Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMG_0300.JPG

O REGIME É SURDO, CEGO E MUDO - Por muito complicada que seja a questão dos precários e várias outros assuntos que servem de moedas de troca reivindicativas, de natureza sindical ou do foro das batalhas de costumes politicamente correctos, é espantoso que as duas muletas da frente de esquerda, o Bloco e o PCP, não apontem claramente para os dois sectores que mais precisam de intervenção eficaz: a saúde, vítima de cativações e má gestão neste Governo, laboratório de medidas avulsas de perigosas consequência; e a justiça cuja situação se agrava de dia para dia, e que constitui um foco de descrédito do Estado e de penalizações e prejuízos imensos para os cidadãos. Se somarmos a isto a corrupção endémica no Estado  e o abuso de autoridade de um sistema fiscal que confisca de forma arbitrária, viola impune e descaradamente a privacidade individual e considera os cidadãos culpados até prova em contrário, temos mais dois temas a que nenhum dos partidos presentes no Parlamento dá mostras de querer encarar de frente. A coisa não vem de agora. Temas como os abusos das autoridade tributária ou a corrupção andam de mãos dadas e instalaram-se como fazendo parte do status quo permitido por todos os partidos que estão em S.Bento - esta complacência é o seu bilhete de entrada no hemiciclo. Na verdade o funcionamento e o financiamento capaz da saúde, a eficácia da Justiça, o fim do abuso de autoridade do fisco e o combate à corrupção do Estado são áreas bem mais importantes que devaneios sobre financiamento de partidos ineficazes ou a possibilidade de animais domésticos em restaurantes. Estamos conversados quando o sistema e o regime se preocupam com o acessório e desprezam o essencial.

 

SEMANADA - 84% dos alunos do ensino secundário profissional não seguem para o ensino superior; segundo o presidente da AICEP para que Portugal possa crescer as exportações têm de valer mais de 50% do PIB, quando hoje valem 43% ; o Ministro da Defesa não cumpriu o prazo que ele próprio estabeleceu para entregar um dossier sobre o roubo de material militar Tancos no Parlamento; segundo um organismo europeu Portugal não cumpriu as recomendações anticorrupção, sobretudo nos sectores parlamentar e judicial; os casamentos entre um homem português e uma mulher brasileira são os que menos duram nos matrimónios entre nacionalidades; uma organização internacional afirmou que Portugal é um dos países onde a autorização de residência a estrangeiros regista grande falta de rigor; dos quase 26 mil agregados com carências habitacionais graves, quatro mil pagam renda em casas do Estado; segundo as associações sindicais de polícias a redução de 55% de multas verificada em 2017 deve-se à insatisfação dos guardas; em 2017 os portugueses faltaram a quase dois milhões de consultas nos centros de saúde e hospitais por causa dos custos dos transportes e do preço das taxas moderadoras; já houve 18 quedas de arribas no Algarve desde o início do mau tempo; a frente do Palácio Nacional de Mafra foi interditada à circulação pedonal por risco de queda dos sinos.

 

ARCO DA VELHA - Rui Rio, certamente inspirado pela elevação dos acontecimentos no futebol, decidiu colocar na sua estrutura de governo sombra a Cultura ao lado do Desporto.

 

CAPA nova_africa-300dpi.jpg

FOLHEAR - A 4 de Fevereiro de 1961 e a 15 de Março de 1961 ocorreram em Luanda os primeiros ataques do MPLA e da UPA (União dos Povos de Angola), sinalizando o início da Guerra Colonial. João Céu e Silva, jornalista, conta no romance “Adeus, África” a guerra colonial em Angola desde esses primeiros momentos até que a 10 de Novembro de 1975 as últimas autoridades militares portuguesas abandonaram Luanda no paquete Niassa, horas antes da independência. O romance conta a história do atirador especial Afonso, que vigiava o embarque, e que acabou por não entrar no navio. Escondido durante 11 anos, Afonso sobreviveu à guerra civil de Angola, escondido até ser descoberto e repatriado. Um psiquiatra acompanha-o no regresso, disposto a descobrir a história deste soldado que ficou para trás do Império, esquecido, e que chega a Portugal em 1986, um país que lhe parece completamente estranho. Esta é a segunda edição de “Adeus África”, originalmente publicado em Abril de 2015 e que agora foi relançado. Sub titulado “A História do Soldado Esquecido”, este é o terceiro romance de João Céu e Silva, e aborda a epopeia nunca contada dos militares portuguesas que ficaram nos territórios ultramarinos depois da sua independência. Como disse Francisco José Viegas sobre este livro e a situação que ele aborda, esta á “a verdadeira bússola daqueles acontecimentos”.

 

image.png

VER -  Todos os anos a FNAC promove um prémio de fotografia e em 2017 o vencedor foi Luis Preto, agora exposto na FNAC Chiado, com o trabalho vencedor, “Maciço Antigo” (na imagem) , uma reflexão marcada por retratos intimistas e pelo desgaste da ação do tempo nas arquiteturas e nas populações de lugares isolados de Portugal. No Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva, em colaboração com a Fundação EDP, Pedro Gomes apresenta Urbe, até 27 de Maio. Na Travessa da Ermida Adriana Molder apresenta até 29 de Abril “Todas As Fotografias de Ford”. Na Garagem Sul do CCB a exposição de arquitectura “Paris Haussman - Modelo de Cidade”,  mostra o modelo urbano parisiense desenvolvido por Georges-Eugène Haussmann e que foi prefeito de Paris no final do século XIX, impulsionando  uma profunda remodelação da cidade. Na Sociedade Nacional de Belas Artes, até 29 de Março, uma mostra de fotografias a preto e branco da excelente colecção da sociedade de advogados PLMJ. Na Fundação Oriente, de dia 15 até ao início de até Junho, “Um Museu Do Outro Mundo”, uma intervenção que José de Guimarães concebeu especificamente para o local e que tem como ponto de partida o espólio do Museu, em articulação e diálogo com peças da colecção de arte chinesa do artista.

 

BRANCO_ALBUM_DIGITAL.jpg

OUVIR - Gosto de Cristina Branco por ela ser tão inesperada no panorama musical português, sobretudo naquele que nasceu e cresceu ligado ao fado. Cristina Branco aprendeu a tradição mas soube partir para outras paragens e criou o seu próprio espaço - a este nível é a única que se assemelha na presente geração aos grandes nomes que inovaram o Fado ao longo da segunda metade do século XX. Mas não ficou só por aí: ela é talvez o exemplo do que de melhor aconteceu na música popular portuguesa dos últimos anos, até porque teve a coragem de se associar a nomes de várias proveniências que lhe criaram um território musical único entre nós. Neste disco, produzido por Pedro Trigueiro, participam nomes como Luis Severo, Sérgio Godinho, Filipe Sambado, André Henriques, Filho da Mãe, Kalaf Epalanga, Mário Laginha, Luís Severo ou os ex-Ornatos Violeta Nuno Prata e Peixe. Cristina Branco é acompanhada por  Luís Figueiredo (piano e percussão), Bernardo Moreira (contrabaixo) e Bernardo Couto (guitarra portuguesa). Destaco em especial o trabalho de Luis Figueiredo e de Bernardo Couto, que leva a guitarra portuguesa para outros territórios, mostrando como é surpreendente quando se solta das amarras tradicionalistas. CD “Branco”, de Cristina Branco, Edição Universal.

