Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



IMG_0667.JPG

A VÃ ILUSÃO - Estamos perigosamente a caminhar para um mundo de fantasia onde o efémero se sobrepõe a qualquer estratégia coerente de salvaguarda do que existe e de desenvolvimento coerente. Vivemos na ilusão da prosperidade com um Estado que só pensa em pagar-se a si próprio sem cuidar das suas funções. A nova austeridade mostra-se nos problemas que existem nos hospitais, na degradação de equipamentos públicos como os caminhos de ferro, nos atrasos em dar condições a que se realizem obras necessárias de manutenção em equipamentos cruciais. Quando a coligação de esquerda se regozija com o que diz ser o fim da austeridade engana-se a si própria e, pior, pretende enganar os incautos. A verdade é que a nova austeridade se faz à conta do não cumprimento das obrigações do Estado, prejudicando toda a sociedade e criando situações de desprezo pelo bem estar e segurança das pessoas. A nova austeridade vive de manter o  peso do Estado mas tirando-lhe os meios de agir - ou seja, tornando-o vazio de sentido. Os efeitos desta política, no médio e longo prazo vão ser terríveis e tudo o que à frente se reparar será bem mais caro do que aquilo que agora se devia fazer. O Governo tem o poder. Sem Glória. Um retrato do Portugal destes dias que correm.

 

SEMANADA - A presença de ecstasy nos esgotos de Lisboa aumentou mais de 40% num ano; nos últimos dez anos 49 produtos portugueses foram retirados do mercado europeu por não terem sido aprovados em testes de segurança; no ano lectivo de 2016/2017 registaram-se 1797 crimes em escolas da área metropolitana de Lisboa, um aumento de 10% em relação ao ano lectivo anterior;  segundo um estudo de opinião divulgado esta semana 70,2% dos adeptos não acredita que exista verdade desportiva no futebol português; segundo a Marktest o número de portugueses que usa aplicações de Instant Messaging quase triplicou nos últimos cinco anos; o preço das casas aumentou 12,8% no ano passado; 800 médicos recém formados não têm vaga para especialidades e está a aumentar o número de jovens médicos que deixam o país para fazer formação especializada no estrangeiro; em 2017 a Segurança Social mandou fechar 133 lares; no passado fim de semana o consumo de eletricidade em Portugal foi assegurado na íntegra por fontes renováveis, sobretudo energia eólica, durante 69 horas seguidas;  desde o início do ano já se verificaram 13 greves, o que dá a média de uma greve por semana e estão anunciadas novas greves de professores, médicos e enfermeiros.

 

ARCO DA VELHA - No Liceu Camões, em, Lisboa, apenas dez professores, num total de 70, aderiram à greve do início desta semana - mas os sindicatos de Mário Nogueira garantiram que a adesão ficou entre os 60 e 70%.

 

_DSC8461.jpg

FOLHEAR - Do panorama editorial português quase tinha desaparecido a figura de uma revista consagrada ao pensamento e ensaio. “Electra”, a nova revista trimestral da Fundação EDP, ganha o seu nome da Grécia antiga e no editorial deste primeiro número, co-assinado pelo seu  director José Manuel dos Santos e pelo subdirector António Soares, apresenta-se como “uma revista que interroga o espírito do tempo, as tendências, as ideias, as imagens, as mitologias que configuram e fazem mover a nossa época”. O estatuto editorial define “Electra” como uma “revista de crítica, pesquisa, ensaio e reflexão cultural” apontando que deve ser “de actualidade, mas de uma actualidade que vai para além da imediatez mediática”.  “Electra” tem duas edições - uma em português e outra em inglês, manifestando assim a sua vontade em ter influência para além das nossas fronteiras. Um dos destaques desta edição inaugural é uma entrevista feita por António Guerreiro a Boris Groys, um professor alemão, actualmente em Nova Iorque, crítico de arte, teórico dos media e filósofo que se tem debruçado sobre as relações entre a arte e a política e entre o artista e a sociedade. Groys estará sábado no MAAT onde proferirá uma conferência sobre “A Arte na Época da Internet”. Com um grafismo minimalista e adequadamente conservador, em conformidade com o tom geral da edição, neste primeiro número de “Electra” destaca-se um ensaio de João Oliveira Duarte sobre o poeta António Franco Alexandre, o portfolio “Rainer Maria Rilke:Klage” de Lourdes Castro e o ensaio “Cada época sonha com a seguinte” de Maria Filomena Molder sobre a citação de Jules Michelet que lhe serviu de inspiração.

