Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 13.08.06
ISTO ESTÁ A FICAR CHATO…


Uma das coisas mais desagradáveis do clima político que se anda a viver é o sentimento da imposição de medidas muito politicamente correctas – todas elas traduzidas num reforço da interferência do Estado na vida dos cidadãos. Na verdade, isto não é uma novidade – quer dizer, não é bem uma surpresa vinda de José Sócrates.

Há uns anos atrás, quando era responsável no Governo Guterres pela pasta do Ambiente, José Sócrates fez um programa baseado num manual do que era politicamente correcto em matéria ambiental, impondo o que quis, baseado exclusivamente na autoridade que lhe vinha do cargo que exercia.

Desde essa altura que reparo que José Sócrates tem uma característica muito peculiar: gosta de ter poder, de o exercer, e o mais das vezes exerce-o impondo medidas em nome do Estado e invocando sempre o bem colectivo. Intrinsecamente – até eventualmente pelas melhores razões – ele está convencido das suas opções, acha que tem razão numa série de coisas que quer fazer, e não quer perder tempo. José Sócrates gosta demais da autoridade quando ela está nas suas mãos e não sei se isso é uma boa característica para um Primeiro-Ministro – este apego ao Poder e à autoridade é sempre o justificativo para interferir nas liberdades individuais, para condicionar a vida dos cidadãos. O bem colectivo é sempre o pretexto invocado pelos apóstolos do politicamente correcto e do peso do Estado, mas quando a definição do bem colectivo está nas mãos de uma pessoa, a coisa tem tendência a complicar-se

Confesso que não gosto do Estado, muito menos de um Estado quem está cada vez mais autoritário, cada vez mais regulamentador. Inevitavelmente este Estado cobra cada vez mais e retribui cada vez menos – começa a caminhar para viver para si próprio.

A concentração de poderes, a concentração das fontes de informação sensíveis (polícias, secretas, fiscais, judiciais) está cada vez mais num círculo muito apertado do poder político, fisicamente próximo do Primeiro Ministro. Esta concentração de poder e as informações recolhidas são demasiado pouco controladas pelos cidadãos. A realidade é esta: o controlo que o Estado quer exercer sobre todos os aspectos da vida dos cidadãos é o mesmo que o Estado não aceita na verificação das informações que recolhe. Num cenário de concentração de poder num círculo estreito – como hoje acontece – estes factos são muito preocupantes tanto mais que existe sempre a possibilidade de alguém aproveitar informações do Estado para a luta política. É uma tentação - e não sei bem se aqueles que amam demasiado o poder e a autoridade lhe saberão resistir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D