Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMG_0506.JPG

FUTEBÓIS - Quando frequentei o Liceu Camões fui aluno do Professor Magalhães, no tempo em que a Educação Física tinha o nome de ginástica. Ele não se cansava de nos dizer que o desporto era um escola de respeito pelo outro, de competitividade, honestidade e perseverança. Mais tarde, em alguns desportos que pratiquei, essa ideia era uma constante - a começar pelas artes marciais japonesas, baseadas no saber, no treino e na honra. Como Fernando Sobral escreveu no seu livro “Futebol, o Estádio Global”, editado no ano passado nos ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos, “houve um tempo em que o futebol era um prazer barato que se jogava ao domingo, e não era difícil que alguém se apaixonasse por aquele jogo de regras simples, com artistas que fintavam os adversários e marcavam golos”. Noutro ponto do mesmo livro surge uma frase que resume a capacidade de atracção do futebol: “a transformação deste desporto em espectáculo de massas deve muito a factos, mas também ao inexplicável: a magia de um pé direito, o génio de um guarda-redes, as superstições de balneário”. A transformação do futebol num espectáculo de massas, disputado por estações de televisão e por marcas, mudou muita coisa. Os negócios à volta do desporto profissional vieram trazer um mundo novo, onde tudo é permitido e onde se criou uma casta de dirigentes, sem honra nem princípios, envolvidos em actividades estranhas e com atitudes de tiranetes. O desporto, em qualquer modalidade, devia ser um exemplo para a educação dos mais novos, mas os responsáveis dos principais clubes estão a transformar o popular futebol numa escola de crime organizado e de vigarices encapotadas. Os acontecimentos mais recentes nos grandes clubes nacionais são reveladores disto mesmo. E é preciso dizer que o conluio dos políticos com o futebol e a sua subserviência à influência eleitoral dos clubes pioram ainda mais as coisas. O mundo do futebol é hoje em dia um mau exemplo. Um local pouco recomendável.

 

SEMANADA - Nove torres da penitenciária de Lisboa estão sem vigilância 14 horas por dia; o sistema de saúde dos militares das forças armadas jé tem um buraco de 70 milhões, tendo aumentado o défice em 32% face a 2016; a secretaria de estado da Habitação reconhece que há mais de 25 mil famílias com carências habitacionais graves; o voo directo Pequim-Lisboa trouxe mais 74 mil turistas chineses em 2017, um aumento de 40% em relação ao ano anterior; durante o ano de 2017 a GNR registou 134 acidentes envolvendo animais na estrada; a produção automóvel em Portugal duplicou em Janeiro e a variação deveu-se à Autoeuropa; a campanha de cereais de inverno será a pior dos últimos cem anos em consequência de um mês de janeiro quente e seco; segundo o Tribunal de Contas foram pagos indevidamente mais de 200 milhões de euros pelos organismos responsáveis pela atribuição de fundos europeus na agricultura e pescas; o tempo de espera para cirurgias relacionadas com a obesidade tem vindo a aumentar e o número de hospitais que a realizam tem vindo a diminuir; há mais de 1700 doentes à espera de vaga nos cuidados continuados e no último ano a lista aumentou em 500 pessoas; no mesmo fim de semana do congresso do PSD Maria Luís Albuquerque deu uma entrevista onde admite candidatar-se à liderança do partido se Rui Rio não vencer as próximas legislativas.

 

ARCO DA VELHA - Segundo os responsáveis autárquicos lisboetas na Avenida da Liberdade um plátano foi chocar com um autocarro de turistas e a culpa do sucedido não consegue ser apurada. Para resolver o problema cortou-se a árvore pela raiz.

 

