Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



JORNALISMO EM TEMPO DE GUERRA

por falcao, em 25.11.23

image.png

O jornalista britânico David Patrikarakos tem uma grande experiência como repórter de guerra e ao longo da sua carreira tem acompanhado os conflitos no Mèdio Oriente e mais recentemente na Ucrânia.  Escreveu um livro sobre o Irão, fez extensas reportagens no Iraque, Palestina e Israel. Mas foi em 2014, quando cobria a ofensiva das milícias pró-russas na Ucrânia, que lhe surgiu a ideia de um outro livro. A história conta-se rapidamente. Enquanto aguardava no seu hotel em Donetsk o momento de poder vir para a rua, num intervalo dos ataques, foi lendo relatos do que se passava à sua volta, bem perto, mas fora do seu alcance, através do Twitter. Durante esse período na Ucrânia,  ia seguindo em simultâneo o surgimento de novos conflitos no Médio Oriente através das notícias que surgiam online, nomeadamente a ofensiva da organização terrorista ISIS que inesperadamente assumiu o controlo, nessa altura, de Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, com ampla difusão dos seus feitos no YouTube e no Twitter.  Recordo que estamos a falar do acontecimento de 2014 e nessa altura registavam-se também conflitos violentos entre o Hamas e o exército israelita. No seu quarto de hotel na Ucrânia, David Patrikarakos ía seguindo o que se passava através das informações que palestinianos e israelitas publicavam no Twitter, obviamente divergentes. Nesse momento percebeu que, na realidade, existiam duas guerras: a que se travava no terreno entre combatentes dos dois lados e uma outra, que se desenrolava em torno da comunicação com base nas redes sociais e sites. Foi nessa altura que Patrikarakos se lembrou de escrever um livro a que deu o título ”A guerra em 140 caracteres: como as redes sociais estão a moldar os conflitos no Século XXI”. A obra foi editada em 2017 e, nas palavras do seu autor é um livro “sobre a guerra, sobre as suas histórias, as narrativas do conflito e o conflito das narrativas”. A verdade é que este livro se tornou particularmente actual depois dos ataques terroristas do Hamas em Israel no passado dia 7 de Outubro e a posterior ofensiva israleita em Gaza. David Patrikarakos  seguiu estes acontecimentos de perto, no local, foi entrevistado pela Columbia Journalism Review e, com a devida vénia, reproduzimos algumas das suas afirmações. Sobre o atual conflito sublinha: “Desde que as guerras existem há quem escreva e documente com  imagens o que se passa. Mas este é o conflito mais mediatizado de sempre e também aquele que mais joga com as emoções e sensibilidades de cada um de nós, quer de um dos lados do conflito, quer do outro”. E prossegue: “sabemos que a guerra travada no campo de batalha, entre tanques, armas, bombas e balas vai sempre ser o ponto chave de qualquer conflito. Mas - sublinha - esta guerra é também travada entre tweets e posts e o alcance e impacto que têm”. Uma das observações curiosas de David Patrikarakos é a mudança entre as guerras antigas e as actuais. Dantes numa guerra entre dois lados, no fim havia um vencido e um vencedor, que impunha os termos da rendição e colocava fim à guerra. Mas agora, sublinha, tudo é diferente: segundo ele no caso da Ucrânia o que Putin fez foi mandar tropas invadir a Ucrânia e depois injectar propaganda no país invadido e desencadear uma campanha de desestabilização e contra-informação com o objectivo de impedir a adesão da Ucrânia à União Europeia e à NATO. A guerra passou a ter um objectivo político e não militar. O que Putin pretendia não era hastear a bandeira da Rússia no parlamento de Kiev, era sim desestabilizar económica e politicamente o país invadido. É por isso, prossegue David Patrikarakos, que o controle da narrativa é importante. Na situação actual de conflito entre Israel e o Hamas acontece algo semelhante.Quando conseguimos eliminar todo o ruído, percebemos que o desfecho militar está pré-definido: o Hamas não consegue derrotar o exército israelita e Israel não conseguirá destruir todo o Hamas, aconteça o que acontecer. Sem querer menosprezar o sofrimento dos dois lados, nesta guerra sem sentido militar a única maneira que o Hamas tem de conseguir simpatia e obter uma vitória no campo da comunicação, é  mostrar os corpos dos seus mortos . O efeito é paradoxal: quanto mais Israel avança e alcança vitórias  militares, mais perde em termos de comunicação e opinião pública. A vantagem de compaixão e compreensão que tinha obtido depois do ataque bárbaro do Hamas a 7 de Outubro foi-se esvaindo à medida que foi entrando em Gaza e infringindo derrotas aos terroristas, causando inevitáveis baixas entre os civis usados pelo Hamas como escudo humano. “Quanto mais o Hamas perde, mais êxito mediático consegue” - afirma David Patrikarakos. Esta guerra, prossegue, é sobre como moldar narrativas e difundi-las. As narrativas não destroem túneis. O resultado é que, independentemente do que se passa no terreno,  quem não ganha a guerra da informação e propaganda geralmente fica a perder em relação ao outro lado. A produção de informação alterou-se. Hoje em dia qualquer pessoa que se queira arriscar pode tornar-se num correspondente de guerra com um smartphone na mão, onde escreve tweets, faz e publica imagens. A ideia dos grandes correspondentes de guerra, vozes autorizadas e confiáveis, cujos relatos eram seguidos com atenção, desapareceu. Da mesma forma que hoje há centenas de canais de informação, hoje há centenas de pessoas que podem dar cada uma a sua visão dos acontecimentos, não necessariamente reportando de forma verdadeira o que se passa. A realidade é que os influencers chegaram à guerra e isso não é uma boa notícia.

(Publicado originalmente no semanário Novo , na coluna mensal escaparate )

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 2004
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 2003
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D