Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O INEVITÁVEL DIVÓRCIO?

por falcao, em 29.10.21

 

D1F52624-CC7A-4792-96BA-16614B70FEA9.JPG

O DIVÓRCIO - Quando, algures em Fevereiro, se conhecerem os resultados das eleições antecipadas, se elas ocorrerem,  será bom compararmos o que agora foi dito por dirigentes do PS com a realidade que surgir. António Costa, no Parlamento, manifestou-se convicto de que poderia ter uma maioria “reforçada, estável e duradoura”. Pouco depois, na TVI, Augusto Santos Silva manifestou-se confiante na possibilidade de, após eleições, voltar à geringonça, em nova aliança com o PAN, Bloco de Esquerda e o PCP. É sempre útil saber o resultado real das profecias dos políticos. O casamento de onde nasceu a geringonça desfez-se ao fim de meia dúzia de anos, como acontece em muitos outros matrimónios. Por acaso este casamento não foi por amor, foi por conveniência. O interesse desfez-se quando o ciúme nasceu, acirrado pelos resultados das autárquicas. Aí, Bloco e PCP  perceberam a extensão da sua falta de relevância no eleitorado, apagados pelo protagonismo de Costa e do PS no palco da política nacional. O PS canibalizou os partidos à sua esquerda, funcionou como um parasita que deles se alimentou até os esvaziar. Com a votação de quarta-feira o PCP espera ter adiado um problema, já o Bloco provavelmente cavou um precipício. Que acontece se o PS, como nas autárquicas, for nas legislativas o partido mais votado, mas tiver perdido votos? E se o Bloco continuar a perder eleitorado? E se o PCP não subir? O mais natural é criar-se um impasse e uma situação de ingovernabilidade. Se agora não houve orçamento, mais difícil irá ser aprovar à esquerda um orçamento depois das feridas abertas em todo este processo. E depois? Novas eleições? 2022 arrisca-se a ser um ano perdido. A menos que seja dada ao PS a possibilidade de apresentar novo Orçamento. Será possível salvar o casamento? Cabe a Marcelo ser o conselheiro matrimonial…

 

SEMANADA - Segundo a Ordem dos Médicos existem 1600 médicos recém-licenciados fora do SNS; ainda segundo a Ordem dos Médicos dos 59 mil profissionais nela inscritos, só cerca de 31 mil estão no SNS; em Junho de 2021 havia 1.156.000 portugueses sem médico de família e este número tem vindo a subir desde há vários anos por falta de médicos no sistema; um estudo da Universidade do Porto indica que durante a pandemia 22% das trabalhadoras da limpeza sofreram ataques de pânico relacionados com o medo de contágio e falta de equipamentos de protecção eficazes; o director nacional da PSP alertou para um aumento da intensidade da violência com que os crimes são cometidos, com recurso frequente a armas brancas; o Conselho das Finanças Públicas considera que o Orçamento para 2022 apresentado pelo Governo gera “pressões na despesa” que vão durar anos; Portugal está na 117ª posição entre os 193 países da ONU no Índice Global da Criminalidade Organizada, e o relatório sublinha  que o país é ponto de trânsito e destino de tráfico de seres humanos,  de tráfico de armas para África e um país de trânsito e destino no tráfico de cocaína; segundo o mesmo índice o combate à corrupção é considerado o ponto mais fraco do Estado português; o Tribunal de Contas divulgou que Portugal levou sete anos para conseguir executar apenas 60% do programa PT2020, o que leva a instituição a manifestar preocupação pela execução dos 60 mil milhões do PRR; José Maria Ricciardi anunciou querer criar um banco para regenerar o nome da família Espírito Santo; 

 

O ARCO DA VELHA - Nenhum dos altos responsáveis militares teve coragem para assumir a responsabilidade pela proibição de cânticos nas cerimónias do Dia do Exército, nomeadamente do hino “Pátria Mãe”, dos paraquedistas, situação que motivou protestos e levou a que o Ministro da Defesa fosse vaiado.