image.png

FOLHEAR -  A revista FOAM é integralmente dedicada à fotografia, nas suas diversas formas, e publica-se três vezes por ano, em Amsterdão, pelo Foam Fotografiemuseum. Cada edição é dedicada a um único tema e o mais recente é “Back To The Future”, com o subtítulo “O século dezanove no século vinte e um”. Com um grafismo cuidado e muito bem impressa, a revista tem ganho diversos prémios e nesta edição dedicada ao Futuro o destaque vai para artistas contemporâneos que adoptam, retomam, reciclam e reinterpretam temas, técnicas e ideias do século XIX, com recurso a técnicas digitais, novos materiais e assuntos actuais. “Com a utilização das mais recentes tecnologias digitais a fotografia afasta-se cada vez mais da noção tradicional que existia sobre ela e está a entrar num mundo de imagens geradas por computador, realidade aumentada e esferas virtuais; simultaneamente, no extremo oposto do espectro, vemos um ressurgimento de interesse nos anos pioneiros da fotografia e um número significativo de jovens fotógrafos estão a trabalhar com técnicas antigas, utilizando-as agora de forma contemporânea e criando uma prática artística relevante” - sublinha Marloes Krijnen, que dirige a revista, no seu editorial. Hoje em dia a matéria prima da fotografia passa por computadores e impressoras 3D, além da luz, materiais foto-sensíveis, emulsões e processos químicos que caracterizavam a imagem fotográfica até ao final do século XX. E esse é o tema desta excelente edição da FOAM, disponível na Loja Manifesto em Matosinhos e na Under The Cover em Lisboa.

 

unnamed.png

VER - Muitas vezes há pessoas que olham para peças de arte contemporânea e pensam:  “eu era capaz de fazer isto”. Ou, vendo uma instalação, interrogam: “onde é que aqui está a arte ?”. Joseph Beuys (1921-1986) foi um dos mais proeminentes artistas europeus do pós guerra e combinava uma enorme capacidade criativa com uma atitude de provocação assumida, baseada na sua intenção de fazer as pessoas reagirem à sua obra. Foi pelo desenho que começou, mas foram as esculturas, as instalações e as performances que realizou que lhe deram maior projecção. No fundo ele próprio era quase parte da obra que concebia e hoje em dia, quando vemos algumas das suas peças expostas num museu, percebe-se que na sua ausência elas têm um significado diferente - como aliás acontece com a obra de muitos artistas conceptuais. O documentário “Beuys”, de Andres Veiel, em exibição no Nimas, é baseado em material de arquivo, fotografias e filme, e salienta o lado da importância da consciência social no seu trabalho e na sua vida. Para Beuys a criatividade estava no centro de todos os aspectos da existência humana e este documentário ajuda a conhecer melhor o que ele fazia e porque o fazia.  Outras sugestões: no Atelier-Museu Júlio Pomar, em Lisboa, obras dos artistas Júlio Pomar, Rita Ferreira e Sara Bichão estão reunidas na exposição “Chama”, com curadoria de Sara Antónia Matos, e que dá seguimento ao programa do Atelier-Museu, que procura cruzar a obra de Júlio Pomar com outros artistas. Na Guarda, Pedro Calapez está na Galeria de Arte do Teatro Municipal da Guarda com a exposição "Acordo de Noite Subitamente". E na Galeria Ratton, em Lisboa, Jorge Martins mostra o seu trabalho sobre quatro painéis de azulejo.

 

image (1).png

OUVIR - Quase se consegue sentir a voz de Elis Regina a envolver-se com o saxofone de Andy Sheppard na versão do clássico “Romaria” que dá o título ao mais recente disco do saxofonista, editado em Fevereiro pela ECM (disponível no Spotify). Sheppard é um saxofonista britânico e para o seu novo disco foi de novo buscar nomes com quem já tinha trabalhado em estúdio e em digressões: o guitarrista norueguês Eivind Aarset, o baixo francês Michel Benita,  e o baterista escocês Sebastian Rochford. Sheppard distingue-se pela subtileza da forma como toca e pela simplicidade dos arranjos - que leva os músicos a percorrerem atmosferas calmas, deixando espaço ao silêncio. “And A Day…”, o tema de abertura dos oito que integram este novo disco, é um exemplo do ambiente de sobriedade que Sheppard e os seus músicos constroem. Dois temas surpreendentes são “Pop” e “They Came From The North”, além da bela balada “Every Flower That Falls”, que  foi originalmente escrita por Sheppard como uma banda sonora imaginada, tocada ao mesmo tempo que era exibido o filme Metropolis, de Fritz Lang, numa edição do Festival de Jazz de Bristol. A última faixa, “Forever…” retoma as sonoridades e o ambiente musical da faixa de abertura de que, é, na realidade, a continuação.


