Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



IMG_2902.JPG

PELA BOCA MORRE O PEIXE - Em Portugal não temos manifestações de multidões vestidas com coletes amarelos e não é por falta de razões: estamos num país onde qualquer dia em vez de comboios voltaremos a ter  carroças, onde em vez de cacilheiros se utilizarão jangadas, um país onde médicos do maior hospital pediátrico se demitem por falta de condições, onde o um porto marítimo fulcral para a economia continua a suicidar-se, onde as greves em serviços essenciais começam a ser mesmo preocupantes. Temos, no entanto, um sistema perfeito de vasos comunicantes bem exemplificado no Orçamento de Estado que acabou de ser aprovado pela frente de esquerda: aumentam-se os gastos do Estado com os seus funcionários, graças ao dinheiro extra que vem da carga fiscal directa e indirecta. A sociedade portuguesa está a criar um funil onde a boca é larga para cobrar mas o tubo de saída é estreito: o que fica de fora do funil são os serviços que o Estado devia assegurar e que são a razão de ser dos impostos. Por aqui continua tudo trocado: os recursos gastam-se para ganhar sossego político em vez de ser para suprir necessidades da população, na Assembleia deputados vigarizam o livro de presenças e votações, no Ministério das Finanças um quadro superior protegido por Centeno está sob suspeita de fechar os olhos a irregularidades. Noutros tempos dir-se-ia que pela boca morre o peixe. Mas começa a ser perigoso usar provérbios destes graças a uns cómicos que acham que falar assim pode ser ofensivo para os animaizinhos e consideram que o tema deve ser debatido no Parlamento. Depois queixam-se que a Assembleia da República tem má imagem.

 

SEMANADA - Até ao final deste ano há 47 pré-avisos de greves em 11 áreas da administração pública, desde a justiça aos hospitais, passando pela inspeção das pescas; a  percentagem de cesarianas realizadas nos hospitais privados é mais do dobro da realizada no Serviço Nacional de Saúde; entre 1 de novembro de 2017 e 31 de Outubro de 2018 o Ministério Público instaurou 3423 inquéritos relativos a crimes de corrupção e crimes conexos; em Outubro, segundo a Marktest, o site noticioso com maior alcance foi o do Correio da Manhã, com cerca de 2,5 milhões de visitantes; segundo o Conselho das Finanças Públicas os gastos das famílias portuguesas com a saúde estão acima da média da OCDE; 1684 euros é o valor que em média cada português gastou em cuidados de saúde em 2017; segundo o Ministério do Ambiente nos últimos dois anos apenas foi retirado amianto em 90 dos 1400 edifícios públicos que estão no plano de remoção daquela substância potencialmente cancerígena; em duas semanas de greve dos enfermeiros prevê-se o adiamento de cerca de  4500 cirurgias; Maria Begonha continua candidata à liderança da Juventude Socialista apesar de ter prestado declarações falsas sobre o seu currículo e da polémica em torno dos contratos que celebrou com autarquias do PS no valor de cerca de 140 mil euros

 

ARCO DA VELHA - O Inspector Geral das Finanças, que integra o Conselho de Prevenção da Corrupção, é suspeito num processo em que se investigam corrupção, peculato e abuso de poder.

Sete Degraus_300dpi.jpg

A POESIA IMPRESSA - Eugénia de Vasconcelllos começou a publicar poesia em 2005, com “A Casa da Compaixão” e desde então tem publicado ensaios como ”Cultura Light” ou  “ Camas Politicamente Incorrectas da Sexualidade Contemporânea”, contos como “Do Banco Ao Negro” e poesia como “O Quotidiano a Secar em Verso” - que João Mário Silva descreveu como «um meteorito que cruzou o céu da poesia portuguesa»”. Está traduzida em catalão, alemão, sérvio e romeno. Nascida no final dos anos 60, em Faro, Eugénia Vasconcellos elege como poetas favoritos Camões, Walt Whitman e Herberto Hélder . O seu novo livro, “Sete Degraus Sempre A Descer”, percorre etapas do amor, da descoberta à desilusão, do encontro à despedida, entre dúvidas e desejos. Como Eugénia de Vasconcellos escreve logo no primeiro poema do seu novo livro, “A poesia não é coisa das páginas dos livros -/ não se faz na tipografia./ Ainda que seja nas páginas dos livros que/se fixa depois de a tipografia lhe dar um corpo de papel -/ é sempre de amor que se faz um corpo,/ é por amor que um corpo se dá./A poesia é da vida. É de quem tem.”

 

