Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



PRESIDENCIAIS


Os debates televisivos entre os vários candidatos presidenciais estão a ser o «flop» do ano. Discursos redondos, manifesta falta de ideias, mero aproveitamento de oportunidade propagandística, há de tudo um pouco. O outro lado da evidente falta de interesse tem a ver com uma questão de fundo: os cidadãos afastam-se da política e  a culpa não é certamente deles, mas sim dos políticos que prometem uma coisa e fazem outra, eleição após eleição.


No caso concreto do Presidente da República a situação é agravada pelo descrédito em que a função tem caído – os estranhos e oscilantes mandatos de Jorge Sampaio ajudaram a denegrir a função,  e este mandato de Cavaco Silva, que correu entre a crise e o silêncio, foi tudo menos empolgante. Não deixa de ser irónico que no centenário da República a eleição para Presidente esteja a ser tão apagada e tão pouco mobilizadora.


Alguma coisa está mal, profundamente mal, em todos este sistema cada vez mais desfasado da realidade. Depois, claro, há oportunismos políticos que agravam tudo isto: como se pode acreditar num candidato, como Manuel Alegre, que está atado nas críticas ao Governo pelo facto de ser o candidato oficial do PS, e que não diz uma palavra sobre as formas de sair da crise?


 


 


LISBOA


Dos filmes de Vasco Santana e António Silva ficam-nos na memória personagens como o Costa, do Castelo. Infelizmente agora o Costa é outro – tem pouco humor e muita malandrice. Especializou-se em cobrar taxas e mais taxas a quem gosta de viver em Lisboa. O Costa, da Câmara (um apoiante de Alegre, claro) cobra taxas do subsolo e agora quer aplicar taxas para a protecção civil e bombeiros. Por acaso quem vive em Lisboa já cá paga IRS, já paga a contribuição autárquica e as receitas arrecadadas deviam ser para fazer funcionar os serviços da cidade. Mas não – as taxas são para a máquina burocrática da Câmara. Os serviços básicos e de emergência, esses, ficam a descoberto. O que o Costa, da Câmara, anda a fazer é um abuso e dos grandes – anda a meter-nos a mão no bolsos - nas próximas eleições lembrem-se disto. Lisboa está cada vez pior, o  incentivo para cá viver é cada vez menor. É uma pena mas é assim. E enquanto isso o centro da cidade vai definhando e ficando cada vez mais deserto. O ponto é este: a protecção e o funcionamento de uma cidade fazem parte da razão de ser de pagarmos impostos – cobrar mais taxas pelos serviços básicos é abuso e nada mais.


 


 


COMPRAS


Quem por estes dias for a um supermercado fazer compras do Natal vai ficar espantado como há tão pouca coisa produzida em Portugal. De figos secos a guloseimas, de frutas variadas a congelados, cada vez há menos produtos cultivados, transformados e embalados em Portugal. Deixámos de ser um país produtor, mesmo nas coisas onde tínhamos tradição. Um dos efeitos perversos da política europeia foi este de destruir a capacidade agrícola dos pequenos países e de fomentar a exportação pelos grandes produtores. Agora, os grandes países apontam-nos o  dedo porque nos endividámos para lhes fazer compras – em tudo, da indústria à agricultura. A utopia europeia revelou-se uma  perigosa forma de acentuar as diferenças entre os mais ricos e os mais pobres. Apenas os ingénuos acreditam que em Berlim e Paris há quem pense no bem comum. Como sempre, cada um faz por si, à custa dos outros. É uma história que tem séculos.


 


 


PERGUNTA


Donde vem tanta euforia com os sucessos da educação se esta semana foram revelados estudos que indicam que em 45% das escolas os resultados são fracos relativamente ao insucesso escolar?


 


ARCO DA VELHA


A notícia é de estarrecer: PS e CDS receberam a dobrar reembolso do IVA relativo a despesas de campanha eleitoral, apenas porque os serviços que deviam ser competentes não detectaram que existia uma duplicação.


 


 


VER


Até 23 de Janeiro, no Museu da Electricidade, junto ao Tejo, a Fundação EDP apresenta a “As Cidades de Vieira da Silva e Arpad Szenes”., num bem sucedido esforço de complementaridade em relação à Trienal de Arquitectura. Através de 58 obras das colecções da Fundação Arpad Szenes Vieira da Silva, Metropolitano de Lisboa e de uma colecção particular,  traça-se um percurso de observação do espaço urbano e da presença das pessoas nesse mesmo espaço. Como curiosidade algumas destas obras são agora expostas pela primeira vez. De terça a Domingo, entre as 10 e as 18h00.


 


LER 


A edição de Janeiro da revista norte-americana «Vanity Fair» tem na capa uma extraordinária fotografia de Johnny Depp, executada por Annie Leibowitz. O mais curioso é que a entrevista a Depp é feita Por Patti Smith, sim a mesma que canta e toca. E é uma bela entrevista, a propósito do file «the Tourist», protagonizado por Depp. Outro ponto de interesse nesta edição é um belo artigo sobre a vida de Jacqueline Onassis enquanto editora de livros, com algumas revelações curiosas sobre a forma como ela organizava o seu dia a dia no mundo da edição livreira.


 


REGISTO


«Femina», de Legendary Tiger Man, aliás Paulo Furtado, está  entre os melhores do ano da revista francesa Les  Inrockcuptibles. Merece. Já agora, para a mesma publicação, o melhor disco de 2010 foi «Suburbs», dos Arcade Fire. Para mim, também.


 


OUVIR


Chet Baker começou por ganhar fama graças a uma versão de «My Funny Valentine» que o então jovem tropetista gravou em 1952, inserido no quarteto de Gerry Mulligan. Uns anos mais tarde, em 1958, Chet Baker grava para a etiqueta Riverside um disco em que aparece primordialmente  como cantor - «Chet Baker Sings». Baker tem uma voz envolvente e um estilo vocal descontraído, mas sedutor. Chet costumava dizer que ele próprio não sabia se era um trompetista que cantava ou um cantor que tocava trompete. O disco adensa a dúvida – mas é um exercício de criatividade vocal e um dos momentos altos da sua carreira, agora remasterizado digitalmente, e com a inclusão de quatro extras em relação aos dez temas da edição original. «It Could Happen To You» - Chet baker sings, CD Riverside/Universal, na FNAC.


 


PROVAR


Se um dia destes lhe apetecer ouvir  música africana, acompanhada por boa muqueca de camarão, moamba ou cachupa, o destino pode ser a Casa da Morna, na Rua Rodrigues Faria 21, a Alcantara. Nas noites de quinta-feira Tito Paris está por lá – é um dos sócios da casa. Sala ampla, mesas confortáveis, bom som. Telefone 213 646 399.


 


BACK TO BASICS


Era bom que as pessoas que têm dificuldade em comunicar optassem por ficar caladas – Tom Leher

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:47


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D