PROVAR - Após uma primeira visita à zona da mercearia do Fiammetta, em Campo de Ourique, experimentei poucos dias depois o restaurante, ao almoço. Além da carta (já lá iremos) há sugestões do dia - que passavam no caso por uma sopa de tomate, uns penne de massa fresca com alcachofras e pancetta - que acabou por ser a opção. Devo dizer que há muito não provava uma massa tão cuidadosamente confeccionada e absolutamente no ponto de cozedura. A combinação das alcachofras com a pancetta funcionou às mil maravilhas. Para acompanhar veio um copo de tinto sugerido também como opção do dia, o Santa Cristina Tinto, da Toscana, que desempenhou muito bem. Da mesa onde fiquei tinha uma vista privilegiada sobre o balcão dos queijos e fumados, que tem também massa fresca, do dia, para levar para casa, de várias categorias. E na cave está a mercearia de que já se falou aqui. Todos os dias há também um prosecco para alegrar os fins de tarde à volta de uns aperitivos (por exemplo uma tábua de enchidos e fumados). A sobremesa do dia era um bolo de cenoura, simples - mas como com o café vem um biscoito de amêndoa ficou o doce assim resolvido. Na lista fixa há outras possibilidades: bruschetas com tomate,  pancetta, crostini de mozzarella e prosciutto de Parma ou saladas caprese, burrata com nozes, pera e gorgonzola. Também há paninis com diversos recheios para um almoço mais rápido: presunto de parma com tomate e azeite de trufa, com mortadela, parmesão e azeite, ou com tomate cereja, mozzarella, alcaparras e azeitonas. As massas são feitas todos os dias no restaurante e podem ser pedidas entre as 12h30 e as 16 horas. Além do prato do dia há sempre tagliatelle com bolonhesa, massa rigatoni à carbonara, ou com pesto manjericão e pinhões. Nos doces o tiramisú já ganhou fama. Fiammetta, Rua Almeida e Sousa 20.

 

DIXIT - “Já estava com saudades de África” - Marcelo Rebelo de Sousa, ao chegar a São Tomé e Princípe

 

GOSTO - Portugal está entre os 20 países onde a mortalidade de recém nascidos nas quatro primeiras semanas de vida é mais baixa.

 

NÃO GOSTO - Portugal é vice-campeão em obesidade infantil e muitos alunos do 1º ciclo não fazem educação física.

 

BACK TO BASICS - “Tenho constatado que as pessoas sem vícios têm muito poucas virtudes” - Abraham Lincoln

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

IMG_0449.JPG

PARADOXOS - O português é uma das línguas mais faladas do mundo (a sétima, na realidade), mas a nossa pegada audiovisual é praticamente inexistente. Isto é um paradoxo e tem a ver com o crónico desfasamento entre uma política viva da língua e as formas de expressão e comunicação contemporâneas. É no som e na imagem - e nas suas correspondências de distribuição e difusão no mundo digital - que hoje em dia se joga a sobrevivência dos idiomas e da cultura. Num altura em que o Reina Sofia em Madrid evoca Pessoa e os seus contemporâneos, em que em Paris obras de Rui Chafes são escolhidas para o Pompidou, em que o filme “Fátima”, de João Canijo, esgotou no início de janeiro as duas sessões públicas no Festival de cinema de Roterdão, é paradoxal ver como continua a não existir uma política cruzada e persistente entre o Instituto do Cinema e Audiovisual e o operador de serviço público de televisão com especial enfoque na produção de séries de ficção e de documentários que possam ter apelo global, percorrendo a obra de criadores portuguesas das mais diversas áreas. O problema não é de falta de talento nem apenas de falta de recursos - é sobretudo de falta uma estratégia continuada e persistente, de incapacidade de decisão política e de uma gestão facilitista dos recursos existentes, que são canalizados para conteúdos que se esgotam rapidamente em vez de produções que perdurem e constituam património audiovisual para o futuro. Numa altura em que está à porta a renegociação dos direitos de transmissão de provas internacionais de futebol será curioso ver se a RTP investe de novo na compra desses direitos ou se consagra esforços orçamentais para iniciar um novo caminho na produção audiovisual.

 

