Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



6770F39F-2EA6-43E4-BF44-53784771CA55.JPG

A ENCOBRIDORA - Nove meses. É este o tempo que decorreu entre o assassinato de um ucraniano por agentes do SEF no aeroporto de Lisboa e o pedido de demissão finalmente apresentado pela Diretora desses serviços. Durante meses Cristina Gatões assobiou para o ar como se nada fosse. Na realidade, encobriu. De início a investigação foi branda e relendo as notícias relativas ao crime a ideia é que a cúpula do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras quis evitar que se falasse ou investigasse a fundo o assunto. O Ministro da Administração Interna objectivamente ouviu os assobios e ficou-se quedo e mudo. Esta semana aceitou piedosamente o tardio pedido de demissão da senhora. Fica-se na dúvida se o silêncio da senhora foi voluntário ou se foi ordenado. Não é muito normal ver um Ministro conivente com a ocultação dos factos. Será interessante ver qual vai ser o próximo posto desta diligente funcionária do Estado, uma jurista que fez toda a carreira no SEF. Cristina Gatões demorou nove meses a reconhecer o sucedido que classificou modestamente de actos de tortura. Custa acreditar que os outros membros da Direcção Nacional do SEF, que continuam em funções, não soubessem do sucedido. Não falaram, não se indignaram mas o Ministro Cabrita atribuíu-lhes agora a responsabilidade da reestruturação futura dos serviços. Seria bom saber porque porque foram eles também coniventes no silêncio - também receberam ordens para se calarem?  Recentemente o SEF anunciou que face ao sucedido seria instalado um botão de pânico nas instalações para que eventuais agredidos pudessem reagir. Podia ser anedota se não fosse macabro. O botão de pânico dá ideia do género de reestruturação que povoa estas mentes. E Eduardo Cabrita tem em toda esta novela muito que explicar. Se não promoveu, ajudou ao silêncio, a esconder, a desvalorizar a morte de um homem às mãos do Estado. Não devia continuar em funções.

 

SEMANADA - Um estudo recente indica que a queda do emprego registada este ano em Portugal concentrou-se nas profissões com os salários mais baixos; Boaventura Sousa Santos escreveu um artigo a elogiar o ensaio “O Esquerdismo, Doença Infantil do Comunismo”, de Lenine, a propósito da votação do Orçamento de Estado; apesar da diminuição de turistas devido à pandemia a Madeira vai continuar a gastar este ano um milhão de euros no fogo de artifício da noite de fim de ano; segundo o Inquérito à Fecundidade de 2019 10% dos portugueses não têm intenção de ter filhos; 50% dos estudantes terminam o 12º ano depois da idade esperada, ou seja 17 anos;  na Assembleia da República o plano de vacinação contra a gripe recebeu 310 inscrições, mas o parlamento só recebeu até agora 105 vacinas; as vendas de queijo da Serra da Estrela com denominação de origem protegida caíram 60% devido essencialmente à anulação de feiras e eventos onde se comercializa o produto; o exército travou a admissão de um jovem que se afirmou como transexual; no Santuário de Fátima, de março até outubro deste ano, foram anuladas 987 peregrinações (703 estrangeiras e 284 portuguesas), num total de mais de 320 mil peregrinos"; a ausência de peregrinos traduz-se "numa quebra acentuada de receitas, 50,6%, nomeadamente ao nível dos donativos; até Outubro, no Serviço Nacional de Saúde, realizaram-se menos 112 mil cirurgias , menos 37 mil consultas presenciais por dia e menos 22 milhões de exames que em igual período do ano passado; a procura de viagens aéreas caíu 70,6% a nível global em Outubro deste ano comparado com o mesmo mês de 2019.

 

ARCO DA VELHA  - Um sargento da GNR, arguido no caso do assalto das armas em Tancos, justificou assim as suas longas conversas com o líder do furto para que dissesse onde escondera o material: “Os informadores são como as vacas: enquanto tiverem leite há que insistir” .

 

IMG_0661.jpg

IMAGENS CONFINADAS -  No Museu Nacional de Arte Contemporânea, no Chiado, inaugurou e está patente até 23 de Janeiro a exposição Face À Vida Nua, que recolhe o trabalho de três artistas durante a pandemia e o confinamento: Luciana Fina apresenta-nos um filme realizado no primeiro surto pandémico deste ano, em que se confronta com a devastação da paisagem natural por especulação imobiliária, Vasco Barata dedicou-se nos meses da pandemia à prática do desenho, contido às dimensões físicas do seu espaço de trabalho,  e João Pina documentou com um ensaio fotográfico (na imagem)  o célebre edifício Copan, em São Paulo, projetado por Óscar Niemeyer, que tem 1160 apartamentos  e mais de 5000 residentes. Outros destaques: a não perder nos dias 11,12 e 13 na Galeria Monumental “Virose Artística”, uma mostra de pequenos formatos com obras de mais de 50 artistas ao preço único de 50 euros. Exclusivamente no Facebook e Instagram da Galeria. No Museu Municipal de Faro inaugurou a Exposição “Território Solar”, com obras da Coleção de Fotografia Contemporânea do Novo Banco, com  curadoria de Maria Eduarda Duarte e a exposição está patente até 28 de março de 2021. E finalmente na  SNBA  uma exposição sobre a obra de Cruzeiro Seixas, “Fazedor Nada Perfeito” mostra até 30 de Dezembro mais de 60 obras entre escultura, desenho, joalharia e serigrafia.

