Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Com o novo Governo finalmente a ser nomeado esta semana, e enquanto andam nos bastidores listas de nomes para o elenco, vale a pena olhar para a área da Cultura. O problema essencial não é saber o nome que vai ser indicado, mas sim perceber qual o peso político efectivo da pessoa que fôr designada para a pasta da Cultura - o mesmo é dizer a sua capacidade de influenciar decisões de outros Ministérios que são fundamentais para que se possa fazer alguma coisa de concreto em matéria de política cultural.

Devo dizer que a questão de saber se, no processo de redução, já anunciado, do elenco governativo, a Cultura vai ou não ser Ministério não me causa grande inquietação. Por exemplo, se António Costa dedicasse mais tempo à Cultura do que o habitual encontro de apoiantes do sector que promove sempre antes de eleições ou a presença numas inaugurações avulsas, talvez valesse a pena que existisse um Secretário de Estado da Cultura na directa dependência do Primeiro Ministro. Mas como sabemos não é isso que se passa. Independentemente da conjuntura especial que temos vivido - pandemia,crise, guerra - a Cultura é sempre a parente pobre da atenção do Primeiro Ministro. Sobre a estrutura do Governo, qual o sentido de existir um titular da pasta da Cultura com assento no Conselho de Ministros, mas que não tem voz activa ou condições para convencer e obter apoio dos seus colegas de Governo, nomeadamente na área das finanças e da Economia, além dos Negócios Estrangeiros.

Porque pego nestas três áreas? Porque as finanças são estruturantes para se poder rever o financiamento no quadro do Orçamento de Estado, para se conseguir alterar a fiscalidade do sector, desde medidas de incentivo à compra de obras de arte por particulares ou empresas, e até à autonomia financeira de Museus e outras instituições, que continuam de mãos atadas, sujeitos a cativações e que nem sequer conseguem chegar aos apoios mecenáticos que eventualmente angariam;  a Economia porque é aí que converge muito do que são indústrias criativas, o desenvolvimento digital e  o turismo, áreas que numa série de países europeus estão associadas à pasta da Cultura; e, finalmente, os Negócios Estrangeiros porque tem a ver com a divulgação da língua e a promoção da cultura portuguesa fora das nossas fronteiras. 

E nem vou tão longe quanto aqueles países que colocam a Cultura na mesma estrutura governamental que o Desporto, como acontece em Espanha. Atentemos na definição de actividades do Ministério da Cultura e dos Desportos em Espanha: “cabe ao Ministério da Cultura e Desporto a proposta e execução da política do Governo em matéria da promoção, protecção e difusão do património, protecção e difusão do património histórico espanhol, dos museus do estado e das artes, livro, leitura e criação literária, das actividades cinematográficas e audiovisuais, dos livros e bibliotecas estatais, assim como a promoção e a difusão da cultura espanhola, a dinamização das acções de cooperação cultural, e, em coordenação com o Ministério das Relações Exteriores, União Europeia e Cooperação das relações internacionais em matéria de Cultura. Da mesma forma compete-lhe a proposta e execução da política do Governo em matéria de Desporto.”

Creio que faz sentido que a preservação e valorização do património tenha ligação com o turismo, assim como faz sentido que a gestão dos jogos de apostas sejam fonte de financiamento da actividade cultural, como também acontece numa série de países. E faz sentido que o desenvolvimento digital, tão ligado hoje em dia a áreas como o audiovisual, estejam também juntos. Nalguns países a Cultura e a Comunicação estão juntas, como aliás já acontece desde há uns anos em Portugal - mas esta ligação é sobretudo vista como forma de promover o desenvolvimento e a literacia digital. E, há até um país, a Suécia, onde o Ministério da Cultura é responsável por assuntos como actividade cultural, democracia, mídia, minorias nacionais, política juvenil e desenvolvimento da sociedade civil.

Aqui chegados,  atingimos o cerne da questão: qual é a política cultural proposta - alguém sabe o que o Governo vai fazer, além das generalidades do programa eleitoral do PS? Quais os objetivos traçados? Até que ponto quer o Primeiro Ministro efectivamente mudar o curso das coisas e dotar a Cultura de mais peso e maior capacidade de acção? O nome escolhido pode ter algum significado, mas no fim do dia o que conta é a política cultural que no topo do Governo fôr aceite e definida.

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:31


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuel da Rocha a 22.03.2022 às 11:28

IL, Chega, PSD e CDS prometeram em investir 170000 milhões de euros, durante 4 anos, na cultura portuguesa, financiando 3000 programas televisivos, 120 documentários e 66500 produções cinematográficas internacionais.
Carlos Moedas já reservou 180 milhões, na Câmara Municipal de Lisboa, para oferecer 260000 noites em hotéis e patrocinar 14 a 20 filmes produzidos na cidade. Isto tudo pago pelo simples aumento de 0,1% no IMI.
O governo... não tem feito nada.
Basta ver que a Cnn Portugal e a CMTV, foram reconhecidos com 2 dos 4 melhores canais do mundo, a nível noticioso, na gala da Altice Portugal. E o governo só lhes deu 1,3 milhões de euros. PSD, IL e Chega estariam a pagar 700 milhões de euros anuais a estes 2 canais televisivos para terem lá 7000 super especialistas no assunto em causa.
Imagem de perfil

De falcao a 22.03.2022 às 12:16

Isto é fake news total, basta olhar para os números.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2003
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D