 

Sem Título.jpg

VER - O desenho é a raiz de toda a criatividade visual - quer esteja esboçado ou sugerido. Sob a aparência da simplicidade pode ser surpreendente ao conseguir transmitir  ideias complexas ou, em contraste, ao ordenar sucintamente o espaço onde se desenvolve. É isto que acontece com os novos desenhos de Pedro Calapez patentes na exposição “Desenho e Construção”, uma mostra  simultaneamente tranquila e arrebatadora nos vários momentos em que está organizada - as séries “Vagos”, “Variações Num Quadrado” e “Plano Duplo”. “Construir é a acção de organizar linhas, traços ou manchas, numa superfície com a finalidade de criar níveis distintos de intervenção que dialogam entre si” - escreveu Calapez nas suas notas sobre esta exposição. “Cada desenho - sublinhou - só acaba quando as orientações das linhas estão  suficientemente definidas e a mão cansada decide não continuar”. Desenho e construção fica até 20 de Abril, na Galeria João Esteves de Oliveira, Rua Ivens 38. Outras sugestões: na Galeria Monumental (Campo dos Mártires da Pátria 101) Teresa Dias Coelho mostra até 7 de Abril novos desenhos sob o título “Turn Again”. No Porto, na Galeria Municipal, Palácio de Cristal, até 20 de Maio a Fundação EDP apresenta “Germinal”, que expõe obras do núcleo Cabrita Reis que desde o ano passado faz parte da colecção desta Fundação.

image (1).png

OUVIR - David Byrne habituou-nos, nas várias fases da sua carreira, com os Talking Heads e, depois, a solo ou nos diversos projectos em que tem colaborado, a mostrar as suas observações sobre a América, surgindo repetidamente como uma espécie de  barómetro com um humor fino. “American Utopia”, o seu primeiro álbum desde há 14 anos, prossegue esse caminho e, de certa forma, é surpreendente. Como acontece a alguns dos seus contemporâneos, Byrne podia ter seguido o caminho de fazer um álbum de versões ou de imitações de si próprio. Em vez disso atreveu-se a, mais uma vez, surpreender e provocar - quer em palavras quer nos arranjos das dez canções aqui apresentadas, todas feitas a partir de composições originais de Brian Eno às quais Byrne juntou as palavras. “I Dance Like This”, a faixa de abertura, é um regresso ao pop; “It’s Not Dark Up Here” é um manifesto dançante que apela ao optimismo mesmo em tempos negros e “Every Day Is A Miracle”  é uma balada que ganha ritmo à medida que recomenda que se sobreviva aos maus momentos. No final do disco estão dois dos temas mais marcantes, “Doing The Right Thing” e “Everybody’s Coming To My House”, a minha canção preferida, que inclui uma frase que resume todo o sentimento do disco , “We are only tourists in this life”. Ao longo do disco as teclas misturam-se com as guitarras, vozes e percussões, numa explosão de sons hoje em dia rara. Quase nos 66 anos, não se pode dizer que David Byrne esteja sentado na varanda a curtir a reforma. CD Nonesuch, Distribuição Warner.

 

PROVAR - Há pouco mais de um ano surgiu na restauração lisboeta o conceito “Topo” , que deu origem a um grupo que já tem restaurantes no alto de edifícios no Martim Moniz, no Largo do Carmo e agora no CCB, onde antes estava o Bar Terraço. A localização do Topo do CCB é privilegiada, com vista sobre o rio, 40 lugares na sala e, quando estiver melhor tempo, 30 adicionais na esplanada. A cozinha, liderada pelo chef Luis Martins, tem inspiração nacional e propõe ao longo do dia e fim de tarde petiscos diversos. Ao almoço há um menu executivo que por 14 euros propõe couvert, sopa ou sobremesa, o prato do dia e uma bebida. A carta, mudada há poucas semanas, oferece várias possibilidades. Numa recente visita experimentaram-se duas entradas para partilhar: chamuças de coelho bravo com puré de escabeche de cheróvia e peixe espada à madeirense marinado com abacate e acompanhado por chips de batata doce. Ambos muito bem, as chamuças estaladiças e de fritura correcta, o peixe espada com um sabor inesperado. A seguir veio um robalo real com xerém de bivalves e coentros - peixe fresquíssimo e cozinhado no ponto, o xerém a merecer elogios. Para um próxima visita ficará o arroz de javali, castanhas e cogumelos. Nos doces há propostas como pão de ló com creme de ovo, pudim Abade de Priscos e uma mousse de chocolate com flor de sal e azeite. A carta de vinhos não é muito extensa mas oferece boas propostas a preços razoáveis. Telefone 213010524.

 

DIXIT - “O território a que chamamos Portugal é habitado pelo ser humano há um milhão de anos” - Arqueólogo João Zilhão

 

GOSTO - 97,4% dos alunos que participaram nos dois anos do projecto Tablets no Ensino e na Aprendizagem, da Fundação Calouste Gulbenkian, passaram de ano - uma taxa de quase 100% de sucesso escolar.

 

NÃO GOSTO - Cerca de  60% das linhas de comboio estão em mau estado de conservação e condicionam a circulação ferroviária - revela um relatório da Infraestruturas de Portugal.

 

BACK TO BASICS - “O mais importante é nunca desistir” - Stephen Hawking

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D