Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 12.02.08
BOM – A persistente atitude do CDS no Parlamento, a marcar a agenda, a obrigar à presença de quem o PS procura evitar que se explique perante os deputados. Praticamente a única oposição visível.


MAU – A machadada no ensino artístico que a actual Ministra da Educação pretende fazer no âmbito da reestruturação do sistema educativo português. Uma das faces já visíveis é o fim do ensino especializado da música.


O MUNDO AO CONTRÁRIO – Um agente da PSP, do Porto, fazia horas extraordinárias como segurança numa casa dedicada à prostituição. Depois admiram-se que a polícia crie desconfianças nos cidadãos…


PESADELO – A proliferação recente de «lounges», na generalidade sem pinta de graça, a maior parte com música fracota demasiado alta, e as mais das vezes muito fracos – mas mesmo muito – do ponto de vista do serviço e do ponto de vista da qualidade da comida servida. Não basta um arquitecto copista, uma imitação de DJ, umas roupas engraçadas e um ar antipático para fazer um local de atendimento público. Toda esta gente que anda a copiar «lounges» deveria estagiar um ano a lavar pratos em Nova Iorque para perceber como o sorriso, a simpatia e a qualidade do serviço são a única possibilidade de ter algum sucesso. Os «lounges» de agora são a versão contemporânea dos snack bares de balcão cromado dos anos 70, com a agravante de o serviço ser pior.


DESCOBRIR – O novo blog de Patrícia Reis. Short stories fantásticas, imagens bem escolhidas. A ver em www.vaocombate.blogspot.com.


PETISCAR – Os crackers e biscoitos dos Paladares de S. Sebastião, um misto entre padaria e restaurante a cair para o self service. Nas comidas destaque-surpresa para uma versão portuguesa (na envolvente e no recheio) do strudel – nesta caso um strudel de bacalhau num pão de mistura com o formato da chapata. Rua de São Sebastião da Pedreira 25 A. Não há reservas, senta-se quem chega primeiro. À saída compre um pacote de crackers ou de biscoitos.


VER – Natxo Checa é o curador da exposição «Abissologia» , de João Maria Gusmão e Pedro Paiva,, uma produção da galeria a Zé dos Bois no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, até 7 de Fevereiro.


LER – Neste tempo em que as revistas se segmentam cada vez mais, é curioso seguir a «L’Arte», uma muito bem elaborada revista sobre o mundo das artes plásticas. Polémica, incisiva, bem informada, a «L’Arte» é leitura indispensável para todos quantos gostam de seguir as exposições que as diversas galerias apresentam, de estar a par dos principais leilões e de perceber o valor relativo dos vários artistas no mercado.


OUVIR – Confesso que tenho uma recorrente paixão pela sonoridade de Philip Glass e admito com toda a facilidade que as palavras de Leonard Cohen sempre me emocionaram. Quando estes dois nomes se juntam para fazer música, o resultado merece ser ouvido. Estava algures entre o receio e a curiosidade quando coloquei a tocar «Book Of Longing», o registo de um espectáculo concebido por Glass e Cohen e estreado ao vivo no Festival de Spoleto, nos Estados Unidos. A ideia foi baseada num livro, com o mesmo título, com poemas e desenhos de Leonard Cohen, editado em meados de 2006. Trata-se da primeira recolha de poemas de Cohen em 20 anos, desde que tinha editado «Book Of Silence». Neste «Book Of Longing», Glass teve a ideia de partir das palavras de Cohen para criar uma obra musical, fazendo-se rodear de instrumentistas e cantores de géneros diversos (do rock à música clássica). A apresentação ao vivo, em estreia, ocorreu há cerca de um ano e estreou e no final do ano passado surgiu a edição em disco, acompanhada de um livrinho com os poemas e alguns dos desenhos de Cohen. Ao todo são 22 canções fantásticas - e algumas delas inesperadas. Cohen surge no disco declamando alguns dos seus poemas ou fazendo curtas introduções. Glass, ele próprio, toca teclas. Duplo CD, Edição Omm, comprada na Amazon.


PERGUNTANDO – O que é que Scolari anda a fazer? A tentar ser o seleccionador dos fiascos?


BACK TO BASICS – Estar na política é um pouco como ser treinador de futebol: tem que se ser suficientemente esperto para perceber o jogo e estúpido ao ponto de se achar que é uma actividade importante (Eugene McCarthy)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:11



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D