Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 11.07.06
O ESTADO E O MEU BOLSO


Quando comecei a trabalhar, já lá vão praticamente 30 anos, o Estado propôs-me um contrato: todos os meses me retirava um tanto do meu ordenado para impostos e outro tanto para a Segurança Social. Era um contrato um bocado forçado – não tinha forma de lhe fugir. Vivendo exclusivamente do meu trabalho, não tenho por onde fazer fintas, não posso domiciliar-me na Holanda, nem praticar truques diversos que permitem a algumas entidades, legitimamente aliás, serem menos espoliadas pelo Estado.

Acontece que em contrapartida pelo que eu lhe pago, o Estado prometia assegurar algumas questões básicas – serviços de saúde, educação, e as pensões correspondentes ao retorno do meu investimento. No fundo o Estado queria funcionar como um gestor de fundos que cobra coercivamente – e nessa base nós somos todos estimados clientes. Ora o Estado trata muito mal os seus clientes – na verdade não tem respeito por eles. Anos de más governações criaram um monstro que devora recursos, proporciona serviços entre o mau e o sofrível, e ignora os seus compromissos. Mais, muda as regras quando lhe apetece, não informa os seus clientes das alterações, aumenta os preços e diminui os serviços, enfim um mau exemplo de relação fornecedor-cliente.

Eu acho muito bem todos os esforços no sentido de tornar o Estado mais eficaz e menos perdulário – desde que isso se reflicta de forma positiva nos cidadãos. O que se começa a ver é que, uma vez mais, os cidadãos são a derradeira das preocupações do Estado. Há um efectivo e continuado desprezo por quem desconta, para proteger serviços, privilégios, situações instaladas. O monstro público devora recursos e penaliza os clientes cumpridores – que são os primeiros a quem o Estado quer agora racionalizar à força.

Quando se fala em mudar as regras, apetece dizer que o Estado devia começar por interiorizar ele próprio uma mudança necessária: começar a tratar bem os seus estimados clientes, começar a respeitar os contribuintes, começar a considerar que as pessoas não são malfeitoras. Na verdade, se aqui existem malfeitorias, elas vêm por via de regra do Estado e de quem o gere.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:20



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D