Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



AFINAL QUEM ANDA A TRAMAR A CULTURA?

por falcao, em 26.02.21

50EEB975-E867-4DB2-8A28-D79B2EED243B.JPG

SOBRE O FINANCIAMENTO DA CULTURA - Na semana passada foi divulgada uma “Carta Aberta da Cultura a António Costa”. O documento critica a inexplicável omissão da Cultura no Plano de Recuperação e Resiliência e sublinha, com razão, que “numa época em que a coesão democrática é um tema de preocupação transversal, parece um erro grave que o nosso Governo opte por não investir no futuro de um sector tão fundamental para essa coesão”. Mais, os subscritores afirmam, também com razão, que a não existência de qualquer proposta relativa ao investimento na Cultura no PRR, terá a médio prazo consequências económicas, sociais e políticas. Partilhando eu deste diagnóstico, gostaria no entanto de propôr uma outra abordagem: esta poderia ser a altura ideal para que o Ministério das Finanças possibilitasse uma Lei do Mecenato atractiva para os privados e que criasse, à semelhança do que existe em tantos outros países, verdadeiros incentivos que permitam que o Estado tenha menos encargos na subsidiação e que os privados tenham maior papel no financiamento das artes e cultura. Não é uma visão utópica - ela é posta em prática em muitos países europeus e na América do Norte, onde a sociedade civil assume com gosto um papel, por vezes mais relevante que o do Estado, nesta matéria - e com bons resultados. O Ministério dos Impostos, conhecido vulgarmente por Ministério das Finanças, nunca quer prescindir da colecta. É medieval no pensamento mas moderno na tecnologia de extorsão - um paradoxo muito produtivo para o Estado e para todos os Governos, sem excepção, que protegem a máquina que abana os bolsos de cidadãos e empresas. Eu não defendo a diminuição dos subsídios, defendo que o financiamento à Cultura seja mais diversificado. Nunca vai ser um processo rápido, mas o Estado também não é rápido, muito menos neste sector cultural. Por isso, quanto mais cedo começar a ser possível diversificar financiamentos, melhor. Enquanto os subscritores do documento  se virarem só para o Governo, em vez de exigirem mais fontes de financiamento, nunca vamos sair da cepa torta nesta matéria. Como a eurodeputada Maria da Graça Carvalho afirmou num recente artigo, a União Europeia “integrou os sectores cultural e criativo numa lista de ecossistemas industriais prioritários para a recuperação económica.” Recorda ainda que, por isso, o Primeiro Ministro “não deve agora vir invocar supostos condicionalismos decorrentes da ligação obrigatória dos planos de recuperação aos pilares das transições verde e digital”. E culmina com uma evidência, que se aplica também à reacção de António Costa ao abaixo assinado já referido:  “Para passar por bom aluno, é preciso revelar melhor conhecimento da matéria dada.” 

 

SEMANADA - Mais de 80 por centos dos portugueses deseja que Marcelo seja mais exigente com o Governo, revela uma sondagem do Correio da Manhã - e mais de dois terços considera que o PR foi demasiado benevolente com o executivo nos meses que antecederam as eleições presidenciais;  um novo estudo indica que mais de três quartos dos portugueses estão pessimistas quanto à evolução económica, pelo que grandes decisões como mudar de emprego, casar, ter filhos, comprar casa ou carro estão fora dos seus planos para 2021; uma sondagem da Aximage indica que no actual confinamento o trabalho presencial está a superar o teletrabalho, nomeadamente fora da área metropolitana de Lisboa; uma equipa da Universidade de Coimbra fez um estudo onde 14% dos adolescentes, com idades compreendidas entre os 13 e os 16 anos apresentam "sintomatologia depressiva elevada" devido à pandemia com as raparigas a apresentarem valores mais elevados que os rapazes; existem actualmente mais 104 mil pessoas no desemprego do que há um ano; a DECO recebeu s 30.100 pedidos de ajuda em 2020 por parte de famílias sobre-endividadas; há mais de 1,3 milhões de portugueses ligados a plataformas de ensino à distância; os agentes e militares que fazem a triagem das chamadas de emergência do 112 não auferem gratificação desde setembro, sendo que o INEM transferiu dinheiro para a PSP e para a GNR em dezembro mas os agentes ainda não o receberam; no plano de recuperação e resiliência cerca de 70% dos dinheiros da bazuka vai para o Estado e 30% para o sector privado.

 

ARCO DA VELHA  - Um grupo de quatro dezenas de personalidades, entre elas professores universitários da área da comunicação, subscreveram uma carta aberta onde, em nome da democracia, apelam à ingerência nos critérios editoriais dos noticiários de televisão.

