Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



35479B85-3943-4A5E-95D7-1864BF896CF2.JPG

OS PECADOS URBANOS - Luís Afonso, o autor do Bartoon, é um dos grandes humoristas portugueses. Nesta semana, depois de se conhecerem as investigações em curso na Câmara Municipal de Lisboa por suspeitas de corrupção no urbanismo, o comentário do seu personagem central é demolidor: “Que mania de investigar crimes que não existem em Portugal”. Há muitos anos que os serviços de urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa são acusados de lentidão, critérios confusos e diferentes e, em diversas ocasiões, surgiram publicadas informações sobre processos recusados de forma incompreensível ou aprovados com suspeita de favorecimento. Seja como fôr há muito que a actual gestão da autarquia lisboeta devia ter resolvido a situação. Mas não  o fez e as acusações foram crescendo e envolvendo desde vereadores do pelouro a responsáveis e técnicos dos serviços. É uma situação insustentável. Segundo a Polícia Judiciária estão em causa suspeitas de práticas criminosas no exercício de funções públicas. Nos últimos anos, até ao eclodir da pandemia, houve uma explosão descontrolada de hotéis e Alojamentos Locais fazendo disparar o valor dos imóveis e rendas, que obrigou os lisboetas a abandonar a cidade. Este é o retrato da gestão Medina. O actual Presidente da Câmara havia prometido seis mil casas de renda acessível no seu mandato e 20 mil a longo prazo para jovens e famílias de classe média até 2021. Onde estão elas? Por outro lado a obsessão por obras marcou a governação de Medina, com um investimento excessivo e muitas vezes sem sentido em ciclovias, que contrasta com uma fraca aposta nos transportes públicos, os quais se tornaram incapazes de responder à procura durante o último ano de pandemia, com veículos lotados, fazendo perigar a saúde pública. Entre as grandes obras, as da segunda circular estão entre as que agora são alvo de investigação. Tal como os transportes públicos, os prometidos novos centros de saúde e escolas não passaram de promessas. Medina desdobra-se agora em inaugurações, novos prazos e novas promessas. Mas convém não esquecer a forma como ele tornou a cidade num parque de diversões para visitantes e num problema para residentes.



SEMANADA - O número de alunos que frequentam cursos técnicos superiores cresceu 6% neste ano lectivo, há quase 13 mil inscritos em mais de 400 cursos curtos e mais de metade dos que os concluem ingressam depois numa licenciatura; na última década duplicou o número de concelhos só com dois balcões bancários; Portugal tem hoje a mesma extensão de linhas de caminhos de ferro que em 1893; das cerca de três mil freguesias portuguesas apenas 370 são lideradas por mulheres; um inquérito da CIP indica que o Plano de Resiliência não terá significado para 48% das empresas; apesar de todas as declarações sobre a importância da Economia do Mar o PRR, dos cerca de 250 milhões de euros que lhe dedica, dirige cerca de 230 para investimento público, sobrando apenas 20 milhões para a economia real e desenvolvimento das empresas do sector; Março foi o quarto mês consecutivo de aumento dos inscritos nos centros de emprego, que agora totalizam 432 mil e em alguns concelhos o número de desempregados mais que duplicou no espaço de um ano; um estudo divulgado esta semana indica que desde o Natal que a mobilidade dos portugueses nos dias úteis não era tão alta e no último fim de semana a circulação da população aproximou-se do que acontecia no verão do ano passado; entre 16 de Março e 18 de Abril duplicou o número de pessoas que responde “não” ao SMS da vacinação contra o Covid-19;  a Sport TV registou um prejuízo de 5,7 milhões de euros no ano passado, um agravamento de 569% face ao período homólogo; os assinantes de TV paga em Portugal triplicaram em 20 anos e  agora 93% das famílias utilizam o serviço, metade delas através de fibra óptica. 

 

ARCO DA VELHA  - A Assembleia da República aprovou 52 recomendações ao Governo no primeiro ano desta legislatura e metade foram ignoradas, entre elas a requalificação das zonas ardidas em 2017 e a elaboração de um plano para evitar a seca do Tejo.

 

lindbergh.jpeg

ESCULTURA & FOTOGRAFIA - As esculturas de Alberto Giacometti e as fotografias de Peter Lindbergh coexistem na exposição “Capturar O Invisível”, que está até 24 de Setembro no Museu da Misericórdia do Porto, no centro histórico da cidade. Bronzes e desenhos de obras de Giacometti, selecionados por Lindbergh, que são apresentados ao lado das suas fotografias (na imagem). Lindbergh, que se tornou conhecido sobretudo pela fotografia de moda, é fascinado desde jovem pelo trabalho e pela personalidade de Alberto Giacometti. Em 2017 Peter Lindbergh foi convidado a fotografar na Fundação Giacometti em Paris,  foi-lhe dada carta branca e fotografou as peças de bronze de Giacometti, tratando-as como modelos. Utilizando close-ups e grandes ampliações Lindbergh revela através da fotografia aspectos das esculturas de Giacometti impossíveis de perceber a olho nu. Em simultâneo, ao associar obras de diferentes períodos nas suas imagens, o fotógrafo estabelece um diálogo através de períodos e estilos. Em Lisboa, Na Biblioteca Nacional pode ser vista até 30 de Julho a exposição “O Atlas Suzanne Daveau” que agrupa fotografias que efectuou ao longo da sua carreira e que registaram as sociedades rurais ocidentais, sociedades tribais de África, paisagens quase intocadas pela mão humana, e também as transformações ocorridas num mundo em progressiva mudança. O Atlas Suzanne Daveau agrupa-se em quatro áreas - Rural, Humanidade,  Cidade e Natureza. A exposição resulta de uma pesquisa desenvolvida ao longo de um ano por Duarte Belo e Madalena Vidigal sobre o trabalho da geógrafa que foi casada com Orlando Ribeiro, o autor de obras de referência da geografia portuguesa.