 

PROVAR - Nos últimos anos surgiram dezenas e dezenas de restaurantes que se reclamam de sushi, a maior parte deles  constituindo um sério logro para os clientes (e às vezes uma perigo para a saúde pública). Mas desde 2007 há um restaurante nas Amoreiras que é um exemplo de bom serviço e qualidade num centro comercial. Trata-se do Sushi Café, onde o sushi é pontuado por influências de outras geografias para além da japonesa, embora a carta tenha uma oferta tradicional relevante. Mais importante que os novos e muitas vezes fugazes restaurantes é fundamental apreciar como amadurecem os existentes e como os seus responsáveis evoluem. Nesse aspecto o Sushi Café das Amoreiras é um exemplo - desde a gestão da sala, entregue à experiência de Miguel Morais, à lista criada e frequentemente actualizada pelo chef Daniel Rente. Uma das novidades da carta, muito bem sugerida aliás por Miguel Morais, é o Fish Wakame, que agrupa corvina, atum, salmão, robalo e carapau marinados em óleo de sésamo com um toque de azeite trufado, tudo envolvido em algas, sementes de papoila e um ovo de codorniz cru (que se parte e mistura por cima) Mais uma boa surpresa no Sushi Café Amoreiras.

 

DIXIT - “Para melhorar a qualidade da nossa democracia, e forçar o cartel partidário dominante a um qualquer sistema mais competitivo, temos certamente de mudar o sistema eleitoral” - Nuno Garoupa

 

GOSTO - Obras de Paula Rego estão incluídas na exposição “All Too Human - Bacon, Freud and a century of painting life”, na Tate Britain, em Londres.

 

NÃO GOSTO - A livraria Pó dos Livros, nas Avenidas Novas, em Lisboa vai encerrar - era uma exemplar livraria independente com um serviço excepcional aos clientes.

 

BACK TO BASICS - O principal sinal de corrupção que existe numa sociedade é a ideia de que os fins justificam os meios - Georges Bernanos



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05

IMG_0136.JPG

ABUSOS - De toda a  história da elaboração secreta das alterações à Lei de Financiamento partidário há um coisa que convém reter: os partidos envolvidos no caso vieram afirmar preto no branco que só agiram como se sabe porque a máquina fiscal abusa, porque a autoridade tributária actua de forma discricionária e arbitrária. Terá sido o desejo de corrigir tais abusos e actuações que levou à criação de uma extraordinária maioria que juntou PS, PSD, PCP, Verdes e Bloco de Esquerda, ineditamente de acordo numa reforma do sistema fiscal. O único problema é que se juntaram em proveito próprio e não, como se poderia desejar e imaginar, para, no Parlamento onde tudo decorreu, se juntarem para corrigir o funcionamento da Autoridade Tributária, acabar com os abusos e actuações arbitrárias para com os cidadãos contribuintes no seu todo. Nós os contribuintes, que nos queixamos do mesmo há anos e anos, apreciaríamos que os partidos e os deputados eleitos conseguissem obter idêntico consenso a nosso favor. Ainda por cima na votação estiveram todos os partidos que apoiam o Governo, mais o PSD que esteve em anteriores executivos. Devemos pois depreender que existe um consenso maioritário para proceder a uma reforma profunda do sistema que persegue contribuintes, a quem são retirados direitos, e que são vítimas de abusos - e os cidadãos e contribuintes individuais são muito mais indefesos que os partidos políticos. Espero que os senhores deputados, depois de se preocuparem com o próprio umbigo, resolvam olhar para o pais e acabar com as prepotências do Fisco. Está provado que o podem fazer, se quiserem, desde que promovam um debate aberto em vez de uma conspiração silenciosa. Este é o meu singelo desejo para 2018.

 

SEMANADA - O número de dirigentes no Estado aumentou 6,12% nos últimos dois anos, para um total de 11 559; em Junho de 2017 em cada 100 trabalhadores activos 12,8 eram funcionários públicos; em 2015 as administrações públicas gastaram 86,825 mil milhões de euros, ou seja o equivalente a 48,4% da economia portuguesa nesse ano; em junho de 2017 as remunerações das administrações públicas em Portugal representavam 11,1% do PIB, 1,1 pontos percentuais acima da média dos países da União Europeia; em 2016 o Ministério das Finanças concedeu benefícios fiscais a 35.500 entidades, de empresas a clubes de futebol, passando por  autarquias e fundações, no valor de 2,4 mil milhões de euros, um aumento de 32% face ao ano anterior;  segundo o estudo TGI da Marktest 3,3 milhões de portugueses têm cartão de pontos fornecido pelos postos de abastecimento e  este número corresponde a 51% dos indivíduos que compraram combustíveis nos últimos 12 meses; em 2017 venderam-se mais 19 mil veículos que no ano anterior, um crescimento de 7,7%; o sistema Multibanco bateu todos os recordes de levantamentos e compras no Natal de 2017- só a 23 de Dezembro registaram-se mais de um milhão de operações avaliadas em 37 milhões de euros; directores de estabelecimentos de ensino de diversas zonas do país afirmam que há escolas que não conseguem ter verba para manter aquecidas as salas de aula; Marcelo Rebelo de Sousa, na mensagem presidencial de Ano Novo, a que teve maior audiência televisiva de sempre, exigiu o mesmo empenho do Governo nas missões essenciais do Estado que nas finanças e na economia.

 

ARCO DA VELHA - A PSP do Entroncamento apreendeu 564 cuecas CR7 falsificadas e a auditoria da ERC ao cumprimento do contrato de serviço público pela RTP em 2016 só foi conhecida nos últimos dias de 2017.

 

O Vermelho e o Negro_CAPA_300dpi.jpg

FOLHEAR - Stendhal, um pseudónimo de Marie-Henri Beyle, nasceu no final do século XVIII, em 1830 publicou a sua obra prima, “Le Rouge Et le Noir”, “O Vermelho e o Negro” - sem que haja grande explicação para a escolha do título, além do facto de o autor gostar de fazer jogos de palavras com cores. Uma das teorias é que o vermelho pode querer evocar o exército e o negro o clero. Na sua edição original o romance tinha por subtítulo “Crónica do Século XIX”  e na realidade a obra é uma crónica da sociedade francesa na qual Stendhal retratou as ambições da sua época e as contradições de uma emergente sociedade de classes. “O Vermelho e o Negro”, ao introduzir numa narrativa muito directa a análise psicológica das personagens, lançou as bases para o desenvolvimento do romance moderno, influenciando muitos dos grandes autores, como Ernest Hemingway, que o considerava como um dos seus livros de eleição. “O Vermelho e o Negro” é a história de Julien Sorel, o ambicioso filho de um carpinteiro, de uma aldeia fictícia chamada Verrières, que tinha uma enorme admiração por Napoleão e pelos seus feitos militares. Sorel cedo se revela um alpinista social, trepando nas suas relações amorosas. Por recomendação do padre da aldeia torna-se perceptor dos filhos do “maire” e envolve-se com a sua mulher, o que dita o seu afastamento para Paris.  Aí cedo conquista a filha do nobre de quem é secretário, acabando por a engravidar. Mais não vou contar, mas o fim da história ainda está longe e mete política e ciúme pelo meio. Podem agora ter oportunidade de ler esta obra incontornável na colecção de clássicos da Guerra & Paz, numa magnífica tradução de Rui Santana Brito, finalizada por Helder Guégués.

