um aspecto muito curioso: negócios que se desenvolveram na sequência de medidas tomadas sob a capa ambiental tornaram-se rapidamente em expoentes de grupos de interesse, em pressões e corrupções. Para além das boas intenções de alguns, os negócios desenvolvidos à sombra do ambientalismo têm muito que se lhe diga, como estes dias têm mostrado O que se tem passado em Portugal lembra estranhamente a série «Sopranos», onde o principal negócio da Máfia estava precisamente na área da reciclagem de lixos. A história das negociatas ocorridas nesta área, e que cronologicamente e de facto surgiram por ocasião da Expo 98, ainda vai dar pano para mangas. A legislação então feita permitiu e fomentou a criação de negócios que hoje se revelam espúrios – e seria curioso perceber como alguns empresários foram tão rápidos a conhecer novas oportunidades de negócio que podiam ser exploradas. Há muito tempo que não acredito em coincidências… 


 


LER – Não é todos os dias que uma revista comemora 300 anos – três séculos de vida. O caso é que a britânica «Tatler» assinalou na sua edição de Novembro os seus três séculos de existência com um número magnífico de 400 páginas. Um colosso, recheado de histórias, de evocações de épocas da revista – na verdade um manual de como é possível recuperar uma publicação que esteve quase a encerrar portas em finais da década de 70 e que depois fez um percurso notável – começado com Tina Brown entre 1979 e 1983 e então nunca mais interrompido. 1709 foi o primeiro ano da Tatler e um dos acontecimentos desse ano, que esta edição destaca, foi o primeiro voo em balão de ar quente, realizado em Lisboa a 8 de Agosto, pelo padre Bartolomeu de Gusmão que percorreu 400 metros pelo ar para deleite da corte – a nota é acompanhado por uma produção de moda bem actual – é isto que torna uma revista algo de diferente e apetecível e comercialmente muito eficaz. 


 


OUVIR – No ano passado António Pinho Vargas editou a primeira série de «Solo», com composições suas, registadas em sessões de gravação no CCB. Este ano o resto das gravações não editadas e mais umas quantas novas surgem em «Solo II», que consegue ser mais interessante e estimulante que o disco inaugural da série. A maioria das composições continua a ser de António Pinho Vargas, mas há duas versões notáveis «Que Amor Não Me Engana» de José Afonso e «The Times They Are A Changing» de Bob Dylan. Eu, que gosto de discos de piano solo, tenho ficado rendido a este «Solo II», feito à revelia de toda a lógica editorial tradicional e só possível pela dedicação do músico e pela teimosia e perseverança de David Ferreira e das suas Investidas Editoriais – assim se chama a editora que colocou no mercado este belo disco. 


 


REGISTO – Quis o destino que na altura em que se assinalava o 25º aniversário do jornal «Blitz», que fundei e dirigi nos primeiros anos, morresse o António Sérgio, que desde o princípio apoiou a ideia e que ao longo do tempo sempre colaborou com o jornal. Eu, como gerações de ouvintes de rádio, seguia as suas indicações, as suas descobertas. O António Sérgio amava a música e era um mestre a divulgá-la, fazendo-a chegar a mais gente. E fazia rádio com a paixão de quem gosta de comunicar – uma rádio como raramente, infelizmente, se faz hoje em dia.  


 


BACK TO BASICS – Quando se faz a chamada no Senado, os Senadores às vezes não sabem se devem responder «Presente!» ou «Inocente!» - Roosevelt.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:33



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D