Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



957D2F47-BF5B-47AB-850C-19FD0201E7E5.JPG

SEM SAÙDE NÃO HÁ ECONOMIA - A reconstrução da confiança dos portugueses no poder político e seus protagonistas, a recuperação da economia e a reconstrução do país dependem de uma única coisa: da forma como se enfrentar daqui para a frente a pandemia, sem hesitações e medidas contraditórias. Sem resolvermos a saúde não se resolve o resto, isso é cada vez mais certo. Instala-se a dúvida: será o Ministério da Saúde o responsável, ou será a irresponsabilidade do Primeiro Ministro a abrir e fechar a torneira e a tomar medidas contraditórias, como no Natal, que ajuda à situação em que estamos? Percebe-se que o caos vem dos zigue-zagues em matéria de medidas de confinamento, mas, na realidade, apesar de múltiplos avisos, o sistema não funcionou pese embora o esforço e dedicação dos profissionais de saúde. A culpa não é deles, é de quem andou a brincar ao gato e ao rato com um vírus. O país está numa situação terrível. Todos os que tomaram decisões - nomeadamente Costa e Marcelo - têm culpas neste cartório. Será que Marcelo, que tem nas mãos a pior situação de pandemia, vai acabar o seu segundo mandato como Presidente do país mais pobre da União Europeia? Todos gostaríamos que fosse de outra maneira. Marcelo ganhou o respeito e admiração dos eleitores, gerindo de forma hábil a proximidade dos afectos com a distância institucional. Mas mesmo sem poderes legislativos tem que fazer melhor - à partida com a sua  influência na saúde, na vacinação, exercendo vigilância. Mas também na  justiça que se degrada e no estado da educação onde os justos pagam pelos pecadores porque o Ministro do sector também ficou sentado sem fazer o que prometera. É esta situação de Portugal ser  líder nos rankings da pobreza e do Covid na Europa que torna o terreno fértil para os populismos. Num país mais igual, com menos diferenças regionais e menos assimetrias, as coisas seriam diferentes. O regime andou a semear que alguém dissesse chega. Não sei se os protagonistas do crime são indicados e têm capacidade para alterar o estado das coisas. Há meio milhão de pessoas que estão zangadas com o sistema. Não procurem o êxito de Ventura nos eleitores do PC, procurem no que sucessivos Governos, este incluído, fizerem ao longo dos anos nomeadamente no abandono do interior e na ausência de reformas estruturais.  

 

SEMANADA - Continuam por vacinar 90% dos médicos de hospitais privados; um estudo divulgado esta semana indica que na União Europeia a pandemia castigou mais as indústrias culturais e criativas do que o turismo ou o sector automóvel; Portugal é um dos quatro únicos países da União Europeia onde ainda não existe rede 5G; em Portugal nos últimos 11 anos os preços nas telecomunicações cresceram 6,5% mas caíram 10,8% na UE;  as mortes Covid em Janeiro são quase tantas como as ocorridas no total entre Março e Novembro; o número de desempregados voltou a ultrapassar a fasquia dos 400 mil; no sul do país, o desemprego aumentou mais de 63% face a fevereiro de 2020 e a seguir na lista surge a região de Lisboa e Vale do Tejo, onde o desemprego se agravou em mais de 35%; mais de 22 mil empresas pediram acesso ao lay-off em Janeiro; André Ventura ficou em segundo lugar em 203 dos 308 concelhos do país e em 12 dos 20 distritos; ficou em segundo lugar onde há elevado défice demográfico, em territórios abandonados, com populações envelhecidas; ficou em segundo lugar onde há mais 20% de população estrangeira; ficou em segundo lugar nos concelhos que tiveram no início de janeiro mais do dobro dos casos de novas infecções de covid-19 do que a média do país; são os concelhos  onde o desemprego mais cresce e onde existe maior frustração pela gestão da pandemia. 

 

ARCO DA VELHA  - Estima-se que cerca de cinco mil eleitores votaram no candidato fantasma Eduardo Baptista, que foi  incluído no boletim de voto em primeiro lugar, mesmo sem ter angariado as assinaturas necessárias para a apresentação da candidatura.

 

image (4).png

MAAT VIRTUAL - Ao fim de sete meses Beeline, a intervenção arquitetónica encomendada pelo MAAT ao estúdio SO – IL, sediado em Nova Iorque, está agora obviamente encerrada mas durante estes dias de confinamento existem alguns conteúdos virtuais para desfrutar: ouvir as palavras dos arquitetos sobre o papel da prática do design efémero e a missão da arquitetura, explorar a instalação e as exposições que a acompanham em textos e imagens por escritores e fotógrafos de renome, e recordar eventos que acolheu como parte do maat Mode 2020, um programa público, participativo e experimental, que apresentou 86 projetos envolvendo mais de 220 participantes internacionais e instituições parceiras. Pode ter uma ideia de tudo isto no canal do MAAT no YouTube e se visitar o site do MAAT pode também ver as fotos que Iwan Baan fez de Beeline,  assim como textos sobre o trabalho de intervenção do estúdio SO-IL-

 

