Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



QUEM ABRIU O BURACO?

por falcao, em 05.04.11

(publicado no diário Metro de 5 de Abril)


 


Neste fim de semana descobri uma coisa extraordinária: o país chegou ao buraco em que está e a culpa não é de ninguém. Sócrates diz que a culpa é toda da oposição; Guterres quando se pronunciou há dias sobre a situação portuguesa omitiu qualquer responsabilidade no gasto generalizado, que ganhou razoável incremento no seu tempo; Cavaco Silva não quer nem ouvir falar nisso, esquecendo-se quem iniciou o ciclo de aumentos de custos no funcionamento da função pública; Durão Barroso, apesar de ter estado pouco tempo, também faz como se não tivesse sido primeiro-ministro. Este país só tem autores de boas ideias, todos eles aliás tão bons que são sistematicamente exportados para altos cargos internacionais em reconhecimento dos altos feitos praticados.


 


Nos últimos 15 anos assistimos alegremente a uma espiral de aumento da despesa pública que nos conduziu onde estamos agora. A obsessão pelo contínuo alargamento do Estado Social e pelas grandes obras, e a ilusão do dinheiro fácil e sempre disponível, criou um monstro que imagina auto-estradas paralelas, muitas delas vazias, apenas para alimentar as obras públicas que são a principal fonte de financiamento dos partidos no poder. Vivemos governados por um monstro que criou tantos apoios que acabou por comprometer aqueles que deviam ser básicos: a saúde, a educação, a protecção no desemprego. E vivemos com Governos que, para obterem financiamentos de Bruxelas, aceitaram deixar acabar a agricultura e as pescas e preferiram ver a indústria  reduzir-se à expressão mais simples.


 


E, no entanto, a receita para um bom Governo  é simples e Marco Túlio Cícero, um dos grandes filósofos e políticos da Roma antiga, que se distinguiu pelo sua defesa da rectidão nas contas públicas, sintetizou desta forma o que pensava: «As finanças públicas devem ser saudáveis. O orçamento deve ser equilibrado. A dívida pública deve ser reduzida. A arrogância da administração deve ser combatida e controlada. A população deve trabalhar em lugar de viver da ajuda pública».

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:37


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Vítor Vieira a 06.04.2011 às 17:21

Cá está mais um exemplo do problema da "sabedoria das cadeias de email": na sua crónica julga citar Cícero, mas na verdade o texto é de uma "informadora" do FBI, Taylor Caldwell, numa biografia romanceada de Cícero, de 1965 - vejam-se http://en.wikiquote.org/wiki/Cicero, http://www.truthorfiction.com/rumors/c/cicero-plan.htm, http://foia.fbi.gov/foiaindex/tcaldwell.htm, http://www.tulliana.eu/documenti/Gazette%20IV%20Curiosa%20ENG.pdf

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D