Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



LIBERAIS & AUDIOVISUAIS – Ciclicamente vem à baila o tema da privatização da RTP, sempre em nome de boas práticas liberais. Estamos num destes ciclos e mais vale encarar o assunto de frente. Geralmente existe alguma confusão entre a privatização da RTP e a concessão a privados do serviço público de televisão. Parece-me que o assunto está, nesta fase muito mal estudado. Se é a empresa RTP que se pretende privatizar vai ter que se fazer uma análise do que pode ser interessante vender, em termos de mercado, com o objectivo de conseguir um bom preço: As frequências de que tem concessão? As licenças de cabo? Os estúdios? Os meios técnicos? Os recursos humanos? O arquivo? A operação de televisão? Um dos canais? A operação de rádio?


 


Eu sinceramente acho que ninguém está, neste momento, em condições de responder a estas questões. E acho que a resposta é muito difícil enquanto não houver uma decisão clara sobre o que deve ser o serviço público audiovisual. Em Setembro de 2002 foi divulgado um relatório com propostas concretas sobre o que devia ser o serviço Público de Televisão, elaborado por um Grupo de Trabalho que na altura integrei. No essencial as conclusões programáticas desse relatório mantêm-se actuais mas nãoi estão aplicadas. O primeiro passo para fazer o que quer que seja é definir aquilo que deve ser assegurado pelo serviço público, estabelecer uma missão, prioridades e objectivos. No essencial isto não está feito.


 


Há também que ter em conta a circunstância política de saber se o Estado quer exercer um papel regulador, quer no mercado da produção audiovisual, quer no mercado dos media em geral. Nos últimos dias tenho lido diversas opiniões favoráveis a que o Estado deixe de ter esse papel regulador, em nome do livre funcionamento do mercado. Aconselho os defensores do livre funcionamento do mercado, nesta matéria, a estudarem bem o caso dos Estados Unidos ou dos países nórdicos, muitas vezes apontados como referência – talvez tenham surpresas quanto às balizas estreitas que nesses países o Estado impõe à actividade de emissão de televisão e ao condicionamentos que existem nos media. Falar de cor com base em ideias feitas é um exercício fatal, que geralmente resulta numa teimosia que é má conselheira.


 


Quer em relação ao papel de regulador na área conteúdos (dizendo quais são as áreas prioritárias de desenvolvimento e investimento), quer de regulador dos media (garantindo uma saudável concorrência não só entre televisões mas entre todos os media em geral), gostaria de deixar aqui uma pequena nota sobre o mercado – e neste caso sobre o mercado português. O nosso mercado é pequeno, está em recessão e não em crescimento. Um filme português de sucesso faz 300.000 espectadores e, além de alguns festivais, não tem exibição internacional. O mesmo se poderia dizer quanto aos programas de televisão. A rentabilidade da produção audiovisual portuguesa está confinada ao nosso pequeno rectângulo, não por fatalismo mas por um conjunto de questões – que vão da fonética da língua, pouco dada à exportação mesmo para o Brasil, até à falta de maturidade da maior parte dos produtos. Por isso mesmo é que vale a pena estudar muito bem o assunto, evitar pressas, promessas e ideias feitas, e ver qual a melhor forma de desenhar um serviço público que possa ser motor de desenvolvimento da produção audiovisual – partindo do princípio de que esta é a única formas contemporânea de mantermos viva a língua e a cultura portuguesa no mundo.


Usando a imagem esta semana anunciada por Steve Jobs, da Apple, os idiomas e as culturas que não estiverem na cloud não existirão num futuro próximo. E sem uma produção audiovisual não estaremos lá de certeza.


