Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O PONTAL – A política faz-se com emoção, faz-se com comunicação, faz-se com paixão e entusiasmo. Só lógica não chega. O discurso de Pedro Passos Coelho no Pontal foi um exemplo de lógica e um desastre de comunicação – à meia noite de um sábado a meio de Agosto esteve mais de dez minutos a falar do enquadramento geral das coisas e o resultado é que a parte mais importante do discurso já não foi transmitida em directo pelas televisões. Se o objectivo era colocar a posição sobre o orçamento de Estado nos jornais e nos telejornais posteriores, mais valia tê-lo feito logo no início. Falou, bem, da justiça, mas esqueceu a educação. Saltou demasiados temas.  Em termos televisivos a entrada do líder podia ser um bom momento, mas aqui, na sua ânsia de unificar o PSD e não perder apoios internos, Pedro Passos Coelho resolveu dividir a sua entrada com Mendes Bota, que para muito eleitorado próximo do PSD é um exemplo daquilo que não se deseja. Mas acima de tudo o comício esteve mal encenado e Passos Coelho tem pela frente o desafio de ser capaz dedar emoção a boas ideias. Se quer disputar eleições, o que acontecerá mais cedo ou mais tarde, mais vale começar já a pensar que precisa de sair das fronteiras do seu partido para ganhar, precisa de entusiasmar as pessoas. Não é fácil, mas sem essa capacidade de comunicação que a emoção proporciona, será muito difícil mobilizar eleitores para o seu projecto. Até agora Pedro Passos Coelho federou as facções internas, mas como adiante provavelmente se verá, é uma unidade fraca, que tem o ónus de tornar desconfiados os que não pertencem ao PSD. Há demasiada confusão dentro do caldeirão, e todos estes pequenos incidentes, desde o atabalhoamento da proposta de revisão Constitucional, à encenação escolhida para o Pontal, mostram isso mesmo. Os independentes nunca gostam do aparelho. Os líderes precisam dele. Gerir o equilíbrio de forma eficaz é o que tem faltado a este PSD e isso é preocupante e um mau sinal de como se encara a participação dos cidadãos que não querem estar nos partidos.


 


AUDIÊNCIAS TV – A TVI desencadeou uma tempestade sobre a medição de audiências. Convém recordar que a medição é feita da forma que actualmente existe porque os canais generalistas de sinal aberto assim diligenciaram há uns anos. Está em curso, desde há meses, um processo de revisão do sistema de audiometria, que tenha em conta a nova realidade do cabo, das caixas digitais que já estão num número significativo de casas, a eventualidade da proximidade e expansão da TV via internet e, claro, a atrasadíssima e já quase inútil televisão digital terrestre. A TVI veio a terreiro gritar que o rei vai nu porque ficou com o corpinho a descoberto – José Eduardo Moniz nem há um ano saíu e, nesta altura, em termos de share, a TVI já tem muitos dias em que não se pode gabar de ser líder. Mas tirando as dores de alma da TVI, o que verdadeiramente interessa é assegurar que o futuro sistema de medição de audiências tenha em conta o peso crescente dos canais por assinatura, que claramente são os mais prejudicados no sistema actual. Há quem diga que uma medição rigorosa daria aos canais comerciais em sinal aberto um share conjunto que andaria entre os 55 a 65% do número efectivo de telespectadores, contra os cerca de 75 a 80% actuais. O que se deseja é uma amostra maior, melhor, que permita segmentar e estudar de forma mais precisa quem vê TV. A televisão, em Portugal, entrou na era da segmentação de públicos e, se o próximo modelo de estudos de audiência não tomar isto em conta, toda a gente vai continuar a viver num grande engano.


 


ARRÁBIDA – Não percebo como se deixou chegar a Arrábida ao ponto em que está. Entre os fundamentalismos dos responsáveis do Parque Natural – que como este ano se tornou dolorosamente evidente têm um efeito contrário ao pretendido – e a total inoperância do Instituto de Conservação da Natureza , a Arrábida é actualmente o espelho não de uma protecção ambiental bem sucedida, mas de medidas administrativas que por acção, omissão e negligência provocaram uma situação de facto que é de abandono do património natural, histórico e cultural da região. A incompetência dos responsáveis, aliada a uma leitura messiânica da protecção baseada no afastamento de visitantes  levou à penalização e perseguição da utilização pública de espaços naturais. Na Arrábida as autoridades preocupam-se em perseguir as populações e as suas actividades tradicionais, enquanto implicitamente defendem as actividades agressoras do ambiente, como a cimenteira, dando-lhe o aval do Estado através dos contratos de co-incineração. Na Arrábida o Estado nem sequer assegura vigilância e limpeza eficazes – como este ano dolorosamente está à vista de todos. Para quando um inquérito aos responsáveis do Parque Natural da Arrábida?


