Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



807B0D9A-649E-488C-8B52-E6307954AA87.JPG

DINOSSAUROS EXCELENTÍSSIMOS - A Assembleia da República e os seus deputados continuam a dar uma triste imagem ao país. Nesta semana foram protagonistas, sobretudo o seu Presidente, de um lamentável pretexto que fomentou  a intolerância a propósito do 25 de Abril. Criaram o anátema de rotular como anti democratas aqueles que chamaram a atenção para as medidas em vigor no âmbito da pandemia e que se opunham a uma reunião alargada. Quem projectou um debate de saúde pública em debate ideológico colocou-se  no lugar, não de quem deve dar o exemplo, mas daqueles que se julgam acima de qualquer lei e ostentam como argumento privilégios que julgam ter para contrariar as instruções do próprio Governo sobre matéria de saúde pública. Deram mais uma vez prova de um completo autismo e de uma incapacidade em compreender a comunicação - podiam ter aproveitado para criar uma celebração virtual da liberdade melhor que os discursos monótonos e repetitivos com que brindam as reduzidas audiências que seguem as cerimónias oficiais, e que cada vez se assemelham mais a exéquias que a festa. Foram, em última análise,  o reflexo do pior que existe no degradado sistema político-partidário actual, verdadeiros dinossauros excelentíssimos. Um ex-deputado socialista, mais lúcido que os actuais, escreveu no Facebook sobre a polémica criada: “A AR, com o seu Presidente à cabeça e a pronta anuência do Presidente da República, conseguiu o que não passaria pela cabeça de um cão tinhoso: pôr uma boa parte dos portugueses contra as comemorações do 25 de Abril “.

 

SEMANADA - Desde o início da pandemia cerca de 38,0% dos consumidores inquiridos num estudo da Marktest deixaram de fazer compras em hiper e supermercados e passaram a fazer compras noutro tipo de lojas, sobretudo no comércio local; segundo os dados da última sondagem do Barómetro Marktest, na semana passada os portugueses dedicaram mais de 5 horas ao teletrabalho, cerca de duas horas a ajudar os filhos nas tarefas escolares e 4 horas a ver Tv, aceder à Internet ou ouvir rádio; o governo britânico consignou uma verba adicional de 40 milhões de libras  exclusivamente para uma campanha de publicidade especificamente concebida para aparecer nos próximos três meses em centenas de jornais locais e nacionais como medida de apoio à imprensa, realçando o seu papel na informação e na liberdade; segundo a GFK, no sector livreiro, o efeito da pandemia e das medidas de confinamento provocou uma queda de faturação de dois milhões de euros relativamente ao período homólogo do ano passado. que equivale a cerca de menos 150 mil livros vendidos; na semana passada registou-se uma diminuição no tempo médio de visionamento de televisão por espectador, que desceu de 8 horas e 9 minutos por dia, para 7 horas e 42 minutos e após um mês de confinamento começa a notar-se uma quebra de audiência nos programas informativos e um ligeiro aumento no cabo; segundo a Marktest em março de 2020, o Primeiro ministro, António Costa, manteve a liderança do top de exposição mediática, ao protagonizar 244 notícias com 13 horas e 36 minutos de duração, Marta Temido, ministra da Saúde subiu para a segunda posição, com 175 notícias de 9 horas e 29 minutos de duração, o Presidente da República  baixou para a terceira posição, com 130 notícias, que ocuparam 8 horas e 5 minutos, Paulo Portas, comentador político, foi quarto, esteve em ecrã cerca de 4 horas e 4 minutos e Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, Economia e da Transição Digital, subiu ao quinto lugar, com 70 notícias de 3 horas e 50 minutos de duração.

 

ARCO DA VELHA  - A Câmara Municipal de Lisboa não sabe quantas pensões há para refugiados requerentes de asilo e ignora o número de refugiados nessas pensões,  entre os quais já foram detectados 138 casos de infectados.

 

IMG_7331.jpg

SONS E IMAGENS - Agora percebe-se melhor a importância da existência de um serviço público de rádio e de televisão - e não estou só a falar na telescola. Por isso talvez seja interessante aproveitar para conhecer o museu virtual da RTP, onde se pode percorrer a história da sua actividade, desde os primórdios da Emissora Nacional de Radiodifusão, em 1935, até aos dias de hoje. Neste site podemos descobrir cenários antigos de programas de televisão que ficaram na História, aceder a numerosos conteúdos de vídeo e de áudio, a episódios de bastidores, fazer uma visita aos pormenores do primeiro carro de exteriores da RTP, assim como ver um documentário sobre a época do teatro radiofónico, antecessor das telenovelas de hoje em dia. No acervo deste museu virtual estão mais de mil peças, 16 horas de conteúdos e visitas em realidade aumentada. Na secção de exposições temporárias, é possível espreitar  modelos antigos de receptores de rádio, altifalantes ou grafonolas. O Museu proporciona um percurso sobre a evolução da radiodifusão e da televisão em Portugal. Para quem quiser brincar às televisões, há um Estúdio Virtual onde maiores de 13 anos são convidados a vestir a pele de pivôs e a apresentar o Telejornal. O museu virtual da RTP pode ser visitado por todos em museu.rtp.pt

 