 

IMG_0151.jpg

O PROCESSO CRIATIVOAna Vidigal (na imagem), Alice Geirinhas, António Olaio, Cristina Ataíde, Rita Barros, Inês Almeida, António Faria,  e Manuel Botelho são alguns dos 25 artistas que já enviaram vídeos feitos pelos próprios, e que vão entrando em exibição nas redes sociais do Museu Nacional de Arte Contemporânea. Emília Ferreira, directora do Museu, solicitou a cerca de 130  artistas visuais que criassem pequenos vídeos sobre o seu processo de trabalho, para que fossem mostrados ao público, através do Facebook e Instagram do MNAC, durante estes tempos de confinamento. O desafio era o envio de vídeos feitos com o telemóvel, com o máximo de três minutos, Dos contactados uma centena respondeu afirmativamente, mais de duas dezenas já enviaram os seus vídeos que vão sendo publicados no Facebook e no Youtube, em visualização acessível ao público desde o início de Fevereiro. Dada a adesão, admite Emília Ferreira, é provável que a publicação continue para além do confinamento. O Facebook do MNAC é particularmente bem conseguido e além destes vídeos há uma bela série intitulada “Histórias do Bairro” onde são recordadas lojas históricas da zona onde o Museu está instalado, entre elas algumas das primeiras galerias de arte que nasceram em Lisboa na primeira metade do século passado. https://www.facebook.com/museunacionaldeartecontemporanea

 

image (1).png

ARREBATADOR - Um dos discos que neste confinamento mais me sobressaltou é “For The First Time”, dos britânicos “Black Country New Road”. Trata-se de um septeto, cheio de talentos instrumentais e de uma voz que cria palavras e as interpreta como é raro alguém conseguir - Isaac Wood. Não é fácil catalogar esta música, que tem tantas influências culturais e vai beber   inspiração a tantas fontes. Mas uma coisa é certa, entre o saxofone, as guitarras, as teclas, a percussão e tudo o resto passa uma autenticidade e uma energia que hoje em dia são raras. O que aqui se desenha é um novo mapa do território da música popular, é uma alternativa às versões e às manobras de produção. Há aqui um lado libertino que envolve a criação musical do grupo. A forma como Wood escreve, fala e canta contribui para este sentimento de que alguma coisa de novo está a acontecer. E o álbum, “For The First Time”, nos seus 40 minutos divididos em seis longas faixas, às vezes obsessivamente envolventes, é um permanente abanão. Disponível nas plataformas de streaming, editado pela Ninja Tune.

 

image (2).png

REVISITAR O PASSADO - Temos um problema em olhar para o passado, um trauma que se mantém quase meio século depois de 1974. Olhamos raramente para a nossa História do século XX e, as mais das vezes, mal. Felizmente não é isso que acontece com “Projectos Editoriais e Propaganda - Imagens e Contra-Imagens no Estado Novo”, uma edição do Instituto de Ciências Sociais, coordenada por Filomena Serra, Paula André e Sofia Leal Rodrigues. O livro aborda «projectos editoriais» do período entre 1934 e 1974, entendidos quer enquanto materiais impressos, com abundante documentação fotográfica sobre livros, catálogos, guias de viagem, álbuns ou fotolivros. Além disso mostra revistas como a Panorama, ou a produção documental de divulgação das várias exposições que o anterior regime promoveu. Logo no texto inicial dá-se conta da enormidade do que está em causa: Entre 1934 e 1947, segundo o Catálogo Geral das Edições do Secretariado Nacional de Informação, dirigido por António Ferro, foram publicados 1355 títulos de diversas áreas. Os autores sublinham que “os projectos editoriais são pensados enquanto objectos de mediação entre o poder político e o campo cultural e enquanto propaganda política e arte, pois os seus autores – fotógrafos, pintores, poetas, realizadores, produtores e designers – criam discursos imagéticos próprios a fim de responderem a objectivos comunicacionais de massas, estabelecerem relações e estratégias conceptuais e gráficas, produzirem diferentes suportes e novas formas de editar, publicar e circular pelo público. E, finalmente, esta obra aborda não só os projectos editoriais da propaganda visual do regime como em oposição a ele, depois da Segunda Guerra Mundial, aquilo a que os autores chamam «contra-imagens». Disponível em boas  livrarias que estejam abertas e na Wook.

 

SOPINHA DE INSPIRAÇÃO ORIENTAL  - Conhecida como couve chinesa, hoje em dia começa a ser fácil encontrar nalguns supermercados couve pak choi, na maior parte dos casos cultivada em Espanha. No meio deste confinamento a alternativa para variar o menu é procurar receitas que possam surpreender quem nos acompanha na clausura. Consegui isso um dia destes com uma sopa simples de fazer. A base é um caldo de galinha de boa marca, diluído em dois terços de um litro de água. Uma vez o caldo a ferver colocam-se duas peças de pak choi, desfeitas e cortadas grosseiramente e deixam-se uns cinco minutos a cozer. Adiciona-se pimenta moída na altura e molho de soja de boa qualidade, assim como pedaços de gengibre fresco cortado em lâminas finas e um pouco de óleo de sésamo. Quando a couve começa a ficar tenra, adicionam-se dois novelos de noodles de arroz e logo que a massa se esteja a separar deitam-se dois ovos a escalfar no caldo, separados um do outro para ser mais fácil de servir. Quando a clara dos ovos começar a ficar branca, opaca e consistente pode servir duas doses para dois pratos fundos. Polvilhe com cebolinho fresco cortado fino. Está feito o jantar. Bom apetite.

 

DIXIT - “A melhor forma de capitalizar é não retirar imposto das empresas que têm resultados e reinvestem” - Carlos Moreira da Silva num debate sobre o Plano de Recuperação e Resiliência.

 

BACK TO BASICS - “Os factos são o inimigo da verdade” - Miguel de Cervantes

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.02.2021 às 14:02

Mais uma muito esclarecedora crónica. A Cultura deve ser o sector prioritário das sociedades. Abraço. JMA
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.02.2021 às 09:14

" O culto da virtude, sem a dedicação a Cultura e aos Estudos, conduz a imbecilidade". Abraço. João

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D