Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMG_0081.JPG

PULHICE - Quase metade dos portugueses abstém-se nas eleições e a percentagem é maior ainda entre os que têm menos de 35 anos. Isto quer dizer que praticamente metade da população - 43,07% nas mais recentes legislativas - não quis eleger deputados, não confia nos políticos e nos partidos onde se organizaram. E que fazem os partidos, os deputados eleitos por metade da população e os seus dirigentes? Em vez de procurarem conquistar a confiança e mostrarem-se como exemplo de probidade, revelam-se um exemplo de dissimulação e aldrabice. O que se passou com o processo da nova Lei de Financiamento dos Partidos é a demonstração clara da pouca vergonha instalada na Assembleia da República. O funcionamento do regime  não é barato - e o que está aqui em causa não é o custo financeiro da democracia e do funcionamento do sistema, o que está em causa é a ética política e sobretudo a maioria dos partidos não querer fazer de todos nós parvos. Na Assembleia da República PS, PSD, PCP, Verdes e Bloco de Esquerda organizaram-se numa conspiração de silêncio, reunindo à porta fechada, sem divulgação de agenda, escondidos dos jornalistas acreditados no Parlamento, sem sequer redigirem actas do que se passava nas reuniões. A coisa é de tal modo que agora não se sabe quem propôs o quê nas alterações verificadas ao financiamento dos partidos. Quando chegou a hora da votação apenas o CDS e o PAN votaram contra a conspiração. A frente única da aldrabice aprovou a lei. Até o líder da Comissão de Transparência da Assembleia da República não foi informado do que se passava, tão pouco o presidente da Comissão dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, muito menos o Presidente da República. Fixem o nome dos actuais líderes parlamentares dos partidos - eles são os primeiros responsáveis por este golpe do baú. Haverá melhor retrato da degeneração do sistema político do que este?

 

SEMANADA - A Câmara Municipal de Lisboa, através da EGEAC, comprou 30 mil cartolas vermelhas e pretas por 57 mil euros para oferecer aos espectadores da passagem do ano no Terreiro do Paço; as festas de fim de ano em Lisboa vão custar 650 mil euros, igualmente suportados pela EGEAC, que vive essencialmente das receitas geradas pelos visitantes do Castelo de S. Jorge; a esquadra de Arroios, em Lisboa, foi encerrada entre 22 de Dezembro e 2 de Janeiro por falta de agentes - indica um aviso afixado na porta das instalações; Bragança e Beja são os dois distritos que captaram maior números de imigrantes estrangeiros entre 2008 e 2016; os estudantes estrangeiros no Instituto Politécnico de Bragança têm um impacto anual de 12,3 milhões de euros na economia local; o investimento estrangeiro em Portugal no primeiro semestre de 2017 foi de 119 mil milhões de euros; o número de alunos do ensino superior a estudarem para serem professores  é o mais baixo dos últimos 20 anos; em novembro 44% das páginas dos sites auditados pela Marktest foram acedidas através de equipamentos móveis; segundo o estudo Os Portugueses e as Redes Sociais, também da Marktest,  39% dos utilizadores de redes sociais leem comentários de consumidores sobre produtos/serviços antes de comprar; familiares de Miguel Frasquilho, ex-secretário de Estado do Tesouro e Finanças e ex deputado do PSD, terão recebido transferências de uma conta na Suíça, detida pela Espírito Santo Enterprises.

 

ARCO DA VELHA - Apesar de viver em Lisboa com o ministro Vieira da Silva, desde 2009, a deputada Sónia Fertuzinhos continua a receber, todos os meses, do Parlamento, mais de mil euros de subsídio de deslocação para Guimarães.