IMG-20210123-WA0037.jpg

UM PEIXE EM CANÇÕES - Volta e meia há uns discos que nos causam um sobressalto. Um bom sobressalto. É o que me aconteceu com “Peixe Azul”, o novo trabalho de  Miguel Araújo. O melhor é ouvi-lo: “As gravações deste disco começaram no final de 2018, que foi quando eu consegui ter o meu estúdio pronto. Fui gravando uma espécie de "maquetes melhoradas" de algumas músicas que tinha na altura, sem saber que muitas dessas gravações acabariam por ser as que estão agora no disco: algo não muito produzido, com arranjos feitos e tocados exclusivamente por mim de forma natural e despretensiosa. Fui fazendo este disco entre Novembro de 2018 e Julho de 2020. Só no início de 2020 é que me surgiu a ideia de converter esse processo num disco. “ E sobre as canções? - “A escrita da canções é algo que eu vou fazendo ao longo do tempo, de uma forma desorganizada e caótica. Uma das canções, “Gabriela de Jesus”, tem letra escrita muito recentemente (verão de 2019) por cima duma melodia que eu inventei aos 17 anos e da qual nunca me esqueci. Portanto essa demorou 25 anos. Algumas escrevi mesmo perto do fim do processo, como por exemplo “Balzac”, que escrevi  durante os ultimos dias das misturas, quando achava que o disco estaria terminado. "As Velhas que Cosem as Meias dos Netos" é um poema que escrevi em Junho de 2007 quando a minha avó morreu, e cuja música fiz durante as gravações. O confinamento propiciou este disco na medida em que as minhas visitas ao estúdio (que fica na cave de minha casa) passaram a ser diárias, das nove às cinco, literalmente. À boa maneira dos discos confinados, foi todo feito por mim: capa, arranjos, produção, todos os instrumentos, agora até a venda e distribuição. Em quase todos os casos, eu rematei, finalizei as canções durante as gravações, a partir de esboços que vou acumulando quase diariamente há 20 anos. Esse é sempre o meu processo.” Miguel Araújo é quem melhores canções escreve e interpreta hoje em dia em Portugal. Este”Peixe Azul” tem dez canções, tornou-se num disco que ouço a toda a hora e sorrio cada vez que o volto a ouvir. Está por enquanto só á venda on line em www.miguelaraujo.pt 

 

O Triunfo dos Porcos_Frente.jpg

SOBRE A IGUALDADE - Quando pego num livro tenho sempre a tentação de ver a primeira frase e, às vezes, a última. Neste caso, a última é que vale: as criaturas lá fora olhavam de porco para homem, de  homem para porco e novamente de porco para homem; mas já era impossível dizer qual era qual”. O livro em questão é “1984”, de George Orwell, que acabou de voltar a ser publicado, pela Bertrand, numa boa tradução de Maria Antunes. Em Portugal, a primeira edição desta obra, foi intitulada “O Porco Triunfante” e data de 1946, devendo-se  à Livraria Popular de Francisco Franco.“1984” foi escrito por Orwell entre 1943 e 1944, no final da Guerra e conta a história de uma quinta tomada pelos seus explorados e maltratados animais, que decidem criar um novo sistema de progresso, justiça e igualdade. É, na essência, uma fábula que na verdade, é um retrato político e social da implantação de um regime totalitário e que ganha uma actualidade inesperada por estes dias. Não deixa de ser curioso voltar a esta obra de Orwell, que foi também o autor de “1984”, um premonitório livro sobre o mundo em que vivemos e que também foi agora reeditado, neste caso pelos Livros do Brasil.

 

SOPA COM ABSINTO - A “Konfekt”, uma nova revista do grupo que edita a “Monocle” tem uma newsletter,  "Kompakt", que entre outras coisas recomenda um vinho e propõe uma receita. O vinho não é fácil de encontrar no confinamento, mas a receita é possível e aqui fica ela, pela mão do chef Richard Kagi, de Zurique que conta que a ouviu num concurso radiofónico de receitas. Trata-se de uma sopa de abóbora com absinto - adivinha-se uma coisa decadente… Esta escolha foi-me sugerida pela minha fiel conselheira e passou o teste que fizémos esta semana. Então para os ingredientes: um kg de abóbora, uma colher de sobremesa de caril de boa qualidade, 200 ml de vinho branco seco, 800 ml de caldo de galinha ou de legumes, 200 gramas de mascarpone (e um pouco mais para o enfeite final no empratamento) e ainda um dedal de absinto (o português Neto Costa é perfeito…). A abóbora deve ser descascada e cortada em cubos, que depois vão ao forno a 180 graus durante cerca de uma hora. Uma vez assada mistura-se no caldo de galinha, já com o caril, e passa-se tudo com o 1-2-3. Depois adiciona-se o mascarpone, mexe-se bem e deixa-se apurar em lume brando, com um toque de absinto. Como o absinto tem um gosto forte vão experimentando a partir de uma pequena dose para que não se torne demasiado presente. Adicione sal e pimenta a gosto. Serve-se em pratos fundos e coloca-se um pedaço de mascarpone por cima no empratamento final. Bom apetite. O sabor é verdadeiramente inesperado e magnífico. E neste tempo sabe sempre bem uma sopa quentinha. 

 

DIXIT - “A esquerda foi a grande derrotada e a direita não conseguiu ganhar” - António Barreto.

 

BACK TO BASICS -  “Há quem diga que o tempo muda as coisas, mas na realidade somos nós que temos que as fazer mudar" - Andy Warhol.







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel Esteves a 30.01.2021 às 18:11

sobre a igualdade...

afinal o triunfo dos porcos deu-se em 1984? ou nem por isso?

citando:
'O livro em questão é “1984”...'
creio que se devia lêr 'O livro em questão é “O Triunfo dos Porcos"...'

algumas linhas mais abaixo onde se lê '“1984” foi escrito por Orwell...' creio igualmente que se devia lêr '"O Triunfo dos Porcos" foi escrito por Orwell...'

"1984" foi escrito em 1948...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D