SEMANADA - A receita global fiscal do Estado aumentou dois mil milhões de euros em 2017; a única receita fiscal que caíu no ano passado foi o imposto sobre o tabaco; em 2017 foram distribuídos 4,8 milhões de preservativos em Portugal pelos serviços de saúde; uma em cada dez vítimas de violência no namoro sofreu ameaças de morte e 70% dos jovens consideram normal actos violentos no namoro; aumentou o número de queixas por atrasos nas consultas de oncologia em todo o país; quase dez por cento das refeições servidas nas universidades são vegetarianas; em 2017 o INEM recebeu 1,3 milhões de chamadas telefónicas com pedidos de socorro; até agora estão por cumprir seis dos oito objectivos a que Portugal se comprometeu com a Comunidade Europeia até 2020, entre os quais se destacam deficiências na área da investigação e persistência do abandono escolar; o plano ferroviário apresentado pelo Governo há dois anos só avançou em 79 quilómetros de um total de 528 que já deviam estar em obras; o rendimento das famílias portuguesas ainda está abaixo dos níveis de 2008; a Torre dos Clérigos no Porto recebeu cerca de 666 mil visitantes em 2017, cerca de mais 40 mil que no ano anterior; no ano passado os hotéis portugueses receberam 20,6 milhões de hóspedes, um aumento de 8,9% em relação ao ano anterior;  segundo a Marktest o número de portugueses que afirmou ter adquirido online serviços de viagens e alojamento é hoje mais de 3 vezes superior ao observado em 2010.  

 

ARCO DA VELHA - Estima-se que em Portugal existam mais de um milhão de armas de fogo em situação ilegal, apesar de serem apreendidas dezenas de milhar por ano.

 

IMG_0436.jpg

FOLHEAR -  Gosto de passar horas em livrarias e acho que os alfarrabistas são como um jardim encantado onde se vão descobrindo espécies  raras. Quase sempre há neles pessoas conhecedoras do que têm em casa, entendidos em livros e autores, disponíveis para uma conversa. Luís Gomes é uma dessas pessoas e dirige a Artes & Letras, um alfarrabista que saíu do Largo da Misericórdia para as Avenidas Novas. Ali há um confortável sofá para visitantes, bem perto da mesa onde Luis Gomes trabalha e que é um convite a uma conversa ou a folhear uma obra. Vou citar um texto com que há dias me cruzei ao pesquisar informação sobre esta casa: Um livro é sempre uma caixa de ferramentas. Há livros para tratar das plantas, há livros para ensinar a conduzir um carro, há livros para viajar pelo mundo fora, há livros para mostrar como se vive em sociedade, há livros para conhecermos as naus, os piratas, as aventuras dos mares e as ilhas dos tesouros, há livros para adormecer e histórias para levar as crianças a comerem a sopa.” Aqui, na Artes & Letras, encontram-se dessas caixas de ferramentas - além de cartazes, mapas e de uma peça magnífica, logo à entrada, bem visível da rua, pela montra larga - um imponente cavalo negro, que na realidade é um candeeiro - uma peça contemporânea criada pelas designers suecas da Front, comercializada pela Moooi, e que faz um provocador contraste com o resto do local. Já agora, para quem gosta de tipografia antiga, a Artes & Letras está também ligada a um atelier de tipografia que trabalha ainda com composição em chumbo e que fica na Rua dos Poiais de S. Bento, 90. O alfarrabista Artes & Letras fica na Rua Elias Garcia 153. E é uma perdição. Tem muito que folhear.

 

Serralves Álvaro Lapa 0189 Campéstico (1).jpg

VER - A mais importante exposição que neste momento está patente em Portugal é a retrospectiva de Álvaro Lapa, que agrupa 290 obras e que pode ser vista em Serralves até 20 de Maio. Lapa nasceu em Évora em 1939 e morreu no Porto em 2006, aos 66 anos. Teve um percurso criativo variado e intenso, entre a escrita e as artes plásticas, até se fixar no Porto em 1973 onde fez uma importante parte da sua obra, influenciou  várias gerações enquanto leccionou sobre Estética na Escola de Belas Artes da cidade e fez uma tese de doutoramento sobre o surrealismo em Portugal, orientada por José-Augusto França. “No Tempo Todo” é o título da exposição sobre a obra de Álvaro Lapa, comissariada por  Miguel von Hafe Pérez, que percorre vários períodos da sua carreira, mostrando desenhos, pintura, objectos e originais da sua obra escrita. Em paralelo decorre uma série de iniciativas com debates, conferências, visitas guiadas, peças de teatro e projecções de filmes e documentários relacionados com a obra de Lapa. Ainda em Serralves destaque para  “O Céu É Um Grande Espaço”, da  italiana Marisa Metz, uma exposição organizada pelo Metropolitan Museum Of Art de Nova Iorque e o Hammer Museum de Los Angeles. Em Lisboa, na Fundação Arpad Szènes, está até 21 de Abril uma exposição de desenhos de Maria Lassnig, a mais importante pintora austríaca do século XX, sob o título “Ver não é tão importante como sentir”. E Em Madrid, de 17 a 25, decorre a ARCO, Feira Internacional de Arte Contemporânea, onde estarão presentes várias galerias e artistas portugueses e que tem como tema O Futuro.