 

IMG_2764.jpg

O BARCO E O RIO -  Vila Nova da Barquinha, a pouco mais de 100 kms de Lisboa, tem vindo a acolher esculturas num parque que cresce ao longo da margem do rio Tejo. A sua colecção tem obras de José Pedro Croft, Pedro Cabrita Reis,  Alberto Carneiro, Rui Chafes, Ângela Ferreira, Fernanda Fragateiro, José Pedro Croft, Zulmiro de Carvalho, Xana, Joana Vasconcelos e Cristina Ataíde. Criado em 2012 o Parque de Escultura Contemporânea de Almourol, é um exemplo raro em Portugal no campo da arte pública.  Perto deste local existe a Galeria do Parque, que acolhe exposições temporárias. Ali está agora, e até finais de Fevereiro próximo, “A Memória da Água”, de Cristina Ataíde, em íntima ligação com a obra que a artista tem no Parque das Esculturas, uma peça ligada à água e que que recuperou a forma da merujona, um instrumento de pesca local, tradicional. Na Galeria , Cristina Ataíde retoma o tema da água. No texto da exposição o curador, João Pinharanda, sublinha que Cristina Ataíde  cultiva “uma relação íntima com a memória das matérias primeiras: a água, mas também a terra, o ar, o fogo, a madeira, os metais… o sangue, as pedras, as estrelas, a palavra”. A peça dominante (na imagem) é um barco incompleto, o esqueleto de uma canoa, suspenso do tecto, que tem por fundo um vídeo do Rio Negro, no Brasil, onde a artista fez uma residência em 2020. Ali estão também pedaços da margem do rio, guaches, varas de remar dos barqueiros do Tejo e remos de bateira, tudo com intervenção de Cristina Ataíde, nomeadamente utilizando um dos seus materiais recorrentes, a grafite. Vale a pena ir a Vila Nova da Barquinha, descobrir o Parque e a sua galeria. Termino com a sugestão de uma visita, em Lisboa, à Sociedade Nacional de Belas Artes, onde decorre até dia 31 a quarta edição da Drawing Room, uma iniciativa dedicada a obras de desenho em papel e que agrupa o trabalho de numerosos artistas portugueses e estrangeiros apresentados por mais de duas dezenas de galerias de Portugal, Espanha e, na edição deste ano, Alemanha.

 

k1_outras_paisagens12.jpg

VIAGENS QUEIROSIANAS - Um livro de viagens assinado por Eça de Queiroz? Pois ele agora existe, chama-se “Outras Paragens - Uma Pequena Antologia". Estranho? O editor do livro, Francisco José Viegas, esclarece no prefácio desta primeira edição que toda a obra de Eça de Queiroz “está marcada pela omnipresença da viagem”. E sublinha: “As suas personagens viajam, no presente ou no passado; o autor viaja; as histórias dos seus romances, de “Os Maias “ e “A Capital” até às páginas fatais de “A Cidade e as Serras", estão atravessadas por viagens e evocações de viagens - de Oliveira de Azeméis e Ovar para Lisboa, de Lisboa para Sintra, de Lisboa para Paris e no sentido inverso, atravessando a Europa, lembrando os vapores, os caminhos de ferro, as estalagens, as partidas mais que as chegadas, os boulevards de Paris e os jardins de Londres”. Até aqui, na história da literatura portuguesa de viagens, o nome de Eça aparecia sobretudo devido a “O Egipto. Notas de Viagem” - apontamentos durante a inauguração do canal de Suez ou através das notas e correspondências que escreveu para a imprensa acerca de Paris, da China e do Japão, de Londres ou do Egito. “Outras Paragens. Uma Pequena Antologia” é o primeiro livro que reúne num só volume alguns dos melhores escritos de viagem e sobre viagem de Eça de Queiroz, Dividido nas áreas de “Ficção” e “Jornalismo, Crónicas e Correspondência” (para mim o capítulo mais interessante), o livro inclui 18 textos de Eça de Queiroz, sendo o último dedicado a Lisboa. E é de lá esta frase, que me deixou a pensar como podia ter sido escrita agora: “Lisboa nem cria, nem inicia; vai”. Terá que ser sempre assim?