FIONAAPPLECOVER.jpg

EMOÇÕES CANTADAS - Fiona Apple nasceu em 1977 em Nova Iorque, gravou o seu primeiro disco em 1996 e rapidamente tornou-se conhecida pela pela intensidade das suas canções e pela forma como combina a sua voz com o piano.. Desde 2012 não tinha nenhum novo trabalho, até surgir agora “Fetch The Bolt Cutters”, o seu quinto álbum. Musicalmente estimulante, por vezes quase experimental, este disco é ainda mais assertivo nos temas que aborda e nas palavras que Fiona Apple usa, do que os seus trabalhos anteriores. O novo álbum aborda a vulnerabilidade humana, a dor e o leque de emoções que atravessam uma vida.  O disco foi quase todo gravado na casa da cantora, na Califórnia com um grupo de músicos de sessão, usando arranjos onde a percussão - por vezes quase acidental - tem mais peso que habitualmente nas suas composições. Fiona Apple construíu o disco em cima da sua visão de vida: criamos uma espiral de sentimentos e desilusões, remetendo no final a expressão artística como a forma de expôr as mentiras da sociedade. O título “Fetch The Bolt Cutters”, que pode ser traduzido livremente por “tragam um alicate corta-arame” evoca a necessidade de nos livrarmos das armaduras que construímos à nossa volta. Este é talvez o melhor trabalho da carreira de Fiona Apple, com as canções mais fortes, musicalmente mais trabalhadas. Temas como “Under The Table” são uma janela aberta para a sua forma de pensar:   “Kick me under the table all you want/I won’t shut up.” Disponível no Spotify.

 

Monocle cover.jpg

LEITURAS CASEIRAS - A edição de Maio da revista Monocle é já fruto da pandemia e está dedicada à casa - o título de capa é “Why Home Matters” . No seu editorial Tyler Brulé, o editor da Monocle, escreve que estas últimas semanas têm sido as mais complicadas desde que a revista nasceu em 2007 - aliás este número de maio é uma das edições com menos páginas desde que começou a sua publicação - a quebra da publicidade atinge toda a gente. Brulé faz algumas perguntas incómodas, como por exemplo porque é que as pessoas em tantos países permitiram que os respectivos governos deixassem degradar os sistemas de saúde, porque é que se permitiu que tantas cidades tivessem um péssimo planeamento urbanístico e porque é que tantas grandes empresas pensaram que deslocalizar a produção de tanta coisa para a China era uma boa ideia a longo prazo. A revista aponta oito mandamentos para aproveitar a casa onde vivemos e mudarmos os nossos hábitos, dá conselhos sobre exercício simples que se podem fazer, recomenda que se fuja de estar constantemente em cima das notícias, que se ajude os vizinhos e deseja que o hábito de lavar sempre as mãos perdure. Depois há conselhos sobre coisas que se podem fazer para melhorar a casa de cada um e, claro, um conjunto de receitas culinárias provenientes de vários países. Por falar em casas, Portugal está presente, através do trabalho de arquitectos como Alcino Soutinho e Alfredo Viana de Lima na zona de Esposende. Uma reportagem sobre os criativos que estão por trás de alguma da publicidade política mais interessante para as próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos é outro ponto alto desta edição da Monocle.

 

PETISCO NO FORNO -  Na presente situação, cozinhar, sobretudo ao jantar, depois de horas em teletrabalho, pode ser um momento de descontracção. É só combinar a happy hour de fim de dia com um pouco de experimentalismo culinário. Basta seguir duas ou três newsletters gastronómicas internacionais para surgirem boas ideias de receitas, que vou ensaiando. Esta semana fiquei atraído por uma sugestão de brócolos no forno com camarões e um tempero algo oriental. Dito assim, reconheço, a coisa pode parecer um bocado estranha. Mas se seguirem algumas indicações básicas verão que são recompensados por uma bela surpresa. Primeiro os brócolos: cortem só a flor, com muito pouco caule. Numa taça grande misturem os brócolos com duas colheres de sopa de azeite, uma colher de chá de coentros moídos, outra de cominhos e outra de gengibre ralado, uma de sal, meia colher de pimenta preta moída de fresco, um toque de piri piri e uma colher de raspa de lima (ou limão, se não tiverem). Misturem tudo bem e reservem enquanto aquecem o forno a 200º. Noutra taça coloquem os camarões crus (convém que sejam de bom tamanho, descascados) e misturem com mais duas colheres de azeite, raspa de meio limão, meia colher de chá de sal e meia colher de chá de pimenta preta. Misturem bem e deixem repousar. Quando o forno estiver à temperatura, coloquem os brócolos bem espalhados num tabuleiro de metal e deixem no forno durante dez minutos. Passado esse tempo colocam-se os camarões no mesmo tabuleiro, borrifa-se tudo com uns salpicos de óleo de sésamo (em havendo)  e agita-se para se misturarem bem com os brócolos, indo o tabuleiro ao forno mais dez minutos. Quando os camarões estiverem opacos e os brócolos tenros está pronto. Retirem do forno e espremam o limão de que usaram a casca por cima de forma generosa. E pronto, basta servir e esperar que gostem. Se quiserem acompanhem com um bom pão ou, até, um arroz. Cá em casa passou a ser coisa a repetir. Vai bem com um vinho branco fresco, no caso foi um Duorum. 

 

DIXIT - “Não aceito que um ritual seja transformado numa autêntica linha vermelha que separa os democratas dos outros” - Sónia Sapage

 

BACK TO BASICS - “Todos recebemos tanta informação ao longo do dia que corremos o risco de perder o bom senso” - Gertrude Stein.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:30



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D