 

image.png

OUVIR - Há muitos anos que sigo com atenção o que Miguel Esteves Cardoso escreve sobre música - nos seus vários géneros. Não me tenho arrependido e esta semana voltei a fazer uma boa descoberta graças a ele. Num dos seus mais recentes escritos Miguel Esteves Cardoso elogiava o disco de estreia dos Starcrawler, de quem eu nunca tinha ouvido falar. É uma banda originária de Los Angeles e a sua vocalista, Arrow de Wilde, tem um desempenho marcante. O disco foi editado pela Rough Trade, uma editora de boa memória que em tempos nos trouxe alguma da melhor música das últimas décadas do século passado. Graças ao Spotify descobri o disco e pude constatar como as observações escritas por MEC são certeiras. De facto os Starcrawler são uma lufada de ar fresco num tempo em que as bandas rock parecem bonecos de cera do museu de Madame Tussaud. Os Starcrawler praticam a insubordinação geral nesta desgraçada época de rock bem comportado para ser visto em mega-festivais e grandes pavilhões. Ouvido o disco constatei que as comparações com Stooges e Ramones não são desprovidas de sentido e que os elogios a Arrow de Wilde são bem merecidos. Se querem perceber o espírito da banda vejam o video de “Welcome To L.A. “ no YouTube - é uma das canções emblema da banda e o arranque do video é uma espécie de manifesto sobre o estado da nação - assim que a canção começa perceberão que isto é uma coisa a sério e que Arrow de Wilde tem uma marca tão forte quanto as guitarras dos seus companheiros. No YouTube podem ainda ver alguns videos da banda ao vivo - e embora o álbum seja uma revelação, as actuações ao vivo são ainda mais impressionantes. De caminho ouçam e vejam  “Let Her Be”, outro dos temas imperdíveis dos Starcrawler e descubram o single de estreia, “Ants”, não incluído no álbum.

 

PROVAR - Restaurantes há muitos, boas lojas de produtos italianos há muito poucas. Um local que conjugue as duas vertentes é uma raridade. Estou a falar do Fiammetta, que abriu recentemente em Campo de Ourique, na Rua Almeida e Sousa 20, quase a chegar à Ferreira Borges, pela mão de Ludovica Rocchi. No rés do chão está uma sala de restaurante sempre bastante concorrida e o balcão frigorífico com uma ampla escolha de queijos e carnes fumadas italianas. A sala do restaurante estava cheia, a apreciação da comida ficará para outro dia - mas massas frescas de várias variedades feitas diariamente são a principal matéria prima. Os encantos não terminam neste balcão - descendo à cave encontramos uma sala ampla com uma grande diversidade de produtos - desde vinhos italianos mais ou menos correntes até uma selecção de vinhos mais raros numa zona devidamente salvaguardada em termos de temperatura. Nas prateleiras encontramos massas de várias qualidades e formatos (alguns raros em Portugal como o maltagliati), biscoitos, molhos para bruschetta com diversos ingredientes como alcachofras com noz ou um delicioso de azeitonas com anchovas. Há também conservas de vegetais para aperitivo como beringela ou courgette com tomate e também aperitivos tradicionais como o Aperol ou a clássica cerveja italiana Peroni. Destaque ainda para os azeites simples ou temperados, para vinagres balsâmicos de qualidade e biscoitos tradicionais da Toscania, como um com pistácios e amêndoa. Fiametta, rua Almeida e Sousa 20.

 

DIXIT - “Quando se juntar a revolução tecnológica com a da biotecnologia haverá a possibilidade de rastrear os sentimentos, as decisões e as opiniões de cada ser humano. Não haverá segredos para as empresas que sucederão ao Facebook ou à Google. Ou a estas. Nem para a polícia.” - Fernando Sobral

 

GOSTO - Duas obras de Rui Chafes foram adquiridas pelo Museu Nacional de Arte Moderna de Paris e vão integrar a exposição da sua colecção permanente no Centro Pompidou, a partir de Outubro.

 

NÃO GOSTO - Da ideia da criação de novos impostos europeus.

 

BACK TO BASICS - “Quando uma pessoa é curiosa arranja sempre muitas coisas interessantes para fazer” - Walt Disney

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D