 

image.png

VER -  Este ano aconselho-vos a dedicarem tempo a programarem uma visita a Londres, por forma  a conseguirem seguir algumas das magníficas exposições que ali vão decorrer. A mais aguardada de todas talvez seja a dedicada a Picasso, que irá ser apresentada na Tate Modern: “Picasso 1932 - Love, Fame & Tragedy” que abre em 8 de Março e encerra a 9 de Setembro. Trata-se da primeira exposição que a Tate dedica exclusivamente a Picasso e nela estarão cerca de uma centena de obras - pinturas, desenhos e esculturas, acompanhadas por fotografias que documentam a vida pessoal do artista num ano particularmente marcante da sua vida, quando conheceu a sua musa e amante Marie-Thérèse Walter - e vão estar expostos três retratos de Walter, apresentados juntos pela primeira vez desde que foram feitos em 1932. No Victoria & Albert, de 16 de Junho a 4 de Novembro, é apresentada a exposição “Frida Khalo: Making Her Self Up”. Na Tate Britain, de 28 de Fevereiro a 27 de Agosto, estará patente a exposição “All Too Human: Bacon, Freud and a Century of Painting Life”. Passando para outra cidade e aqui ao lado, no Reina Sofia, em Madrid, estará uma exposição dedicada a Fernando Pessoa R“Todo Arte Es Una Forma de Literartura”, de 7 de Fevereiro a 7 de Maio. E no Museo Nacional Thyssen - Bornemisza teremos “Victor Vasarely - The Birth Of Pop Art” entre 5 de Junho e 9 de Setembro e uma exposição dedicada a Monet e Boudin de 26 de Junho a 30 de Setembro.

image (1).png

OUVIR - “Hitchiker” é um tesouro escondido no baú das memórias que Neil Young tem vindo a revelar. A 11 de Agosto de 1976, numa só noite, Neil Young, sózinho em estúdio apenas com a sua guitarra, gravou dez canções , algumas das quais permaneceram inéditas até agora. A sessão de estúdio nunca havia sido editada, foi lançada no final de 2017 com produção, discreta e suficiente, de David Briggs. É uma prova do enorme talento de compositor e do retratista de uma América que observa há décadas. 1976 foi o ano do bicentenários dos Estados Unidos, em que Jimmy Carter derrotou Gerald Ford e se tornou presidente, foi o ano em que nasceu Reese Witherspoon, em que morreu Phil Ochs, em que os Eagles gravaram “Hotel California” e em que estreou o filme “Rocky”. Em vez de embarcar nas comemorações do bicentenário, Neil Young, então com 30 anos, decidiu contar episódios da História mostrando-os sem os branquear - são o tema de várias canções como “Pocahontas”, “Powderfinger”, “Ride My Llama” ou “Captain Kennedy”. Algumas das canções aqui incluídas na versão original foram depois gravadas com versões alteradas, sobretudo na letra, como “Campaigner”. E há também momentos intensamente íntimos, como a balada “Give Me Strength”, que é uma janela aberta sobre a sua própria vida na época ,ou o retrato que faz do que vê à sua volta na faixa título “Hitchiker”. Mais que um baú de tesouros este é um disco que mostra a essência do processo criativo de um dos maiores músicos do nosso tempo. CD Reprise, distribuição Warner.  


PROVAR - O restaurante Vela Latina nasceu em 1988 e durante várias décadas destacou-se pela sua cozinha, pelo serviço, pela garrafeira e, claro, pela localização junto à Torre de Belém. Em meados do ano passado sofreu obras profundas que alteraram todo o espaço, criaram um novo bar, um restaurante de inspiração entre a cozinha peruana e japonesa (o Nikkei) e, remoçaram a sala do clássico Vela Latina. A decoração foi muito melhorada, está muito mais luminoso, com a vista para a doca e o rio a ser mais aproveitada, com a criação de novos espaços num varandim e em esplanadas quando o tempo permite. A cozinha continua marcada pela gastronomia portuguesa e pela qualidade dos produtos. Aqui estão clássicos da Vela Latina como os rolinhos de linguados com gambas, os filetes de pescada com risotto de alcachofras e os fígados de aves sobre tarte de maçã, além do arroz de coentros com lagosta e do lavagante fresco com salada de espargos verdes. O cuidado na confecção permanece intocado, a garrafeira continua a ter boas opções para uma gama variada e razoável de preços. Alguns dos antigos empregados de sala continuam no seu posto, com um atendimentoexemplar. O bacalhau à braz passou a estar disponível todos os dias, volta e meia há vieiras braseadas e risotto de berbigão e salsa., Nas sobremesas as farófias continuam a  ser referências, assim como continua disponível a finíssima tarte de maçã com gelado de baunilha. A Vela Latina fica na Doca do Bom Sucesso, dispõe de ajuda ao estacionamento e o telefone é 21 3017118.

 

DIXIT - “No limite, até poderia, porventura, aventar-se a hipótese de inconstitucionalidade formal” - Jorge Miranda sobre o processo que levou à aprovação das alterações ao financiamento dos partidos na Assembleia da República.

 

GOSTO - O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, elogiou a “mensagem construtiva” que acompanha o veto do chefe de Estado à lei do financiamento dos partidos por não ceder ao discurso populista antiparlamentar e antipartidos

 

NÃO GOSTO - O PCP disse que a Lei do Financiamento dos Partidos, que reduz o IVA e aumenta os donativos políticos, está a ser alvo de uma “insidiosa campanha antidemocrática” de contornos populistas à qual o Presidente da República teria cedido.