image (2).png

FOLHEAR - Desde 2015 a revista “Monocle” edita em dezembro uma publicação intitulada “Forecast”, que pretende apontar as principais tendências para o ano seguinte. Na edição deste ano recomenda-se a leitura de um ensaio de David Milliband, ex-responsável pela política externa do Reino Unido, onde defende que a globalização é perseguida à esquerda por ser inimiga da igualdade e  perseguida à direita por ser terreno da contestação à ordem estabelecida. Um dos fenómenos da crise actual da globalização, segundo Milliband, vem do facto de a economia e a política, que durante muito tempo se entenderam, estarem agora em divergência de forma acentuada. É uma visão interessante da crise mundial. A revista aborda ainda a importância de ter nas cidades locais confortáveis para pessoas de idade, com comércio de rua e zonas que incentivem que os residentes mais velhos façam parte da comunidade e participem nela - aqui está um bom lembrete para os responsáveis por Lisboa, que preferem atirar os mais velhos para fora da cidade e das zonas onde sempre viveram. Já agora, a ler a Forecast descobriu que a nova exportação suíça são camarões, que começaram a ser produzidos em grande quantidade no país para serem exportados para toda a Europa. Para rematar uma visão imperdível sobre aquilo que faz da Holanda um país especial: “se não fossemos criativos, estávamos condenados a viver abaixo do nível do mar e a ficarmos afogados” - diz um dos entrevistados.

IMG_0060.jpg

VER -  Finalmente consegui ir à Bienal de Coimbra, que encerra já no último dia do ano depois de ter inaugurado a 11 de Novembro. Trata-se da segunda edição desta segunda Bienal de Arte Contemporânea, esta dedicada ao tema “Curar e Reparar”. A iniciativa representa um assinalável esforço da cidade e da região Centro para estabelecer uma mostra internacional de tendências, em muitos casos com obras feitas expressamente para os locais onde são exibidas - e várias delas claramente efémeras como a própria Bienal. O espaço magnífico do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova é aquele onde melhor foi conseguida a materialização do conceito fundador deste ano e onde estão claramente as mais conseguidas obras inéditas e também as apresentações de obras de criadores estrangeiros aqui mostradas pela primeira vez em Portugal. O efeito conseguido neste antigo Mosteiro, que na maior parte do século XX albergou um quartel e é hoje ainda propriedade militar, abandonada e decadente,é verdadeiramernte impressionante. Destaco os trabalhos de Fernanda Fragateiro, Francis Alys, James Lee Byars, Julião Sarmento e William Kentridge, que aliás proporciona um final telúrico do percurso do Mosteiro.Depois disso é muito difícil encontrar paralelos com as exposições apresentadas nos outros seis locais da Bienal - algumas pretensiosas e vazias, outras falhadas, outras ainda desnecessariamente a procurarem justificativos ideológicos que sustentem uma prestação plástica medíocre. A curadoria foi de Delfim Sardo com Luiza Teixeira de Freitas.

image (1).png

OUVIR - A primeira metade da década de 60 foi a época de ouro da aproximação do saxofonista Stan Getz à música brasileira. São os anos Bossa Nova, durante os quais ele lançou cinco álbuns agora reunidos numa caixa, pela prestigiada editora Verve, para quem estas preciosidades foram gravadas. E quais são esses álbuns? Comecemos por “Big Band Bossa Nova”, com arranjos de Gary MacFarland, onde se destacam interpretações instrumentais de temas como Melancolico, Chega de Saudade, e Samba de Uma Nota Só.  Em 1962 Getz junta-se ao guitarrista Charlie Byrd e edita “Jazz Samba”, onde se destacam temas como Desafinado, O Pato e Baía. Pouco tempo depois surge “Jazz Samba Encore”, já com participações de Luiz Bonfa e Maria Toledo que cantam Só Danço Samba, Insensatez ou Saudade Vem Correndo. Depois  Stan Getz e o guitarrista Laurindo Almeida na guitarra fazem um disco pouco conhecido que explora novos caminhos no cruzamento entre o saxofonone e a guitarra. E por fim, a jóia da coroa desta colecção surge quando Stan Getz se junta a João Gilberto, com a participação de Antonio Carlos Jobim, no LP “The Girl From Ipanema”, onde além do tema título se destacam  Desafinado, Corcovado, O Grande Amor e Vivo Sonhando. Para além desta caixa de CD’s “Stan Getz - Bossa Nova Years”, a Verve lançou também   “The Divine Miss Dinah Washington”  e  “Classic Lady Day”, de Billie Holiday, ambas igualmente reproduzindo cinco LP´s originais.