 

image1.png

UMA RARIDADE DE AMÁLIA - Como é que nasce um disco? “Ensaios”, a edição agora lançada com registos de Amália Rodrigues, ajuda a perceber como era o processo criativo da fadista. Trata-se de um CD duplo em que o primeiro disco recolhe gravações feitas nos Estúdios de Paço de Arcos da Valentim de Carvalho e  o segundo gravações feitas em casa da própria Amália, em 1970 e 1971. Mais uma vez este trabalho, ligado às comemorações do centenário da fadista, tem a mão de Frederico Santiago que tem desempenhado um papel fundamental na recuperação do arquivo Amália. O primeiro disco, recolhe cinco temas, ensaios e takes experimentais gravados em estúdio, incluindo conversas com Hugo Ribeiro, o técnico de som que mais trabalhou com ela, e os músicos que a acompanhavam. Ali estão Meu Amor É Marinheiro, Sete Estradas, Rosa Vermelha, Alfama, Perdigão. No segundo disco, gravado em casa de Amália, em Lisboa, está o registo do seu trabalho com Alain Oulman, em fados como Sete Estradas, Nunca Ninguém Viu Ninguém, Gondarém, Perdigão, Abril, Rosa Vermelha e Com Vossa Licença. E depois há uma surpresa: gravações de Alain Oulman a cantar para Amália em meia dúzia de fados. São momentos de intimidade e que mostram a enorme cumplicidade musical entre ambos, o processo de busca e repetição até se chegar ao ponto que Amália pretendia - nas suas palavras, perto da perfeição: “a mim as coisas só me parecem completas quando as tenho todas, quero sempre fazer mais, fazer melhor”. A edição é complementada por um livro que traça a cronologia de 1970, um ano em que Amália cantou do Japão aos Estados Unidos. O livro tem fotografias inéditas, reprodução de páginas dos cadernos manuscritos  de Alain Oulman, com partituras e poemas dos fados, além de notas explicativas de Frederico Santiago sobre cada um dos fados, por Frederico Santiago. Edição Valentim de Carvalho.

 

A china já ganhou.jpg

O TEMPO DA CHINA - Diplomata, académico, perito em relações internacionais e assuntos asiáticos, Kishore Mahbubani é Professor na Universidade Nacional de Singapura. Foi embaixador de Singapura nas Nações Unidas e presidiu ao Conselho de Segurança em 2001 e 2002. Já este ano lançou “Has China Won? - The Chinese Challenge To American Primacy, agora editado em português pela Bertrand com o título “A China Já Ganhou?”. Ao longo de nove capítulos Kishore Mahbubani faz uma reflexão geoestratégica do que se passa actualmente, analisando o comportamento da China e dos Estados Unidos e as situações a que ambos os países chegaram, as características de cada um e a maneira como encaram os grandes desafios do tempo presente, da ameaça terrorista aos problemas ambientais. No final do livro o autor deixa este recado: “o desafio que as alterações climáticas representam é simples: conseguiremos nós demonstrar que continuamos a ser a espécie mais inteligente do planeta Terra e preservá-lo para as gerações futuras? Os seres humanos olhariam cheios de pena para quaisquer das tribos de símios que continuassem a lutar pelo domínio do território enquanto a floresta em volta ardia. Contudo é assim que os Estados Unidos e a China surgirão às gerações futuras se continuarem a dirigir o foco para as suas diferenças enquanto o planeta Terra enfrenta um longo período de grande perigo”. E conclui o livro com esta frase: “A derradeira questão, portanto, não se centra em saber se os Estados Unidos ou a China venceram. Centra-se em perceber se a humanidade venceu”.

 

SALICÓRNIA CONFINADA COM ARROZ  - Gosto de arroz de todas as maneiras - simples, ou numa das muitas variedades temperadas da cozinha tradicional portuguesa. A minha preferência mais recente vai para arroz de salicórnia, essa planta que cresce espontaneamente em ambientes salinos, como nas rias da costa portuguesa. Tem caules carnudos, há quem lhe chame espargos do mar. A salicórnia é uma planta suculenta com sabor salgado, mas só há relativamente pouco tempo começou a ser mais fácil de encontrar nos supermercados - nas lojas de produtos biológicos já existia há algum tempo. Vamos então à receita, com arroz carolino naturalmente. De há uns tempos a esta parte abandonei os refogados tradicionais e coloquei a cebola e o alho de lado. Uso muitas vezes funcho e gengibre picados salteados em azeite para dar um toque inicial,  antes de adicionar o arroz e  depois a água da sua cozedura - gosto dele malandro mas sem demasiada calda. Neste caso de arroz de salicórnia não adiciono sal. Só coloco a salicórnia, numa quantidade generosa, a meio da cozedura e envolvo-a bem no arroz.  É também pouco depois, a uns três minutos do final da cozedura, que adiciono lingueirão - uso o congelado sem problemas, tendo o cuidado de o deixar ir à temperatura ambiente antes de entrar na panela. O lingueirão coze depressa e conserva melhor o seu sabor se não estiver muito tempo ao lume. Como qualquer arroz, devemos deixá-lo a repousar, tapado, já de lume desligado, pelo menos uns cinco minutos antes de servir. O tempo de preparação ronda a meia hora. Um Alvarinho a acompanhar fica sempre bem. Bom apetite. E divirtam-se. Cozinhar petiscos ajuda a combater o stress.

 

DIXIT - “Não se tratou de um acidente, mas sim de um atentado, embora não dirigido necessariamente a Francisco Sá Carneiro” - Marcelo Rebelo de Sousa

 

BACK TO BASICS - “Aquilo que está feito não pode ser desfeito” - William Shakespeare

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D