 

BACK TO BASICS - “É absurdo dividir as pessoas em boas ou más; as pessoas ou são encantadoras ou são aborrecidas” - Oscar Wilde.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

SOBRE A IMPORTÂNCIA DA CURIOSIDADE

por falcao, em 17.11.17

 

IMG_2348.JPG

PARTIDOS  - Soube-se esta semana que dos 210.907 militantes do PSD apenas 28.739 (13,6%) têm as quotas em dia - condição necessária para poderem votar nas eleições directas de 13 de Janeiro. Estamos a falar de 12 euros por ano. No primeiro mês após o início da campanha interna para escolher, em eleições directas, quem será o líder, cerca de cinco mil militantes pagaram as suas quotas em atraso e a data limite para pôr as quotas em dia e poder votar nas Directas de Janeiro é dia 15 de Dezembro. A situação é um retrato do funcionamento dos partidos, mesmo quando têm um teórico número apreciável de militantes: a maioria está arredada da vida dos respectivos partidos, a participação política reduz-se a um pequeno núcleo central. Se fizermos bem as contas a quem está na Assembleia da República, em autarquias a diversos níveis e em orgãos internos, veremos que o total é uma parte significativa daqueles que têm as quotas em dia. Temos portanto duas figuras de relevo da política portuguesa a percorrer o país de lés a lés numa campanha eleitoral que tem um universo de votantes reduzido - e mesmo que, por milagre do destino e ajudas de duvidosa generosidade que se tornaram habituais nos aparelhos partidários, o número de militantes com capacidade eleitoral duplique em relação aos actuais, estaremos a falar de meia centena de milhar de pessoas. É a elas que caberá decidir quem será o líder da oposição. Quando as coisas chegam a este ponto alguma coisa está muito mal no sistema político e partidário - no fundo é um espelho do que se passa no país. O sistema que temos, a nível nacional e a nível partidário, levou a este paradoxo: é uma minoria que decide o futuro da maioria.

 

SEMANADA - Em Portugal estão em construção mais 80 hotéis, anunciou o Ministro da Economia; na via navegável do Douro há 60 operadores com 147 barcos, dos quais 20 são barcos-hotel; a zona do Douro espera atingir até ao final do ano o número recorde de um milhão de turistas;  as receitas do sector hoteleiro subiram 14% durante a época alta (Junho a Setembro), equivalente a 200 milhões, chegando aos 1688 milhões de euros; em Portugal são detectados mais de 200 novos casos de diabetes por dia; o Bastonário da Ordem dos Médicos afirmou que grande parte dos equipamentos e materiais do Serviço Nacional de Saúde está fora do prazo de validade; em Portugal 800 mil pessoas tomam calmantes todos os dias; segundo a Marktest um em cada dez portugueses utiliza regularmente anúncios on line; o Ministério Público recebeu entre 1 de Setembro de 2016 e 31 de Agosto deste ano 5965 denúncias de operações suspeitas de lavagem de dinheiro, um aumento de 22% face ao período anterior; este ano os bancos portugueses estão a emprestar uma média de 21,8 milhões de euros por dia para compra de habitação, um aumento de 42,7% em relação ao ano passado; na função público o salário médio está 500 euros acima do sector privado;  a União Europeia alertou Portugal para a “elevada proporção de empregos criados em setores com baixas qualificações e salários abaixo da média”.

 

ARCO DA VELHA - Uma técnica de acção educativa de Vila do Conde andava a abastecer detidos da cadeia de Paços de Ferreira com haxixe a 200 euros a grama, e cocaina e heroina a 500 euros a grama.

IMG_2365.jpg

 

FOLHEAR - O fascínio pelo Oriente continua a dominar as obras de Fernando Sobral, como aconteceu em “ Os segredos do Hidroavião “ ou em “ As jóias de Goa”. Agora, com “O Silêncio dos Céus” continua a escrever sobre mistérios, mas de forma mais introspectiva. Esta é uma história passada em Macau, em meados do século XIX, o relato de uma conspiração urdida por personagens locais de proveniências diversas e passados distintos. Muitas vezes Fernando Sobral coloca no discurso dos conspiradores frases que vão mostrando as suas próprias reflexões. Por exemplo, logo no início, recorda que “a vida não pertence a nada, excepto ao vento,  porque a nossa alma é o ar”. Um pouco mais à frente afirma que “a maior interrogação com que se defrontam os seres humanos é a existência do mal” e defende noutro passo que “para encontrar as grandes verdades da vida temos de passar pelo silêncio”. “A curiosidade é a minha estrela polar”, disse Fernando Sobral esta semana na apresentação do livro, em Lisboa. Ao ler qualquer dos seus livros percebe-se o cuidado colocado na investigação sobre os locais, seus usos e costumes. Aqui vai mais além e coloca-se dentro das questões que norteiam desde há muitos séculos o pensamento filosófico oriental. Partindo de uma história de conspiração, “O Silêncio dos Céus” depressa se torna numa viagem pelas tradições do oriente, onde a aventura faz parte da vida e se mistura com a luta pelo poder. “Alguém dizia que quando olhas demasiado para um abismo, este também olha para ti” - descubram porquê em “O Silêncio dos Céus”, de Fernando Sobral, edição Livros do Oriente.

image.png

VER - O destaque desta semana vai para a exposição colectiva que assinala os 25 anos de existência da Galeria Fernando Santos, no Porto, em boa parte responsável por se ter criado um pólo de arte na Rua Miguel Bombarda. Para assinalar o aniversário o galerista Fernando Santos mostra obras inéditas a  Pedro Cabrita Reis, Pedro Calapez (na imagem), João Louro, Priscilla Fernandes, Jorge Galindo, Nikias Skapinakis, Gerardo Burmester, António Olaio, além de obras pouco conhecidas de artistas como Alberto Carneiro e Álvaro Lapa. Até 5 de Janeiro. Em Coimbra não perca a sua bienal de arte contemporânea, “Ano Zero”, que com curadoria de Delfim Sardo apresenta obras de 34 artistas, 17 das quais feitas propositadamente para esta mostra e que estão em diversos locais da cidade. Outras sugestões: na Galeria Pedro Alfacinha (Rua de S. Mamede 25), “America”, um conjunto de seis novos trabalhos fotográficos de António Júlio Duarte. Na Galeria 111, Campo Grande, “História da Vida Privada”, um projeto de  Pedro Valdez Cardoso concebido, ao longo de um ano, especificamente para a esta galeria, reunindo um conjunto de mais de 100 obras, com peças inéditas, peças recentes e um conjunto de peças do arquivo do artista, as quais foram sendo realizadas ao longo de mais de 15 anos e nunca expostas, na sua grande maioria, anteriormente. Finalmente, no CCB Garagem Sul, um espaço dedicado à arquitectura, abriu esta semana “Neighbourhood”, sobre os pontos de encontro entre a arquitectura de Álvaro Siza e a de Aldo Rossi na forma de pensar a cidade.

IMG_2388.JPG

OUVIR - Basta ouvir “Conto de Fadas”, logo no início deste CD, para perceber como Aldina Duarte gosta de escrever, cantar e, fazendo as duas coisas, provocar e surpreender. Cantar um fado assim, o tradicional “”Fado Santa Luzia”,  acompanhada por uma caixinha de música é usar a heresia e viver o risco que faltam a tantas tentativas de fadistas de moda que andam por aí. Esta é a melhor coisa que se poderia fazer neste tempo de tradições copiadas e de falsas almas que fazem que cantam. Aldina Duarte chamou a este seu novo disco “Quando Se Ama Loucamente” e cada uma das letras que para ele escreveu é uma peça da explicação do que é o Amor. Aldina Duarte escreve como poucos outros fadistas e canta como muito poucas mulheres hoje em dia, em Portugal. Ouvi-la é uma lição de poesia. É muito curiosa a forma como  pegou em fados tradicionais e os recriou com novas letras - um desafio arriscado mas que funcionou bem como nestes versos: “Somos dois da mesma dança/ enlaçados na lembrança/ e perdidos no coração” . O disco assume-se como uma homenagem a Maria Gabriela Llansol, evocada num belíssimo texto de Hélia Correia que surge, no disco, ao lado de uma reprodução de um quadro de Pedro Cabrita Reis. E recordada, no final, pela voz de João Barrento, que diz as suas palavras. Este é um dos grandes discos portugueses do ano. CD Sony Music.