PROVAR - O panorama gastronómico em Lisboa andou morno este ano e a coisa resume-se assim: alguns bons restaurantes, na comida, serviço e ambiente, degradaram-se em relação aos seus clientes habituais e esmeram-se em relação aos visitantes estrangeiros.  A falta de mão de obra qualificada começa a fazer-se sentir nos estabelecimentos de maior prestígio, onde a rotação de colaboradores é cada vez mais visível. Sobretudo nos restaurantes localizados nas zonas mais turísticas o cliente nacional é tratado pelos empregados de mesa da mesma forma que os taxistas tratam um cidadão português à chegada ao  aeroporto. Claro que há excepções, mas elas são reduzidas e pouco frequentes entre os chamados chefs da moda, uma raça que começa a ser uma praga e a quem é permitido o que não se tolera a um empregado de balcão de uma tasca de bairro. No fundo tudo isto radica numa certeza, que é a galinha de ovos de oiro dos novos grupos empresariais da restauração: os clientes portugueses são uns chatos que aparecem eventualmente várias vezes ao ano se se sentirem bem tratados e os estrangeiros muito raramente repetem a visita; os primeiros não gastam muito e torcem o nariz aos preços dos vinhos e de fantasias culinárias, os segundos não se queixam dos preços e sorriem pasmados. A variedade fast food dos novos chefs é a mais recente praga - depois de anos a fazerem menus degustação muitas vezes insuportáveis, dedicam-se agora a uma variedade de comida rápida feita com menos regras e preceitos que os existentes em qualquer McDonald’s. Depois das estrelas Michelin o batalhão dos chefs de aviário entrou no campeonato dos food corners, como o que agora abriu no El Corte Inglés de Lisboa, Resta a consolação de bons restaurantes por enquanto ainda fora de zonas turísticas e das tascas dedicadas à cozinha popular.

 

DIXIT - “Sou uma lobista social; se eu quisesse estar na política já estaria” - Paula Brito e Costa

 

GOSTO - Da forma como Marcelo Rebelo de Sousa mostrou ao longo do ano como se pode estar de forma diferente no mais alto cargo político do país, a dar exemplos ao resto dos políticos.

 

NÃO GOSTO - Vários jogadores da equipa de futebol do Rio Ave estão a ser investigados por suspeita de viciação de resultados, levando a sua equipa a perder.

 

BACK TO BASICS - “O género humano não pode suportar muita realidade” - T. S.  Eliott

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30

SOBRE A IMPORTÂNCIA DA CURIOSIDADE

por falcao, em 17.11.17

 

IMG_2348.JPG

PARTIDOS  - Soube-se esta semana que dos 210.907 militantes do PSD apenas 28.739 (13,6%) têm as quotas em dia - condição necessária para poderem votar nas eleições directas de 13 de Janeiro. Estamos a falar de 12 euros por ano. No primeiro mês após o início da campanha interna para escolher, em eleições directas, quem será o líder, cerca de cinco mil militantes pagaram as suas quotas em atraso e a data limite para pôr as quotas em dia e poder votar nas Directas de Janeiro é dia 15 de Dezembro. A situação é um retrato do funcionamento dos partidos, mesmo quando têm um teórico número apreciável de militantes: a maioria está arredada da vida dos respectivos partidos, a participação política reduz-se a um pequeno núcleo central. Se fizermos bem as contas a quem está na Assembleia da República, em autarquias a diversos níveis e em orgãos internos, veremos que o total é uma parte significativa daqueles que têm as quotas em dia. Temos portanto duas figuras de relevo da política portuguesa a percorrer o país de lés a lés numa campanha eleitoral que tem um universo de votantes reduzido - e mesmo que, por milagre do destino e ajudas de duvidosa generosidade que se tornaram habituais nos aparelhos partidários, o número de militantes com capacidade eleitoral duplique em relação aos actuais, estaremos a falar de meia centena de milhar de pessoas. É a elas que caberá decidir quem será o líder da oposição. Quando as coisas chegam a este ponto alguma coisa está muito mal no sistema político e partidário - no fundo é um espelho do que se passa no país. O sistema que temos, a nível nacional e a nível partidário, levou a este paradoxo: é uma minoria que decide o futuro da maioria.

