Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



MUDANÇA - A partir de segunda-feira nada será igual. Temos prazos apertados para cumprir. Metas difíceis de atingir. Equipas governativas para formar. Vão encontrar um país que precisa de voltar a ganhar confiança e energia – porventura o desafio mais difícil depois de anos de anestesia e depressão. O novo executivo vai ter de gerir melhor os recursos, dinamizar a economia e motivar as pessoas. Espero que os novos governantes tenham o bom senso de olhar para Portugal como um país e não como uma empresa integrada numa multinacional europeia. Espero que saibam que a governação e a política têm um lado racional e rigoroso, mas também um lado de paixão e desafio. Espero que combinem o cumprimento dos compromissos exteriores com as expectativas de quem cá vive. Temos um PIB reduzido, um crescimento anémico. Deixámos de produzir e concentrámo-nos a consumir e a alteração deste paradigma é decisiva para podermos sobreviver. Quem se sentar no Governo tem que ser realista, encarar os problemas de frente, não esquecer as dificuldades do país nem as dificuldades das pessoas. É no equilíbrio da gestão destas dificuldades – colectivas e individuais – que está a chave de podermos começar a resolver os nossos problemas mais importantes. E, sobretudo, de termos êxito a recuperar a economia e tornar melhor a vida dos portugueses – que é a única razão de existência de qualquer Governo. Muitos dos anteriores dirigentes políticos e partidários esqueceram-se deste objectivo, que parece simples. Por isso mesmo segunda-feira começa um desafio ao nosso sistema político e aos nossos partidos. Serão os partidos e os seus dirigentes capazes de vencer a descrença? Querem continuar, como até aqui, a lamentar o passado, ou estão mesmo interessados em mudar o futuro? Será possível que os partidos voltem a conquistar a confiança e a participação cívica dos portugueses?


 


COLIGAÇÃO – Miguel Relvas disse esta semana numa entrevista que «Passos Coelho será melhor Primeiro-Ministro do que candidato» - a frase resume o percurso zigue-zagueante do PSD nestes meses mais recentes, os erros de comunicação e a forma como geriu, mal, expectativas. Já aqui escrevi que sou incapaz de votar Fernando Nobre, que vou votar no CDS, por ter sido um exemplar grupo parlamentar na oposição a Sócrates e porque assim estou certo de reforçar o equilíbrio das forças num governo de coligação - que é necessário para tirar o país do pantanal onde foi colocado por anos de autismo de José Sócrates. Continuo sem perceber porque é que na conjuntura em que estávamos o PSD não quis fazer uma coligação eleitoral com o CDS-PP – provavelmente a campanha seria mais esclarecedora, o senhor engenheiro teria ficado antes numa situação mais incómoda e ter-se-iam evitado disparates como a candidatura de Fernando Nobre em Lisboa. Estava eu muito irritado com tudo isto quando, há umas três semanas, tive a sorte de assistir a uma conferência de Bob Wilson - ele veio a Lisboa falar sobre as cidades mas acabou a falar da vida. Mostrou como é importante parar para pensar, como falar devagar ajuda os outros a perceberem o que se passa. Falou do equilíbrio, da importância do vazio e do silêncio. Do palco, do teatro e do dia-a-dia. Da luz, e da sombra. Foi uma conferência absolutamente extraordinária, organizada por Luis Serpa. Foi um fim de tarde onde aprendi muito, e que me ajudou a tomar uma decisão. Nesse dia, à noite, lembrei-me de Bob Wilson ter dito que gostava de ver as notícias na televisão com o som desligado. Ele tem razão. Passei a perceber bem melhor as coisas.