image (1).png

O PARADOXO CONTEMPORÂNEO - A Galeria Cristina Guerra Contemporary Art exibe, até 4 de Janeiro, uma exposição que reúne 42 obras de arte contemporânea de artistas portugueses e estrangeiros - de Julião Sarmento a John Baldessari, passando por Horácio Frutuoso, Vasco Araújo ou Joseph Kosuth, Ed Ruscha ou Matt Mullican, entre muitos outros. As obras têm proveniências diversas, nomeadamente de colecções particulares e do acervo da própria Galeria e foram agrupadas por Alexandre Melo sob o título “1000 imagens-  uma imagem vale mais que mil palavras”. Existe um ponto comum entre muitas das obras que é a utilização da palavra escrita, seja de forma isolada, seja numa frase. No texto que acompanha a exposição Alexandre Melo sublinha que “a presença das palavras no contexto criativo das artes plásticas é marcante nas vanguardas históricas do início do século XX” para depois esclarecer que o critério de curadoria da exposição foi apresentar “uma grande diversidade de obras realizadas por autores que, cada um segundo a sua sensibilidade e no âmbito da sua linha de pesquisa, deram um lugar de destaque às palavras, e assim nos dão, a nós próprios, a possibilidade de pensar e decidir qual o valor e a atenção que queremos, ou não, continuar a conceder às palavras”. Esta reflexão está enquadrada numa época em que as imagens se banalizaram e a sua utilização se globalizou e multiplicou - e por isso este confronto das palavras com a imagem se torna interessante. Mas, ao mesmo tempo, a montagem da exposição evidencia um paradoxo que por vezes se torna repetitivo na arte contemporânea - e que passa por viver de uma teoria e da sua sublimação,  mais do que de uma emoção ou de um acto de comunicação. Evidenciar este paradoxo é a marca destas “1000 imagens”.

 

image (2).png

UMA ESTRELA NO FADO - Carminho está  a fazer um dos mais interessantes percursos artísticos entre as fadistas da sua geração e mistura o fado que conviveu com ela toda a vida (a mãe é a fadista Teresa Siquiera) com outros géneros musicais e nomeadmente a música brasileira. Sinal disso é ter já gravado nos seus quatro discos anteriores duetos com Chico Buarque, Milton Nascimento, Marisa Monte e Nana Caymmi. O seu quarto disco é aliás inteiramente dedicado à obra de Tom Jobim e é, também, uma prova da versatilidade da sua interpretação. “Maria”, agora editado, é o seu quinto álbum e marca um regresso ao território musical de origem - o Fado. Carminho envolveu-se mais do que é costume na produção e escreveu várias das canções que interpreta naquele que parece ser o disco mais pessoal da sua carreira . A concepção dos arranjos e a escolha de instrumentos (desde a tradicional guitarra de fado à guitarra eléctrica) mostra que a ousadia de Carminho não se manifesta só na sua forma de cantar, mas também na abordagem musical que concretiza. A guitarra portuguesa esteve a cargo de Bernardo Couto, José Manuel Neto e Luis Guerreiro, a viola de fado é de Flávio César Cardoso, no baixo acústico esteve José Marino de Freitas, no piano João Paulo Esteves da Silva e na guitarra eléctrica Filipe Cunha Monteiro  - aliás Carminho também toca guitarra eléctrica no tema “Estrela”, por sinal um dos melhores do disco. É muito interessante o contraste que Carminho consegue criar entre as suas composições originais (nomeadamente “Mulher Vento”” e “Estrela”), a interpretação de clássicos (como “O Começo”, de Pedro Homem de mello e Acácio Gomes), tradicionais (como “Sete Saias” de Artur Ribeiro) ou a abordagem a “As Rosas” (de Joana Espadinha). CD Warner.

 

SABORES LIBANESES -  A zona do Princípe Real levanta-me a maior reserva em termos de restaurantes. Não tenho tido boas experiências, sobretudo no atendimento que parece penalizar quem não é turista. Mas recentemente tive uma boa surpresa num novo espaço que nasceu num local onde antes existia um desses restaurantes o, no caso o Prego da Peixaria. O Sumaya - Mesa Libanesa tem um acolhimento simpático, um serviço atencioso e os empregados sabem explicar o que é cada prato deixando os clientes decidirem por si. Há combinados que juntam várias especialidades ou pode seguir-se o menu e ir pedindo. A comida libanesa apela à partilha de petiscos (mezze), portanto a ideia é pedir várias coisas e ir partilhando e saltando de uma para outra. Veja na lista os mezze frios e quentes, pegue no pão achatado que lhe colocam na mesa e vá fazendo experiências. Numa recente visita a escolha recaíu sobre Labneh (iogurte  com tomilho, azeitonas e hortelã), Baba Ghanouj (uma pasta  de beringela com tahini, limão e romã ),  Fatayer (empadas de espinafre com limão e azeite) e Makanek  (salsichas caseiras cozinhadas num molho de romã com pinhões). Há vinhos libaneses, mas também portugueses e, na circunstância, optou-se por um Catarina a copo. A sobremesa vai variando todos os dias mas na altura veio um  Mohalabie, uma espécie de panna cotta libanesa que leva pistácios aos pedaços e fez um bom contraste de sabores com o resto da refeição.  Sumaya - Mesa Libanesa - 213470351, reservas@sumaya.pt, Rua da Escola Politécnica 140

 

DIXIT - “Não podemos ir além do limite, sob pena de que PSD e CDS se fiquem a rir de nós e digam que tinham razão” - António Costa, no Parlamento, sobre o Orçamento de Estado para 2019.

 

C.Fischer_Spatien #8, 2018.jpg

BOLSA DE VALORES -  Claudia Fischer expõe na Galeria Belo-Galsterer (Rua Castilho, 71, RC, Esq ) a obra Spatien #8, 2018, impressão sobre papel, edição 1/3 emoldurada, com a dimensão 26x73 cm, por 750 euros (IVA de arte incluído).

BACK TO BASICS - “Nunca devemos interromper o inimigo quando ele está a fazer um erro” - Napoleão Bonaparte

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D