 


REALIDADE - Um mês de floresta a arder, um mês de aflições, mortes, prejuízos, esforços. Um país virado para a floresta e de costas voltadas para o mar. O mar, que não arde, podia ser a nossa riqueza maior, gerava mais emprego e criava riqueza, numa zona económica exclusiva maritima extensa cuja exploração nunca mais é encarada como deve ser. Uma das más heranças para as próximas gerações é a forma como temos desprezado o mar. O nosso mar.


 


LER – Muito útil nesta encruzilhada em que estamos, “Portugal em Números”, o terceiro volume da colecção “Ensaios da Fundação” (Fundação Francisco Manuel dos Santos). Da responsabilidade de Maria João Valente Rosa e Paulo Chitas, “Portugal em Números” faz uma compilação útil e actualizada dos principais indicadores, que nos permtem ter uma noção do que é a nossa verdadeira situação para além da demagogia dos politicos.


 


OUVIR – Decididamente o disco deste verão é “The Suburbs” dos canadianos Arcade Fire. Canções simples e eficazes, letras que são mini narrativas do quotidiano, arranjos simples e criativos, de que são bons exemplos os temas “Half Light” e “Spraw”, divididos em duas partes, cada um, numa invulgar e bem conseguida exploração de novas fornteiras formais da canção. Há canções excepcionais, desde logo “The Suburbs” ou “City With No Children”, mas na realidade este album dos Arcade Fire é uma colecção de temas que se podem ouvir, vezes a fio, sempre com um sentimento de descoberta. Claramente um dos melhores discos deste ano.


 


PETISCAR – As sardinhas, este ano, estão como os melões – andam incertas e parece que lhes falta qualquer coisa. Mas mesmo assim, esta semana comi as melhores sardinhas deste Verão num restaurante, simpático, à beira da estrada, entre Palmela e Azeitão. Chama-se “Retiro do Gama” e tem no comando das operações Carlos Gama. Eis um caso em que o dono está atento aos comensais, a ver o que pode faltar em cada mesa, a orientar o serviço dos empregados. Um exemplo para outros locais de restauração onde o serviço ao cliente é coisa ignorada. As sardinhas vinham perfeitas, pele estaladiça, a saltar, fresquíssimas, assadas no ponto. Grelhadores há muitos, bons mestres de grelha há poucos e o “Retiro do Gama” tem uma boa grelha. Ao longo do último ano tenho assistido à transformação do espaço. Carlos Gama nestes tempos de crise é um exemplo: aos poucos foi reinvestindo no espaço – melhorou e ampliou a esplanada, de tal maneira que agora quase se esquece estarmos à beira da estrada. Mas como nem só de grelha vive um restaurante ha opções como uma caldeirada à antiga, um ensopado de enguias e um arroz de lingueirão que também dá que falar. Aberto aos almoços de terça e domingo e aos jantares de quinta a domingo. Retiro do Gama , Avenida Visconde de Tojal, Cabanas,  Quinta do Anjo, telefone 937841997.


 


 


ARCO DA VELHA – Um país que fecha escolas primárias em vez de fazer uma reforma do ensino médio, técnico e superior está a brincar com o futuro à custa dos nossos impostos.


 


 


BACK TO BASICS –  A História da Humanidade é cada vez mais um confronto entre a educação e a catástrofe, H.G. Wells



 


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:39


1 comentário

Sem imagem de perfil

De cheap designer handbags a 08.09.2010 às 02:07

I am just trying out your new predictions platform.
This is interesting for Collective intelligence purposes and well done.
Could I have more background information on that project? Having worked at Yahoo!
Answers, Flickr and Community products out of Canada, I like to discover interesting projects like this.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D