PROVAR - Situado nas Avenidas Novas, “O Funil” tem uma longa tradição que vem desde 1971. Há poucos anos, em 2014, foi totalmente remodelado e após um período inicial que se distinguiu, deixou cair a qualidade e o serviço. Há poucos meses passou para as mão de António Diogo, um profissional com vasta experiência na restauração e com um cuidado claro no serviço aos clientes. O bacalhau à Braz é um clássico que se tem mantido e que continua a ser uma referência segura e outra boa escolha são os filetes de peixe espada com arroz de lima. Os pratos do dia são normalmente abaixo dos 10 euros e os pratos da carta normal andam entre os 10 e 14 euros - e aí podemos encontrar alguns arrozes dignos de nota - nomeadamente o de vitela e cogumelos, o de polvo e o de garoupa e gambas. Nos petiscos da casa destaque para os pastéis de bacalhau. Na nova lista está por vezes uma novidade, trazida por António Diogo de aventuras anteriores, é o spaghetti a la forma - em que a massa acabada de cozer vai para dentro de um parmesão onde é envolvida, a quente, no queijo, ganhando todo o seu sabor. O vinho da casa é o Intensus, alentejano, que cumpre bem, sobretudo o tinto, e é servido a copo ou pequenos jarros Nas sobremesas o destaque vai para as farófias, bem feitas, à moda antiga, irresistíveis.  O restaurante destaca-se pela arte de bem receber, pela atenção dada aos clientes e tem como único ponto menos positivo o facto de por  vezes existir alguma demora. Av. Elias Garcia 82-A, tel. 210 968 912.

 

DIXIT - “Depois da centena de mortos, um país ardido, décadas de medidas políticas, dezenas de ministros, várias reformas estruturais, grupos de trabalho independentes e missões de estrutura, chegámos enfim à solução: caramba, o que nos faltava era uma empresa pública para a floresta” - Paulo Ferreira, no Facebook.

 

GOSTO - Marcelo Rebelo de Sousa voltou a sublinhar que os relatórios sobre o apuramento de responsabilidades nos casos da legionella e de Tancos devem ser tornados públicos.

 

NÃO GOSTO - Do esquema de corrupção nas messes da Força Aérea, que há uma década envolve 86 oficiais e empresários num esquema de sobrefacturação de fornecimentos.

 

BACK TO BASICS - “A melhor forma de prejudicar uma causa é defendê-la deliberadamente com argumentos falsos” - Friederich Nietzsche



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30

MILITÂNCIA, PARTIDOS & AUTÁRQUICAS

por falcao, em 14.07.17

IMG_1043.JPG

MILITÂNCIAS - As eleições locais eram supostas significar um momento de aproximação das pessoas com a política, nomeadamente através dos partidos, que são supostos serem a forma organizada de proporcionar a participação cívica dos cidadãos no governo da sociedade. Teoricamente os partidos reflectem as preocupações das pessoas, de acordo com o respectivo posicionamento ideológico analisam a realidade, propõem soluções e apresentam programas de acção que serão um guia para os seus eleitos. Agora digam-me lá: onde é que isto se passa? Onde é que estão escritas, em programa eleitoral, as profundas alterações a que Lisboa tem sido submetida nos últimos dois anos? Comportamentos partidários como os que assistimos - executar políticas não referendadas e abdicar de tomar posição - foram as duas linhas de acção das duas principais forças eleitas nas anteriores autárquicas, em Lisboa. Comportamentos assim são a semente do descrédito nos políticos e nos partidos e são um incentivo ao surgimento de candidaturas independentes. Mas, tudo indica que, ao contrário do que se passa no Porto, não existirá em Lisboa nenhum candidato independente. É pena porque com o desagrado de tantos votantes do PS e do PSD pelo comportamento dos candidatos destes partidos, Fernando Medina e Teresa Coelho, esta seria uma boa oportunidade para mudar de rumo. Lisboa vai continuar presa na teia dos aparelhos e interesses partidários, os seus habitantes relegados para segundo plano.

 

SEMANADA - O Presidente do Sindicato dos Profissionais de Polícia, António Ramos, diz que para manter a ordem pública é sempre necessário cometer excessos; este ano já foram detidos seis vezes mais incendiários que no ano passado; entre 2013 e 2016 morreram 89 pessoas na rede ferroviária e no ano passado registaram-se mais 31 por cento de acidentes mortais que em 2015; a polícia apreende seis armas de fogo por dia; o roubo de armas em Tancos proporcionou, segundo a Marktest, 152 notícias e 5 horas e meia de emissão nas estações de televisão; ainda segundo a Marktest, em Junho, António Costa, liderou o tempo de exposição televisiva, com 200 notícias que ocuparam 10 horas e 23 minutos;  Marcelo Rebelo de Sousa, foi segundo, com 188 notícias, num total de 9 horas e 49 minutos; na terceira posição ficou Constança Urbano de Sousa, com 53 notícias com o tempo total de 3 horas e 16 minutos; Pedro Passos Coelho foi quarto, tendo estado perante os ecrãs por 2 hora e 57 minutos, repartidos por 70 notícias;  Catarina Martins ocupou o quinto lugar, com 64 notícias de 2 horas e 30 minutos de duração; o tráfego nas auto-estradas regressou aos níveis pré-troika com uma média diária ponderada de 16.447 veículos a circular.

 

ARCO DA VELHA - O Presidente do Grupo Parlamentar do PSD, Luis Montenegro, já invocou “trabalho político” em pelo menos duas ocasiões em que faltou à Assembleia da República e foi assistir a jogos da selecção portuguesa no estrangeiro.

_opt_VOLUME1_CAPAS-UPLOAD_CAPAS_GRUPO_LEYA_TEXTO_E

FOLHEAR - Volta e meia o tema do populismo na política portuguesa volta à baila - nomeadamente porque aqui, ao contrário do que aconteceu em Itália, França, Espanha, Venezuela ou Estados Unidos, o fenómeno é quase irrelevante. Há quem diga que a geringonça desarticulou os putativos populistas, há quem diga que os proverbiais brandos costumes lusitanos são terreno pouco fértil para tais aventuras. O fenómeno do populismo tem criado novas forças políticas, tem influenciado eleições, proporcionado votações inesperadas. Jan-Werner Muller é Professor de Política na Universidade de Princeton e tem-se dedicado a estudar a evolução das ideias políticas. “O Que É O Populismo” é a sua mais recente obra, um original de 2016, agora editado em Portugal pela Texto. “Todos os populistas contrapõem “o povo” a uma elite corrupta e interesseira” - escreve o autor no prefácio, sublinhando: “o que realmente distingue um populista é a sua reivindicação de que ele e só ele representa o verdadeiro povo”. Em cerca de 100 páginas Muller analisa o discurso dos populistas, estuda como se comportam quando no poder, especula sobre as melhores formas de lidar com o fenómeno e culmina com aquilo a que chama “sete teses sobre o populismo” que só por si valem o livro. Leitura recomendadíssima para os tempos que correm.