 

SEMANADA - Em Portugal estão em construção mais 80 hotéis, anunciou o Ministro da Economia; na via navegável do Douro há 60 operadores com 147 barcos, dos quais 20 são barcos-hotel; a zona do Douro espera atingir até ao final do ano o número recorde de um milhão de turistas;  as receitas do sector hoteleiro subiram 14% durante a época alta (Junho a Setembro), equivalente a 200 milhões, chegando aos 1688 milhões de euros; em Portugal são detectados mais de 200 novos casos de diabetes por dia; o Bastonário da Ordem dos Médicos afirmou que grande parte dos equipamentos e materiais do Serviço Nacional de Saúde está fora do prazo de validade; em Portugal 800 mil pessoas tomam calmantes todos os dias; segundo a Marktest um em cada dez portugueses utiliza regularmente anúncios on line; o Ministério Público recebeu entre 1 de Setembro de 2016 e 31 de Agosto deste ano 5965 denúncias de operações suspeitas de lavagem de dinheiro, um aumento de 22% face ao período anterior; este ano os bancos portugueses estão a emprestar uma média de 21,8 milhões de euros por dia para compra de habitação, um aumento de 42,7% em relação ao ano passado; na função público o salário médio está 500 euros acima do sector privado;  a União Europeia alertou Portugal para a “elevada proporção de empregos criados em setores com baixas qualificações e salários abaixo da média”.

 

ARCO DA VELHA - Uma técnica de acção educativa de Vila do Conde andava a abastecer detidos da cadeia de Paços de Ferreira com haxixe a 200 euros a grama, e cocaina e heroina a 500 euros a grama.

IMG_2365.jpg

 

FOLHEAR - O fascínio pelo Oriente continua a dominar as obras de Fernando Sobral, como aconteceu em “ Os segredos do Hidroavião “ ou em “ As jóias de Goa”. Agora, com “O Silêncio dos Céus” continua a escrever sobre mistérios, mas de forma mais introspectiva. Esta é uma história passada em Macau, em meados do século XIX, o relato de uma conspiração urdida por personagens locais de proveniências diversas e passados distintos. Muitas vezes Fernando Sobral coloca no discurso dos conspiradores frases que vão mostrando as suas próprias reflexões. Por exemplo, logo no início, recorda que “a vida não pertence a nada, excepto ao vento,  porque a nossa alma é o ar”. Um pouco mais à frente afirma que “a maior interrogação com que se defrontam os seres humanos é a existência do mal” e defende noutro passo que “para encontrar as grandes verdades da vida temos de passar pelo silêncio”. “A curiosidade é a minha estrela polar”, disse Fernando Sobral esta semana na apresentação do livro, em Lisboa. Ao ler qualquer dos seus livros percebe-se o cuidado colocado na investigação sobre os locais, seus usos e costumes. Aqui vai mais além e coloca-se dentro das questões que norteiam desde há muitos séculos o pensamento filosófico oriental. Partindo de uma história de conspiração, “O Silêncio dos Céus” depressa se torna numa viagem pelas tradições do oriente, onde a aventura faz parte da vida e se mistura com a luta pelo poder. “Alguém dizia que quando olhas demasiado para um abismo, este também olha para ti” - descubram porquê em “O Silêncio dos Céus”, de Fernando Sobral, edição Livros do Oriente.

image.png

VER - O destaque desta semana vai para a exposição colectiva que assinala os 25 anos de existência da Galeria Fernando Santos, no Porto, em boa parte responsável por se ter criado um pólo de arte na Rua Miguel Bombarda. Para assinalar o aniversário o galerista Fernando Santos mostra obras inéditas a  Pedro Cabrita Reis, Pedro Calapez (na imagem), João Louro, Priscilla Fernandes, Jorge Galindo, Nikias Skapinakis, Gerardo Burmester, António Olaio, além de obras pouco conhecidas de artistas como Alberto Carneiro e Álvaro Lapa. Até 5 de Janeiro. Em Coimbra não perca a sua bienal de arte contemporânea, “Ano Zero”, que com curadoria de Delfim Sardo apresenta obras de 34 artistas, 17 das quais feitas propositadamente para esta mostra e que estão em diversos locais da cidade. Outras sugestões: na Galeria Pedro Alfacinha (Rua de S. Mamede 25), “America”, um conjunto de seis novos trabalhos fotográficos de António Júlio Duarte. Na Galeria 111, Campo Grande, “História da Vida Privada”, um projeto de  Pedro Valdez Cardoso concebido, ao longo de um ano, especificamente para a esta galeria, reunindo um conjunto de mais de 100 obras, com peças inéditas, peças recentes e um conjunto de peças do arquivo do artista, as quais foram sendo realizadas ao longo de mais de 15 anos e nunca expostas, na sua grande maioria, anteriormente. Finalmente, no CCB Garagem Sul, um espaço dedicado à arquitectura, abriu esta semana “Neighbourhood”, sobre os pontos de encontro entre a arquitectura de Álvaro Siza e a de Aldo Rossi na forma de pensar a cidade.

