Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



XADREZ – A notação da Standard & Poor’s foi a chicotada psicológica que fez PS e PSD entrarem de repente num cenário de total pragmatismo, à moda da «realpolitik», procurando entendimentos práticos em detrimento de bases políticas. No cenário actual esta actuação, orientada a resultados, vai proclamar a sua bondade e necessidade  para assegurar interesses nacionais, requerendo que se comprometam princípios ideológicos. Até aqui tudo bem. Mas a «realpolitik» é um jogo de xadrez feroz e tenho alguma curiosidade em ver como Sócrates e Passos Coelho vão movimentar as peças. E quem no fim termina com a desejada expressão «xeque-mate».


 


PRODUZIR – Qualquer que seja o jogo de xadrez que os políticos decidam fazer, há uma curta nota na avaliação da Standard & Poor’s sobre Portugal que, sendo cínica, põe no entanto o dedo na ferida: as medidas de contenção são boas, mas correm o risco de não favorecer o desenvolvimento da economia. No fundo há um horizonte que não pode ser perdido: quando se tem dívidas tem que se produzir mais para garantir o pagamento do que se deve; o nosso problema é que o nosso crescimento económico é baixo. Temos que produzir mais, vender mais. Isto quer dizer, como sempre e em qualquer caso, estudar e definir uma estratégia, desenvolvê-la e não andar sempre aos zigue-zagues. Parece básico mas a realidade é que isto não tem sido feito.


 


CRISE –A posição da Alemanha em toda a crise europeia é muito ditada pela proximidade das eleições regionais do próximo dia 9 de Maio, em que existe o risco de se esvaziar a coligação que sustenta o Governo de Angela Merkel. A oposição acusa a chanceler de esmagar a classe média com impostos, que no fim são canalizados para outros países. O cenário de instabilidade no Reino Unido, com os Liberais Democratas a arriscarem uma votação histórica no próximo dia 6, também condiciona o desenvolvimento próximo de uma posição europeia sobre a situação grega  - que é o mesmo que dizer sobre a crise que ameaça o euro.


 


SEMANADA –  Quem não quer saber do que se passa na Grécia nem na Europa é Manuel Alegre que apresenta a sua candidatura presidencial formalmente dia 4; a Assembleia da República foi paralisada por uma greve dos funcionários de apoio; o melhor discurso das cerimónias do 25 de Abril coube a Aguiar Branco com as suas citações de Lenine a Sérgio Godinho, mas sobretudo com a forma como gozou com o preconceito e como mostrou que a liberdade deve estar acima das ideologias; a melhor citação da semana vai para Domingos Amaral, que no «Correio da Manhã», e citando o discurso de Cavaco sobre a necessidade de Portugal se virar para o mar, escreveu: «Se formos cínicos podemos sempre lembrar que já investimos no mar muito dinheiro com a compra de dois submarinos. Se calhar é esse o nosso maravilhoso destino marítimo: usar os dois novos e caríssimos periscópios à procura de um novo milagre económico…»


 


CURIOSIDADE – As Comissões de Inquérito na Assembleia da República têm servido para evidenciar uma coisa muito curiosa: pelos vistos há imensos gestores de grandes empresas que não fazem a mínima ideia do que se passa dentro das casas que são supostos administrar.


 


 


 


VER –A partir desta semana há uma nova razão para se ir ao Lux: ver as instalações que um grupo de dez artistas plásticos lá colocou e que nos próximos dez meses transformam todo o espaço. Com o título «O dia pela noite» este conjunto de dez instalações é a forma de o Lux assinalar o começo desta nova década. De entre os artistas escolhidos estão alguns dos mais promissores da nova geração. Sem querer fazer destaques deu-me especial gôzo ver a forma como Vasco Araújo trabalhou o espaço da discoteca, como Rodrigo Oliveira interveio sobre a parede do bar principal e a cabina do DJ e como João Pedro Vale cenografou  a entrada do Lux. Mas todas as dez intervenções merecem ser vistas e vividas, do fundo da discoteca, passando por todas as escadas até ao topo do terraço. O conceito foi desenvolvido pelo Lux em parceria com a Fundação EDP - e Manuel Reis está de parabéns por mais uma grande ideia bem concretizada.


 


LER – Não é absolutamente nada inútil folhear e ler a revista «Inútil». É certo que é um raio de um nome para uma publicação, mas também é certo que o título chama a atenção e dá logo vontade de pegar no objecto para descobrir o que lá está. A «Inútil» é uma daquelas revistas movidas pela paixão de fazer e editar. A sua directora, Maria Quintans, usa a revista que criou como se fosse uma galeria onde mostra palavras, desenhos, fotografias, grafismos, textos. É como se cada novo número da «Inútil» (este, dedicado ao TEMPO, é o segundo)  fosse uma exposição colectiva onde  se exploram e mostram várias ideias e vários caminhos.


 


OUVIR – Doris Day nasceu em 1922, começou como cantora numa banda de jazz e tornou-se depois uma estrela de Hollywood. Nellie McKay é bem mais nova, nasceu em 1982, e tem desenvolvido a sua carreira como cantora e como actriz, nomeadamente em stand up comedy. «Normal As Blueberry Pie» é o título do CD que agrupa 13 temas que em tempos foram interpretados por Doris Day, desde «The Very Thought Of You» a «Crazy Rhythm» passando por »Send Me No Flowers»? ou «Do Do Do». Neste disco Nelli McKay fez curiosos arranjos e orquestrações , canta, toca piano e umas percussões ocasionais. É um disco inesperado e divertido, uma bela homenagem a Doris Day..


 


PETISCAR – Volta e meia gosto de voltar aos restaurantes que só frequento ocasionalmente, como acontece com o Casanostra. Nunca fui assíduo do local, mas das vezes que lá me sentei saí sempre bem servido. Com 24 aninhos de vida completados no início de Abril, o Casanostra está na esquina da Rua da Rosa com a Travessa do Poço da Cidade, e surgiu como um restaurante que se propunha mostrar que a comida italiana não se resume às massas e à pizza. A aposta foi bem conseguida e volta e meia ainda me consigo surpreender com pratos que não tinha provado – como uns fígados de pato acompanhados de polenta que estavam absolutamente magníficos. Feitos na frigideira, com um molho consistente e saboroso, tinham um tempero irrepreensível. Casanostra, Travessa do Poço da Cidade 60, telefone 21 342 59 31.


 


 


 


BACK TO BASICS –  Numa crise tenham em conta os perigos mas estejam atentos ás oportunidades -  John F. Kennedy

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:20


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D