 


ARCO DA VELHA – A sabedoria popular manifesta-se hoje em dia no Facebook, onde li esta pérola:  Espanha pede ajuda à União Europeia por causa dos pepinos – já Portugal pediu ajuda à União Europeia por causa de um nabo…


 


LER –  A edição de Junho da revista «Monocle» é dedicada à importância do transporte num mundo global. É um tema curioso – até nas nossas circunstâncias particulares, com a necessidade de articular ligações com Espanha e ser realista nos custos – a este propósito vale a pena ler o editorial de Tyuler Brulé, o director da revista.. Bons artigos sobre a nova música da Etiópia, uma reportagem sobre a vida em Tunes depois da revolução e a forma como os negócios estão a correr na Tunísia e, ainda, um ponto de situação sobre a evolução do design nos países nórdicos. A rematar um portfolio fotográfico sobre Berlim e as pessoas que para lá foram viver e trabalhar. Outros artigos interessantes: como os locais de trabalho são importantes para o equil´+ibrio das pessoas e como evolui o negócio da arte em Hong Kong. As cidades em destaque são Viena e Londres e para a ediçlão do m~es que vem já se anuncia Florença. Embora algumas vezes sem o fulgor das primeiras edições, a «Monocle» continua a ser o melhor guia de tendências.


 


AGENDA – No MUDE, em Lisboa, a colecção permanente tem uma nova exposição, que refresca o olhar sobre o acervo, com novas peças, novos autores e também uma maior presença de criadores portugueses – ao todo 200 peças em exposição até 2 de Setembro. «Seguindo o Traço», uma nova exposição de desenhos de Teresa Gonçalves Lobo, patente no Centro Cultural de Cascais até 26 de Junho; desenhos e fotografias de Pedro Tropa na Galeria Quadrado Azul, no Largo Stephens em Lisboa até 2 de Junho; «Cem Vezes Nguyen», uma exposição da PHotoEspaña 2011 no Museu Berardo até 28 de Agosto; até 17 de Julho na Fundação EDP «Vestígios - Memórias da antiga carpintaria da Central Tejo», um trabalho fotográfico de Luis Campos; na Módulo Tito Mouraz, apresenta, agora em Lisboa, o portofólio, Leitura(s), depois de uma primeira apresentação nos Encontros da Imagem 2010 em Braga, em Setembro passado. Já agora – visitem o site www.artecapital.net , que tem de longe o melhor guia sobre exposições de arte contemporânea em Lisboa.


 


OUVIR –  Um destes dias li, a propósito de «Here We Go Again», o disco de Willie Nelson e Wynton Marsalis que aborda o rertório de Ray Charles, com a colaboração de Norah Jones em algumas faixas, que Nelson cantava pessimamente e que dava cabo destas canções. Eu acho que afirmações destas são oriundas de concursos tipo «Ídolos» - em que se privilegia quem tem vozes perfeitas, descurando a forma como se pratica a música – de preferência certinha, cinzentinha e chatinha. Pois bem: o mundo está cheio de grandes vozes que cantam mal e tem muitos casos de fracas vozes que interpretam de forma superior – é o caso de Willie Nelson e são estas vozes imperfeitas que ficam para a história na música popular. Integrado na iniciativa «Jazz At The Lincoln Cener», este disco, gravado ao vivo, é uma mostra do que o jazz tem de melhor – a improvisação e o gôzo dos músicos e cantores. É um disco saudavelmente imperfeito, divertido como poucos hoje em dia, espontâneo e natural e, acima de tudo, uma grande homenagem ao talento de Ray Charles. CD Blue Note, na Amazon.


 


PROVAR – Confesso que gosto de conservas e nós em Portugal temos uma grande tradição, hoje em dia por vezes esquecida, na indústria conserveira. Nos Açores as conservas de atum são um clássico e uma das fábricas tradicionais da região – a Santa Catarina - acabou de ganhar um prémio da Greenpeace por boas práticas na pesca e tratamento do peixe. As conservas Santa Catarina apresentam algumas novidades pouco vulgares como filetes com orégãos, com batata doce e com tomilho. Qualquer das três variedades foge ao que estamos habituados e o ex-libris da marca é a conserva de ventresca de atum, a barrtiga do peixe, considerada a parte mais rica e saborosa. As conservas Santa Catarina podem ser encontradas em boas lojas gourmet e num no site www.azoresgourmet.com.pt , que aliás recomendo a quem quiser adquirir on line produtos da região.


 


BACK TO BASICS – A política é quase tão excitante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra a pessoa só pode ser morta uma vez, mas na política diversas vezes (Winston Churchill)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:12


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D