 

image.png

UMA SURPRESA AMERICANA  - Pela segunda vez neste ano Lana Del Rey lança um álbum. Depois de "Chemtrails Over The Country Club” surge agora “Blue Banisters” - bem diferente não só do antecessor, mas também dos seus outros discos. Claro que a voz de Lana Del Rey é por si só uma marca inconfundível. Mas neste “Blue Banisters” ela simplifica a forma como apresenta as suas canções e reforça a reputação como compositora. As baladas em que piano e voz fazem a despesa da festa, como a comovente “Arcadia” ou a intensa “Wildflower, Wildfire”, surpreendem pela simplicidade e emoção que transmitem. Numa década de carreira este é o oitavo disco de originais e agora, aos 36 anos, Lana Del Rey desligou-se das redes sociais e recolheu-se longe do bulício de Los Angeles. A capa mostra isso mesmo - ela está sentada fora de paisagens urbanas,  entre os seus dois pastores alemães. E quando começamos a ouvir o disco percebemos que este álbum tem uma tranquilidade inesperada. “Black Bathing Suit” é uma canção invulgar, diferente em tudo do que ela fez antes - até na utilização da sua voz e na intimidade das palavras que usa. Este é um dos grandes momentos do disco, onde ela canta o sentido de fatalismo da solidão e da saturação sobre a forma como tem vivido. Muito mais centrado no relato do presente do que na evocação do passado, a que recorreu em  discos anteriores, Lana Del Rey fez como uma interrupção na sua carreira, tomou um desvio, saíu da cidade e foi pelo campo dentro. “Sweet Carolina”, a última das 15 canções do disco, é como um abraço, daqueles que se dá a um local familiar onde apetece estar.

 

OUTONO RIMA COM CASTANHAS - Uma das provas da existência do outono é sentir o cheiro tentador da castanha assada a invadir as ruas, como já começou a acontecer. Esta semana já me deliciei,  em casa de amigos, com um repasto outonal de borrego, batatas novas, cebolinhas e castanhas. Feito como uma tagine, cozinha lenta, para prazeres prolongados. Magnífico. Mas adiante: deixo aqui uma sugestão de viagem para os mais afoitos. Até 7 de Novembro decorre em Bragança a Semana Gastronómica da caça, pesca e castanha. 18 restaurantes da cidade participam nesta iniciativa em torno dos sabores de Outono. Pratos à base de caça, pesca e castanha vão estar a mostrar o que se pode fazer com estes ingredientes. Recordo que Bragança é o maior produtor nacional de castanha, com um impacto económico na região na ordem dos 100 milhões de euros, razão mais que suficiente para o produto ser promovido.  Há muita oferta nos menus dos restaurantes aderentes, como sopa de castanhas e cogumelos, caçarola de grão e castanha com pernil fumado, javali no pote com castanhas, truta do rio com castanhas, amêndoas e presunto e, para rematar, doces como compota de castanha com queijo, tarte ou mousse de castanha. Se pesquisarem no site do Turismo de Bragança encontrarão a lista dos restaurantes e respectivos menus. Boa viagem  - ou boas experiências se ficarem em casa a tentar alguma destas receitas.

 

DIXIT - A “geringonça” desengonçou-se. Há que remover democraticamente a sucata - João Miguel Tavares

 

BACK TO BASICS - “Se os computadores se tornarem demasiado poderosos e perigosos podemos organizá-los num comité, o que levará à sua paralisação” - autor desconhecido.

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2003
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D