 

crédito_Fernando Guerra. Richter Dahl Rocha & Ass

VER - A fotografia de arquitectura pode ser um postal ilustrado, sem graça, ou uma mera ilustração passiva do trabalho de arquitectos; ou então pode ser um olhar agudo e criativo sobre a própria obra arquitectónica - e é isso que o trabalho do fotógrafo Fernando Guerra mostra de forma clara (na imagem). O espaço “Garagem Sul” do CCB acolhe até 7 de Outubro a exposição “Raio X de Uma Prática Fotográfica”  que percorre a carreira de Fernando Guerra, um arquitecto que abdicou do estirador e passou a usar a máquina fotográfica. A formação em arquitectura influencia claramente a sua forma de ver e de se aproximar dos edifícios e do território. Fernando Guerra fotografa em todo o mundo, é requisitado por arquitectos internacionais e tem uma relação especial com alguns dos grandes nomes da arquitectura portuguesa. Luis Santiago Batista, o curador da exposição, destaca a capacidade de Fernando Guerra em comunicar visualmente com as pessoas, mesmo os leigos em matéria arquitectónica. Outras sugestões: no MAAT, na sala dos geradores e no Jardim do Campus Fundação EDP,  o artista chinês Bai Ming apresenta até 4 de Setembro cerca de duas centenas de peças de cerâmica, desenho e pintura apresentadas sob a designação “Branco e Azul”. Bai Ming é considerado um dos artistas que mais tem trabalhado a renovação da criação artística chinesa no campo da cerâmica, numa evidente reciclagem de uma tradição ancestral; finalmente na Galeria Principal da Gulbenkian, inserido na programação “Jardim de Verão”, é apresentada a interpretação que sete realizadores fazem, em filme, de obras de escultura - “The Very Impress Of The Object”, a partir de obras de diversos museus, desde o Museu do Louvre até museus de Paris a Roma, seguindo até Atenas, com passagens por Berlim, Munique e Londres.

bowie.png

OUVIR - Em 1974 David Bowie tinha 27 anos e fartou-se de Inglaterra. Rumou aos Estados Unidos, primeiro a Nova Iorque, depois para Los Angeles. No final de 73 e início de 74 tinha gravado o seu álbum glam-rock “Diamond Dogs”, onde as influências do funk e da soul music eram patentes. O álbum foi editado em Maio e a digressão baseada no disco atravessou os Estados Unidos ao longo de 1974 e prolongou-se por parte de  1975. No início de Setembro de 74, estava Portugal em brasa revolucionária, Bowie realizou uma série de concertos em Los Angeles, no Universal Amphiteatre e o concerto de dia 5 foi gravado e é agora publicado, 43 anos depois, sob o título “Cracked Actor”, o mesmo de um documentário da BBC, de 1975, sobre essa digressão. Os registos originais foram remisturados no final do ano passado por Tony Visconti, que tantas vezes trabalhou com Bowie. “Diamond Dogs” mostrava a visão de um mundo pós-apocalíptico e, aparentemente, o livro “1984”, de George Orwell, terá sido uma das inspirações desta fase da carreira de Bowie - o disco tem mesmo uma faixa com o nome do livro. A digressão de “Diamond Dogs” arrancou em Junho de 1984, teve uma produção inovadora e ambiciosa, nos cenários imponentes, no guarda roupa, no leque de músicos em palco. No duplo CD agora editado, “Cracked Actor”,  e que reproduz o concerto, é muito engraçado redescobrir a voz de Bowie, ao vivo,  ainda antes dos 30 anos. No primeiro CD está grande parte dos temas originais de “Diamond Dogs” e no segundo estão canções de referência da carreira de Bowie até aí, como”Space Oddity”, “The Jean Genie” ou “Rock’n’Roll Suicide” - além do tema título “Diamond Dogs”. O disco encerra com “John, I’m Only Dancing (Again)”, que só foi editado como single cinco anos depois destes concertos. Duplo CD distribuído em Portugal pela Warner.

 

PROVAR -   A ideia foi apresentada na edição portuguesa do programa de TV “Shark Tank” e um dos membros do júri, o empresário Marco Galinha, agarrou-a e está a ajudar os seus proponentes . A ideia baseia-se num dos produtos portugueses mais tradicionais, aqui apresentado de forma diferente:  solidificado em pasta para barrar - e que é verdadeiramente uma grande ideia. Sob o nome “Ideias & Requintes”, são apresentados azeite em spray, natural e temperado com alecrim, e embalagens de azeite solidificado para barrar, com sabor natural, com tomate e com oregãos. Se gosta de molhar o pão no azeite experimente barrar uma torrada com este azeite de barrar natural ou, noutros momentos, servir umas tapas com azeite com tomate ou com oregãos. Oriunda de Portalegre, a empresa tem os seus produtos no El Corte Ingles e ainda numa série de lojas gourmet, estando agora a negociar a sua presença em grandes superfícies. Pode ir acompanhando o seu trabalho através de facebook.com/ideiaserequintes. Todo o azeite utilizado pela marca Ideias & Requintes é Azeite Virgem Extra de categoria superior obtido unicamente por processos mecânicos, 100% natural sem qualquer aditivo. O Azeite Virgem Extra é obtido exclusivamente de azeitonas da variedade Galega proveniente de olivais tradicionais localizados no Parque Natural da Serra de São Mamede. Finalmente, e fora dos azeites, a empresa produz também chocolate negro com nozes e gengibre, com 71% de cacau. Todas as matérias primas utilizadas são obtidas através de métodos de produção biológicos.

 

DIXIT -  “O Governo fica tranquilo quando os chefes militares asseguram ao país a segurança das instalações militares” - António Costa, na sequência do roubo de armamento em Tancos.

 

GOSTO - A agência de publicidade portuguesa Partners, que tem trabalhado com a PT em Portugal, foi escolhida pela Altice para criar a campanha de lançamento da marca de telecomunicações nos Estados Unidos, protagonizada por Ronaldo.

 

NÃO GOSTO - O ano de 2017 apresenta, até ao dia 30 de junho, o quinto valor mais elevado em número de incêndios florestais e o valor mais elevado de área ardida desde 2007.