 

vijay-iyer-trio-uneasy.jpeg

CRUZAMENTOS SONOROS - “Uneasy” é o quarto registo em trio do pianista Vijay Iyer, entre os seis discos que já gravou  para o catálogo da ECM. Neste disco junta-se a Linda May Han Oh no baixo e Tyshaw Sorey na bateria. Esta nova formação reforça o sentido rítmico da sua música e abre novos caminhos em relação aos seus trabalhos anteriores, apresentando-se agora mais jazzy. Ao longo dos onze temas originais deste “Uneasy” desfilam as interpretações musicais que Vijay Iyer faz do mundo contemporâneo. Destaco temas como “Children On Flint”, “Combat Breathing”, a colaboração em “Touba” com Mike Ladd, um poeta e performer de Boston conhecido pelo seu trabalho no hip-hop e com quem tem colaborado ao longo dos anos. Vale a pena ouvir o seu solo de piano em “Augury” ou a evocação oriental em “Entrustment”. Saliento ainda a sua versão de standards do jazz como “Night And Day'' e “Drummer’s Song”. Vijay Iyer, que dentro em breve completa 50 anos, nasceu nos Estados Unidos filho de emigrantes Tamil vindos da Índia e desde cedo na sua carreira se interessou por cruzar experiências de diversas culturas. Edição ECM disponível em streaming.

 

capa_Teorias Cinicas_300dpi.jpg

POLÉMICA À VISTA - Preparem-se para o choque e a polémica: “Teorias Cínicas” é um livro sobre como activistas académicos reduziram tudo a raça, género e identidade - e os efeitos que isso tem gerado nas sociedades ocidentais. A  ensaísta Helen Pluckrose e o matemático James Lindsay procuram desmontar algumas das teses mais polémicas dos movimentos intelectuais que se apresentam sob a capa da defesa da  justiça social e afirmam que os estudos activistas e radicais, com a sua cultura de guerra e de cancelamento, fazem mais mal do que bem às comunidades minoritárias que juram defender. Os autores analisam teorias  como «O conhecimento é uma construção social», «a ciência e a razão são ferramentas de opressão», «todas as interacções humanas são fontes do exercício opressor do poder”, que, dizem os autores, têm vindo a ser normalizadas e infiltradas na opinião pública por académicos activistas que julgam ter a receita para uma sociedade mais justa e paritária, particularmente no que diz respeito a questões de raça, género, sexo e sexualidade. Segundo os autores estes movimentos assumem uma visão do mundo dogmática «que coloca as mágoas sociais e culturais num lugar de destaque, transformando tudo numa luta política de soma zero à volta de marcadores identitários». Lançado em Agosto de 2020 no Reino Unido, e editado agora em Portugal pela Guerra & Paz,  o livro foi considerado o Ensaio do ano em vários jornais britânicos e  analisa, com racionalidade, a inconsistência das teorias identitárias, que ameaçam a democracia liberal.  Segundo Steven Pinker, professor de psicologia na Universidade de Harvard, «este livro expõe as raízes intelectuais surpreendentemente superficiais dos movimentos que parecem estar a engolir a nossa cultura.»

 

NO REGRESSO AO RESTAURANTE - Se passar pela Mealhada é inevitável que se cruze nos  restaurantes locais com um petisco que se chama iscas de leitão. Trata-se do fígado dos pequenos leitões usados tradicionalmente da Bairrada. As iscas de leitão, cortadas muito finas, têm um sabor e uma textura completamente diferente do fígado dos animais adultos, como é bom de ver. É verdadeiramente um petisco e mesmo algumas pessoas que torcem o nariz às iscas deixam-se conquistar. Na Mealhada são servidas à antiga (marinadas em vinho e alho e fritas em banha), mas também grelhadas ou então de cebolada. Eu prefiro quando são preparadas à antiga e são acompanhadas por boa batata cozida, que se deixa embeber no molho. Não é um petisco muito frequente em Lisboa mas volta e meia aparece n’O Apuradinho (Rua de Campolide 209) e neste regresso aos restaurantes foi um dos primeiros onde me deliciei - e em dose dupla: os seus magníficos pastéis de bacalhau com arroz de tomate num dia e as iscas de leitão com batata noutro. 

 

DIXIT - “Somos dominados por uma elite minúscula que vive em circuito fechado, pejada de conflitos de interesses. Isto é o sistema. Não foi criado por Sócrates” - João Miguel Tavares.

 

BACK TO BASICS - “Se não os conseguir convencer, o melhor é tentar confundi-los” - Harry S. Truman

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D