 


LER –  Nada como um bom policial para nos reconciliar com a leitura. Há uns tempos descobri as aventuras escritas pelo italiano Andrea Camilleri e aos poucos ele está a tornar-se num dos meus autores preferidos. A escrita é concisa, não se perde em descrições maçadoras e o novelo da história é bem urdido – além disso polvilha cada romance com apetitosas descrições de refeições italianas, melhor dizendo sicilianas - que o herói das histórias é o comissário Montalbano, estabelecido em Vigata, uma vila imaginária mas que, pela descrição, fica na zona de Agrigento. «O Cheiro da Noite» é um original de 2001, editado em Portugal em 2002, pela Difel, que tem divulgado Camilleri em Portugal. Em poucas palavras é a história de um vigarista que imagina um esquema do género D.Branca/ Bernard Madoff e que engana as gentes de Vigata. O romance é a história da investigação em torno do desaparecimento do vigarista e de um seu auxiliar – e como acontece nos policiais de Camilleri, a meio dá-se um volte-face inesperado. Mas isso eu já não conto que não quero estragar a surpresa.


 


VER – A sugestão de hoje é para voyeurs compulsivos. Sugiro uma visita à exposição «The Last Sitting», que mostra 60 fotografias da célebre sessão realizada pelo fotógrafo norte-americano Bert Stern num hotel em Nova York, em Junho de 1962, para a revista «Vogue», apenas seis semanas antes da morte da actriz. A sessão de fotografias durou três dias e – reza a lenda - ter-se-ão bebido muitas garrafas de champage. Stern fez mais de 2500 imagens, muitas delas com Marylin nua – em 1992 foi publicado um livro com a maioria destas imagens e algumas pranchas de contacto anotadas pela própria Marylin. Esta exposição vai estar no Centro Cultural de Cascais até 17 de Julho, de terça a Domingo, entre as 10 e as 18h00.


 


OUVIR –  Se este disco se chamasse «Cavaquinho» podia ser do Júlio Pereira. Como se chama «Ukulele Songs» vem assinado pelo ex-Pearl Jam Eddie Vedder. É um disco tão simples que chega a ser desarmante e tão sóbrio que quase não se dá por ele. O ukulele é descendente do cavaquinho português, levado por emigrantes para o Hawai, e que aí se tornou imensamente popular. No fundo é um pequeno instrumento de cordas (apenas quatro cordas), muito fácil de tocar e com uma gama de acordes limitada. Parece que Vedder o descobriu numa viagem ao Hawai e, desde então, o instrumento acompanha-o para todo o lado. Todas as canções são de Eddie Vedder, a maior parte compostas no próprio ukelele e as participações – vocais ou instrumentais – são absolutamente minimalistas. «Sleeping By Myself», «More That You Know», «Satellite» , «Tonight You Belong To Me» e «Dream A Little Dream» são as minhas preferidas - mas devo dizer que este é daqueles discos a que se vai voltando audição após audição, cada vez com mais prazer. A simplicidade musical do álbum contrasta com o cuidado posto na capa e no pequeno livro, com cuidadas fotografias e um grafismo onde a simplicidade é aparente.  Já agora – na semana passada este «Ukelele Songs» foi o CD mais vendido em Portugal – o que não deixa de ser curioso. Cá por mim acho bem.


 


PROVAR – Cada vez que regresso ao Papa Açorda arrependo-me de não ir lá mais vezes. Já que agora, na cidade, me desloco numa scooter fica bem mais fácil visitá-lo sem perder muito tempo na deslocação, sobretudo à hora de almoço que é quando gosto mais do local. A escolha recaíu nuns filetes com arroz de berbigão e numa açorda de bacalhau, ambos em muito boa forma. Passaram-se as entradas mas havia uns belos figos com presunto de Parma e a carta oferecia ainda outras possibilidades como a deliciosa salada verde com caranguejo de casca mole. Na lista lá continuam os clássicos do Papa Açorda – pastéis de massa tenra com feijão verde,  morcela assada com grelos, costeletas de borrego panadas, fritura mista de peixe com aioli e, claro, a açorda real de gambas e lagosta. Nas sobremesas nunca resisto às queijadinha de requeijão (se não estivesse a tentar ser comedido teria ido para o pudim de ameixas pretas ou a mousse de chocolate). Rua da Atalaia 57, aberto de terça a sábado, telefone 213464811


 


BACK TO BASICS – Nunca devemos deixar que a persistência e a paixão se tornem em teimosia e ignorância – Anthony J. D’Angelo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:51



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D