 

BACK TO BASICS -   “Mais vale ter menos, mas melhor” - Dieter Rams

 

 





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30

PARTIDOS OU PESSOAS?

por falcao, em 06.01.17

5B91DD10-A844-43B0-A11E-8B31C691F649.JPG

CIDADES - A edição de fim de ano da revista Time publicou um muito interessante artigo de Michael Bloomberg, ex-Mayor de Nova Iorque (onde deixou uma obra notável), sobre a importância das cidades. Ressalvando que existem diferenças óbvias entre os Estados Unidos e este nosso burgo, aqui deixo algumas ideias, tiradas do artigo, que me parecem boas pistas. Para Bloomberg a guerra entre partidos no poder central mata e polui as boas ideias e um debate honesto, que possa criar confiança entre representantes de várias organizações políticas - coisa se consegue alcançar com frequência a nível local. Segundo Bloomberg, em muitas cidades, autarcas empenhados em resolver problemas estão a ensaiar novas políticas, muitas vezes em parceria com empresas e com os cidadãos, em áreas como a educação, transportes e saúde, adiantando-se ao Estado central. “Quando as boas ideias funcionam numa cidade, elas espalham-se a nível regional” - sublinha.  A nível do governo das cidades há mais preocupação com questões ambientais ou com questões como a atracção de novos negócios, a dinamização da economia ou a construção de infraestruturas modernas. Sobretudo as cidades que progridem estão empenhadas na criação de comunidades que consigam captar habitantes, negócios e que sejam bons sítios para viver e trabalhar. “Para saber para onde vai o país não se guiem pela política nacional, envolvam-se a nível local, que é onde a acção verdadeiramente está” - diz Bloomberg. Lembrei-me disto e percebi como são tão grandes as diferenças entre os países: aqui, nas próximas autárquicas, o campeonato é para ver qual será o partido com maior número de Câmaras. A qualidade de vida das pessoas nem faz parte das preocupações, com raras excepções, entre as quais destaco Rui Moreira, no Porto, não por acaso um independente.

 

SEMANADA - António Domingues enviou um SMS a Mário Centeno lamentando o comportamento do Ministério das Finanças sobre o caso da CGD; Francisco Louçã pediu a nacionalização do Novo Banco; numa entrevista o Ministro das Finanças não excluíu a possibilidade de nacionalizar o Novo Banco; o PCP inicia campanha pela saída do Euro em Março; em 2016 as falências atingiram 30 pessoas por dia; na mensagem de Ano Novo o Presidente da República pediu ao primeiro Ministro mais estratégia e menos táctica; esta intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa foi a terceira mensagem presidencial menos vista desde 2006, com apenas 637,9 mil espectadores; em 2016 morreram 68 pessoas em acidentes envolvendo tractores; em 2016 mais de 500 militares da GNR percorreram 43.300 kms para entregar 285 orgãos utilizados em transplantes nos hospitais portugueses; Portugal é o quarto país com mais elevada taxa de doação de orgãos para transplante; em Portugal no ano passado nasceram mais sete bebés por dia que no ano anterior; doze universidades privadas encerraram nos últimos três anos; os resultados do estudo Bareme Internet indicam que quase dois milhões de portugueses preferem pesquisar online produtos que acabaram por comprar numa loja física; na votação promovida pela Porto Editora para  palavra do ano a vencedora foi “geringonça”.

 

ARCO DA VELHA - Maria Leal foi a figura mais pesquisada no Google em Portugal e o seu teledisco “Dialetos de Ternura” foi um dos mais vistos do ano no YouTube. Tino de Rans foi o segundo político mais pesquisado, logo atrás de Marcelo Rebelo de Sousa.

 

image (76).png

FOLHEAR - De há uns tempos a esta parte a National Geographic faz umas edições especiais, temáticas, que permitem obter uma série de informação, bem organizada, sobre temas às vezes inesperados. É o caso de uma das mais recentes, que tem por título “Matemáticos, Espiões e Piratas Informáticos” - um cocktail verdadeiramente explosivo. Com o rigor que é marca da National Geographic, ao longo de 144 páginas, desvendam-se histórias e segredos deste mundo fascinante. Destaque para os capítulos “A criptografia desde a Antiguidade até ao século XX”, “Máquinas de codificação” e “Um Futuro Quântico”. Vale a pena destacar o cuidado na edição de imagens - que recupera as tábuas de terracota da Baixa Mesopotâmia, tidas como o primeiro vestígio de expressão escrita e do uso de criptografia, ou ainda uma máquina de cifrar mensagens da altura da segunda grande guerra. E depois há curiosidades: o código de barras, tão vulgarizado, não é mais que um sistema de encriptação composto  de 13 dígitos e 30 barras negras. Esta edição especial da revista conta histórias tão divertidas como o código para senhoras do Kama Sutra ou a cifra de César, usada pelo grande Imperador romano. E, claro, mostra e explica a surpreendente máquina Enigma, criada em 1923 por um alemão e que foi utilizada durante a segunda grande guerra para todas as comunicações militares. Fascinante.

 

image (75).png

VER - George Eastman fundou a Kodak em 1888. A primeira fotografia havia sido feita em 1826 em França por Niépce e depois Daguerre evoluíu o processo até apresentar o daguerreótipo em 1839. Em 1888, nos Estados Unidos, em Rochester, George Eastman apresentava a Kodak, uma câmara fotográfica que incluía uma película que podia registar até 100 imagens e que, depois, era enviada para os laboratórios da firma para serem reveladas e impressas e devolvida carregada com novo rolo. Foi aí que a fotografia deixou de ser uma coisa quase de alquimista e passou a ser algo ao alcance de qualquer pessoa. Durante um século o nome Kodak foi sinónimo de fotografia, mas acabou por perder significado na era digital. Fabricou película, câmaras fotográficas e máquinas de filmar. As imagens mais icónicas do século XX foram, na maioria, registadas em  película fabricada pela Kodak e ao longo da sua vida George Eastman coleccionou centenas de milhar de fotografias, incluindo o arquivo de nomes como Daguerre, Lewis Hine, Edward Steichen ou Muybridge, entre muitos outros. Além de imagens o Eastman Museum, em Rochester, incorpora milhares de publicações e aparelhos. Há poucos dias a Kodak anunciou que uma enorme parte deste espólio estava disponível on line, prometendo que progressivamente serão adicionados novas peças a este museu digital, que pode ser visitado  em www.eastman.org/collections-online. Para já pode ver fotografias, máquinas e tecnologia e o legado pessoal de George Eastman e brevemente será possível também aceder a filmes da colecção.

intima.png

OUVIR - “A Íntima Fracção” foi originalmente um programa de rádio, criado em 1984 por Francisco Amaral na Antena 1. Depois esteve na TSF. com emissões diárias e semanais até 2003. A partir daí a sua vida tem sido essencialmente digital - em 2008 foi pioneiro dos podcast portugueses, através do site do semanário Expresso. Teve várias vidas, muitos prémios e continua a ser um dos podcasts mais procurados - é fácil encontrar por pesquisa no Google. Pensado como um programa de autor, é um marco na história da rádio, graças a uma selecção musical cuidada, coerente e dinâmica. Agora, sempre pelas mãos do seu autor,  Francisco Amaral, está no Spotify uma playlist da Íntima Fracção, com 44 canções e três horas de música de uma escolha absolutamente irrepreensível. Ali estão nomes como Brian Eno, Harold Budd, Holger Czukay, David Sylvian, Laurie Anderson, Cocteau Twins, Ryuichi Sakamoto, Durutti Column, Nick Cave. Mazzy Star, Eels, The Passions, mas também Nancy Sinatra, Charles Trenet, Elvis Presley ou Stacey Kent, entre outros. Além do Spotify, pode encontrar mais listas em http://intima.blogspot.pt/, onde Francisco Amaral vai continuando o seu trabalho de paixão pela música e onde a Íntima Fracção continua a viver 32 anos depois desta aventura ter começado.

