Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por falcao, em 03.01.07
A COLECÇÃO – Na área cultural 2006 ficará marcado pela decisão de manter em Portugal a Colecção Berardo, embora, na prática, a qualquer preço. O tempo revelará se foi uma decisão acertada, se o valor e as responsabilidades que o Estado assumiu são justos, se o seu depósito no Centro de Exposições do CCB não vai acabar por asfixiar a autonomia e a diversidade daquele espaço. Teria sido bem melhor, a manter-se a colecção, utilizar o Pavilhão de Portugal, mas a verdade é que a política de espaços culturais em Lisboa anda pela hora da morte, sem norte nem tino. Sócrates ganhou por assegurar a permanência da colecção, mas um dia alguém lhe terá que explicar que os fins não justificam os meios.

A FUSÃO – A anunciada fusão entre a Companhia Nacional de Bailado e o Teatro Nacional de S. Carlos significa um claro desinvestimento na dança, na manutenção de uma companhia com capacidade de criação de repertório – como se vê na nova produção de «O Lago dos Cisnes» - e não vai ajudar em nada o Teatro Nacional de S. Carlos. Sob a imagem que se vão resolver dois problemas financeiros (e sobre isso tenho as maiores dúvidas de que os resultados sejam os que estão nas previsões e diagnósticos anunciados) vão na realidade criar-se dois pesadelos de gestão criativa e cultural. Alguém poderá explicar isto às luminárias que no Governo tomam decisões destas?

COMUNICAÇÃO – Ano negro, títulos a encerrarem, a crise chega a todo o lado e Portugal não foi excepção. Ano negro também pelo papel do Estado, através da Entidade Reguladora, que à primeira casca de banana se estatelou ao comprido e exorbitou claramente das suas funções.. Não é demais chamar a atenção para o que o Ministro Santos Silva anda a fazer no sector, reforçando o controlo do Estado (veja-se o projecto de nova Lei da Televisão), penalizando os privados, restringindo a liberalização. Ainda está por se perceber exactamente que compromissos existem já em relação à entrada de futuros «players» na televisão em Portugal – mas que os há, há. A este título 2007 promete ser um ano com surpresas e apostava que algumas coisas importantes vão mudar no panorama audiovisual. Saúda-se o surgimento de projecto consistentes de televisão na net, como a www.tvnet.pt , um projecto originário dos Açores que cresceu bem e agora tem conteúdos globais.

MÚSICA – Ano de boa colheita, três discos portugueses absolutamente excepcionais: «Unreal:Sidewalk Cartoon» de Bernardo Sassetti, «Believer» de Carlos Bica, ambos na esfera do jazz, e numa outra área, a da música urbana contemporânea, «Pratica(mente)», de Sam The Kid, um disco que ficará uma referência pela qualidade das palavras, pela riqueza dos arranjos e instrumentação.

ESCRITA – Finalmente Francisco José Viegas viu reconhecido o seu trabalho de escritor com «Longe de Manaus», o seu romance deste ano, que lhe trouxe o Grande Prémio de Romance e Novela de 2006, da Associação Portuguesa de Escritores. Na área das crónicas de imprensa é incontornável assinalar «O Pulo do Gato», publicado diariamente neste jornal por Fernando Sobral, que com tiro certeiro foi apontando a dedo as feridas de uma forma de governação que cada vez mais tem por lema esquecer que é suposta governar em nome dos cidadãos e não contra eles. Temporariamente suspensa por motivo de doença, o pulo do gato ganhou entretanto uma outra vida, a outro ritmo, na blogosfera, www.pular-do-gato.blogspot.com

VER – No mesmo ano em que o Museu Nacional de Arte Antiga ganhou novo protagonismo, Lisboa viu surgirem uma série de novas galerias, extensões de espaços que existiam no Porto – a Fernando Santos ( Rua de São Paulo 98), a Graça Brandão (Rua dos Caetanos 26) ou a Quadrado Azul (Largo Stephens 4), ao mesmo tempo que a Luís Serpa Projectos (Rua Tenente Raul Cascais 1B) experimentou novas formas de tocar os públicos com os seus «Cabinets dÁmateur», ou que a VPF Cream Arte e a Plataforma Revólver (Rua da Boavista 84-2º e 3º) se afirmaram como locais de ensaio, descoberta e revelação – muito bem continuados pela publicação on line www.artecapital.net . Cada vez mais as galerias representam um circuito complementar, que merece ser visitado e conhecido, uma das poucas oportunidades de conhecer o trabalho contemporâneo de artistas portugueses.

BACK TO BASICS – O tempo é a única coisa que verdadeiramente nos pertence – mesmo os que nada têm, continuam a ter tempo - Baltasar Gracian.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D