IMG_2388.JPG

OUVIR - Basta ouvir “Conto de Fadas”, logo no início deste CD, para perceber como Aldina Duarte gosta de escrever, cantar e, fazendo as duas coisas, provocar e surpreender. Cantar um fado assim, o tradicional “”Fado Santa Luzia”,  acompanhada por uma caixinha de música é usar a heresia e viver o risco que faltam a tantas tentativas de fadistas de moda que andam por aí. Esta é a melhor coisa que se poderia fazer neste tempo de tradições copiadas e de falsas almas que fazem que cantam. Aldina Duarte chamou a este seu novo disco “Quando Se Ama Loucamente” e cada uma das letras que para ele escreveu é uma peça da explicação do que é o Amor. Aldina Duarte escreve como poucos outros fadistas e canta como muito poucas mulheres hoje em dia, em Portugal. Ouvi-la é uma lição de poesia. É muito curiosa a forma como  pegou em fados tradicionais e os recriou com novas letras - um desafio arriscado mas que funcionou bem como nestes versos: “Somos dois da mesma dança/ enlaçados na lembrança/ e perdidos no coração” . O disco assume-se como uma homenagem a Maria Gabriela Llansol, evocada num belíssimo texto de Hélia Correia que surge, no disco, ao lado de uma reprodução de um quadro de Pedro Cabrita Reis. E recordada, no final, pela voz de João Barrento, que diz as suas palavras. Este é um dos grandes discos portugueses do ano. CD Sony Music.


PROVAR - Situado nas Avenidas Novas, “O Funil” tem uma longa tradição que vem desde 1971. Há poucos anos, em 2014, foi totalmente remodelado e após um período inicial que se distinguiu, deixou cair a qualidade e o serviço. Há poucos meses passou para as mão de António Diogo, um profissional com vasta experiência na restauração e com um cuidado claro no serviço aos clientes. O bacalhau à Braz é um clássico que se tem mantido e que continua a ser uma referência segura e outra boa escolha são os filetes de peixe espada com arroz de lima. Os pratos do dia são normalmente abaixo dos 10 euros e os pratos da carta normal andam entre os 10 e 14 euros - e aí podemos encontrar alguns arrozes dignos de nota - nomeadamente o de vitela e cogumelos, o de polvo e o de garoupa e gambas. Nos petiscos da casa destaque para os pastéis de bacalhau. Na nova lista está por vezes uma novidade, trazida por António Diogo de aventuras anteriores, é o spaghetti a la forma - em que a massa acabada de cozer vai para dentro de um parmesão onde é envolvida, a quente, no queijo, ganhando todo o seu sabor. O vinho da casa é o Intensus, alentejano, que cumpre bem, sobretudo o tinto, e é servido a copo ou pequenos jarros Nas sobremesas o destaque vai para as farófias, bem feitas, à moda antiga, irresistíveis.  O restaurante destaca-se pela arte de bem receber, pela atenção dada aos clientes e tem como único ponto menos positivo o facto de por  vezes existir alguma demora. Av. Elias Garcia 82-A, tel. 210 968 912.

 

DIXIT - “Depois da centena de mortos, um país ardido, décadas de medidas políticas, dezenas de ministros, várias reformas estruturais, grupos de trabalho independentes e missões de estrutura, chegámos enfim à solução: caramba, o que nos faltava era uma empresa pública para a floresta” - Paulo Ferreira, no Facebook.

 

GOSTO - Marcelo Rebelo de Sousa voltou a sublinhar que os relatórios sobre o apuramento de responsabilidades nos casos da legionella e de Tancos devem ser tornados públicos.

 

NÃO GOSTO - Do esquema de corrupção nas messes da Força Aérea, que há uma década envolve 86 oficiais e empresários num esquema de sobrefacturação de fornecimentos.

 

BACK TO BASICS - “A melhor forma de prejudicar uma causa é defendê-la deliberadamente com argumentos falsos” - Friederich Nietzsche



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D