 

PROVAR -  Estas linhas só serão úteis a quem gostar de comida indiana. Comecemos pela geografia: A costa do Malabar fica no litoral do sudoeste da Índia e é considerada a região mais húmida do sul do país. Aqui em Portugal, em Lisboa, Costa do Malabar é o nome de um restaurante junto à Alameda Afonso Henriques, do lado da Fonte Luminosa. Aquela zona, nomeadamente as transversais que vão dar à praça onde fica o Mercado de Arroios, as ruas Carlos Mardel e Rosa Damasceno, é hoje em dia uma espécie de sociedade das nações em termos gastronómicos. Ali se encontram exemplos da cozinha do Nepal, da Mongólia, de diversas regiões da China e da Índia e ainda bares de algumas geografias de leste. O Costa do Malabar fica na Rua Rosa Damasceno e é um bom exemplo do novo mundo que se pode descobrir em Lisboa. Numa recente incursão vieram para a mesa biriyani de borrego, biriyani de vegetais, madrasi de galinha e caril de camarão. O biriyani é o prato mais representativo da gastronomia da costa do Malabar, rico em especiarias e frutos secos, sem ser muito picante - e quer o de borrego quer o de vegetais revelaram-se boas surpresas e foram a melhor escolha da mesa. O serviço é simpático, a sala é agradável e bem colorida a evocar as cores da Índia. As doses são grandes, dois biriyani chegam bem para quatro pessoas - juntem-lhes bahjis de cebola (muito bons) e chamuças (de carne ou vegetais) e de certeza que ficam bem servidos. Na mesa ao lado era elogiado um caril de lentilhas e espinafre vermelho. Vinhos portugueses regulares a bom preço, classificação 3,9 em 5 no Zomato. Rua Rosa Damasceno 6A, telefone 210 932 433 ou 914 358 835.

 

DIXIT -  “O sistema de justiça continua lento e, por isso, pouco justo, a começar na garantia da transparência da política “ - Marcelo Rebelo de Sousa.

 

GOSTO - Da nova série “Sim,Chef”, uma bem conseguida adaptação de “The Kitchen” com humor e um notável trabalho de actores, com destaque para Miguel Guilherme. Às quartas na RTP1.

 

NÃO GOSTO - Da nova série “Ministério do Tempo”, fraca direcção de actores, diálogos forçados que acompanham mal uma viagem à História de Portugal. Às segundas na RTP1.

 

BACK TO BASICS - Não removas a mosca da testa do teu amigo com um machado - Provérbio chinês.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

OS SALTA POCINHAS

por falcao, em 25.06.13

Este romance dos candidatos autárquicos salta-pocinhas, que se apresentam como autarcas profissionais e querem passar de uma Câmara para outra independentemente do número de mandatos que levam no cartório, é um dos mais tristes episódios do nosso sistema político.

Mas não é só a situação em si que é caricata – quando o problema começou a surgir, aqui há uns meses, a Assembleia da República tinha tido oportunidade e tempo de corrigir ou esclarecer aquilo que houvesse a fazer em matéria legislativa, o que teria evitado o lavar de roupa suja entre tribunais e candidatos a que temos assistido. Deve aliás sublinhar-se que as maiores culpas de não se ter esclarecido esta situação no local competente, que era o Parlamento, vieram do PSD e do PS, que na altura sacudiram a água do capote e não quiseram pronunciar-se. O PS, previdentemente,  tem evitado apresentar candidatos salta-pocinhas mas o PSD não resistiu e, portanto, está cheio de problemas ainda por cima nas duas Câmaras politicamente mais significativas – Lisboa e Porto.

 

Eu, por princípio, sou contra a perpetuação de responsáveis de cargos políticos nos mesmos cargos e por isso até achei razoável que houvesse um limite de três mandatos. Acho uma cobardia política que, na altura devida, os deputados tenham fugido a pôr esta situação em pratos limpos – tanto mais que deixaram campo aberto para o que agora está a acontecer: face à mesma situação, vários tribunais decidem de maneira diferente e, nuns casos autorizam a candidatura de quem já tem três mandatos, noutros, não. Tudo isto contribui para desacreditar a política e os políticos, para confundir os eleitores – com eleições já marcadas não se saberá, de certeza certa, quem serão os candidatos em várias autarquias. Um triste espectáculo.

 

(Publicado no diário Metro de 25 de Junho)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33

E ISTO FOI COM MAIORIA ABSOLUTA...

por falcao, em 24.03.08

(publicado no diário «Meia Hora» de dia 19 de Março)


 


O grande problema do Primeiro Ministro é que as suas palavras coincidem muito pouco com as acções. Ele promete uma coisa e faz outra, estabelece uns objectivos e alcança resultados bem diferentes e estes três anos são prova disso. Daí não viria mal ao mundo se ele aceitasse a realidade e não quisesse convencer toda a gente que se vive no melhor dos mundos.


Peguemos nas reformas: a da saúde está adoentada e não se sabe ainda o diagnóstico, a educação começa a ser duvidosa, a da diminuição da administração pública já se percebeu que apenas existe de forma muito marginal, a da justiça é por enquanto apenas um novo mapa judiciário. O Governo até pode ter vontade reformista, mas na realidade não tem conseguido concretizar reformas e obter resultados em questões como a criação de emprego.


Já repararam no que os cidadãos têm dado? -  pagam mais impostos, têm diminuições nos sistemas sociais que existiam, vêem o poder de compra a baixar, sentem que Portugal se atrasa em relação à maioria dos outros países europeus. E, em troca que recebem?


Quando vão corridos três quartos do mandato deste Governo, a contabilidade do deve e haver não é favorável aos cidadãos. E isto passa-se, note-se, numa situação em que o eleitorado deu a um partido uma maioria absoluta, baseado em promessas e num programa eleitoral que tem sido cumprido de forma muito diminuta. A maioria absoluta foi pedida- e ganha – em nome da capacidade de fazer obra. A realidade é que a obra feita é insuficiente para o que foi prometido.


Mas enquanto o cumprimento das promessas eleitorais é insuficiente, o aumento do poder do Estado sobre os cidadãos é grande, as atitudes autoritárias tornaram-se mais frequentes, a forma como o fisco abusa dos seus poderes generalizou-se, e o Estado dá sinas de se querer começar a intrometer em questões do foro privado.


O quadro geral mostra que a maioria absoluta não resolveu os problemas, mas serviu para evitar debates e para fugir a preparar medidas de forma mais cuidada. O grande problema de José Sócrates é que tem um estilo autoritário, em vez de conseguir ganhar autoridade pelo acerto das posições que toma. Por isso, mais vale que a maioria absoluta não se repita. Esse é o único balanço que consigo fazer dos três anos deste Governo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D