Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por falcao, em 10.02.07
JUSTIÇA? – O sistema judicial português – em particular a Procuradoria da República e a Polícia Judiciária - tornaram prática corrente uma forma muito século XXI da justiça popular pós revolucionária de má memória: insinua-se uma acusação a alguém, de alguma coisa, não se apresentam provas nem acusação concreta, constituem-se arguidos ad-hoc, dá-se boa cobertura jornalística ao sucedido avisando de buscas domiciliárias, inquirições, e arguições, atenta-se ao bom nome das pessoas de forma metódica e sistemática. Depois, o processo não anda, as provas não surgem, a acusação não é concretizada – mas o mal está feito e as pessoas vão sendo afastadas do que faziam. A utilização destas práticas em processos de matriz política é assunto corrente. Kafka escreveu sobre isto no século passado, mas é no século XXI que o sistema judicial português e a sua justiça popular pós-moderna são cada vez mais kafkianos.


ACASO – Estou para ver se por algum acaso do destino as entidades judiciais resolvem constituir arguido mais algum vereador da Câmara Municipal de Lisboa, ou o seu próprio Presidente, precisamente na altura em que o PS já estiver pronto para apresentar candidato – processo turbulento, difícil e de calendário complicado. O caso, recordo aqui, não seria inédito na forma: o ex-Presidente da República, o socialista Jorge Sampaio, só encontrou razões para convocar eleições antecipadas quando o seu partido já estava pronto para as disputar. Ele há métodos que fazem escola…


IMPOSTOS – O insuspeito Medina Carreira disse na semana passada, em entrevista ao Rádio Clube Português, que a via administrativa para cobrar mais impostos estava a ficar esgotada – é um alerta para o que começam a ser sinais de abuso de poder da administração fiscal contra os cidadãos, reflexo de uma atitude generalizada do Estado. Na realidade fica cada vez mais evidente que, incapaz de concretizar reformas estruturais, o socratismo utiliza o Estado para perseguir os cidadãos e não para os servir. É o mundo ao contrário.


LIVRO – Uma fantástica e muitíssimo oportuna edição de um dos mais divertidos e certeiros escritos de Arthur Schopenhauer, «A Arte De Ter Sempre Razão». Eu oferecia de bom grado este livro ao Ministro António Pinho e ao Primeiro-Ministro José Sócrates – havia de lhes ser muito útil. Esta bela edição da Frenesi tem a vantagem de incluir ainda excertos de outro texto fundamental do autor, «O Fundamento da Moral», outro tema muito desconhecido pelo Estado nos dias que correm. A edição da Frenesi tem uma boa tradução e um certeiro prólogo de Jorge Pereirinha Pires intitulado «Da Linguagem Como Arte Marcial».


FOTOGRAFIA – Olho para a exposição dos seleccionados para o prémio BES Photo e fico com a sensação de que, em três quartos do que está exposto, estou no reino da Floribella. De facto são uma desilusão os seleccionados para o prémio BES Photo de 2006: com a excepção de Daniel Blaufuks, o resto das escolhas do júri revela um provincianismo gritante, a adesão ao kitsch como abordagem estética, a subalternização da fotografia como forma de expressão e a sua consagração como mero suporte e meio técnico de cópia. É uma pena que esta iniciativa tenha escorregado para a lógica dos jogos florais pictóricos onde contam mais as influências que o talento. No CCB até 18 de Março.


OUVIR – O disco mais tropicalista alguma vez feito em Portugal chama-se «JP Simões 1970» e acabou de ser editado. Os temas originais de JP Simões, que foi a voz e boa parte do espírito dos Bellechase Hotel, são deslumbrantes. A forma de dizer, mais do que cantar, isola a música das palavras de uma forma quase provocatória, que contribui para tornar este disco uma das mais importantes gravações portuguesas dos últimos anos. É impensável não salientar a genial versão de um original de José Mário Branco, «Inquietação». Há muitos anos que fora do hip-hop não havia um disco de originais portugueses com esta qualidade e vigor. CD edição Nortesul.


REFERENDO – Voto pela liberdade individual de escolha e contra a hipocrisia. Voto sim.


BACK TO BASICS – Devemos fazer encolerizar o oponente, pois no seu furor ele fica incapaz de um juízo correcto e de perceber o que é do seu interesse – A.Schopenhauer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:24


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D