Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por falcao, em 23.02.08
MAU - Três anos após ter iniciado funções, a linha política oficial do Governo é agora definida por quatro palavras: «Sacudir água do capote». Foi esta a linha seguida, com humor negro, pelo Ministro do Ambiente a propósito das cheias; e foi esta a linha seguida pelo Primeiro Ministro durante a entrevista à SIC em que retratou um país cheio de maravilhas e um Governo cheio de eficácia.

PÉSSIMO - Uma empresa adquire um andar num prédio de escritórios, no centro de Lisboa. Na fachada do prédio existem já três anúncios luminosos de outras tantas empresas que lá estavam instaladas. A empresa que chega pede para instalar logotipo, de tamanho idêntico e em localização equivalente, no seu andar. Um organismo da Câmara Municipal de Lisboa, o Departamento de Gestão do Espaço Público, autoriza e diz que está tudo conforme à Lei e sublinha que o edifício não está localizado em zona especial de protecção. Uma obscura comissão de publicidade exterior (que me dizem perseguir o comércio e as actividades económicas da cidade), indeferiu o pedido alegando que prejudicaria o conceito arquitectónico da fachada (que ignora já lá existirem outros placards luminosos) e provocando um despacho desfavorável. Quem se entende numa terra destas? Será que António Costa acha bem este tipo de coisas? Quem integra e como é escolhida esta extraordinária Comissão? Será verdade que as suas respostas são sempre «chapa cinco» no sentido de indeferir? Existem estatísticas sobre as suas avaliações? É o seu trabalho fiscalizado por alguém?

O MUNDO AO CONTRÁRIO - No «Correio da Manhã» de terça-feira passada uma pequena notícia que retrata o estado a que chegou a defesa do património: um castelo, erguido pelo pai de D. Nuno Álvares Pereira, está encerrado há cerca de dois anos por falta de condições de segurança. O castelo de Amieira do Tejo, concelho de Nisa, foi erguido no século XIV e fazia parte da Linha do Tejo, uma linha de defesa da fronteira. Em declarações ao jornal o responsável pela Direcção Regional da Cultura do Alentejo reconheceu não dispor de verbas para as obras. Para que servem existir organismos e funcionários se depois não têm dinheiro para concretizar o objectivo da sua existência?

OBSERVAR – A nova rubrica, mensal, do programa «Imagens de Marca», da SIC Notícias, dedicado às marcas de Portugal e assegurado por Carlos Coelho. Se quiserem espreitem o primeiro, dedicado à Nazaré, em
http://imagensdemarca.sapo.pt/opinioes/detalhes.php?id=465 .

COMPRAR – Se precisa, à última da hora, de qualquer coisa para levar para casa dos amigos que o convidaram para jantar., tem um novo sítio em Lisboa: «República das Flores», onde Frederico Oliveira lhe propõe belos objectos, flores cuidadas, doces delicados como os rebuçados de Portalegre, várias marcas de champagne e os delicados produtos de cosmética da Abahna. E, se quiserem, ainda podem saber informações dos caterings possíveis de organizar quando decidir retribuir o jantar em sua própria casa. Rua do Alecrim 99.

VER – Quando temos alguém que nos conta as boas experiências que viveu, a coisa fica mais fácil. Já tinha ouvido falar da invulgar interpretação da soprano Anna Netrebko na sua estreia absoluta no Metropolitan, de Nova Iorque, em final de 2006, no papel de Elvira, na cena da loucura da ópera «I Puritani», de Bellini. Agora todos podem partilhar esse momento garças a um DVD da Deutsche Grammophon, feito em colaboração com o Met, e que regista essa estreia, dirigida pelo maestro Patrick Summers. Disponível na FNAC, distribuição Universal

OUVIR – Há uns anos, quando ficou difícil fazer publicidade a tabaco, a marca francesa de cigarros «Gitanes» resolveu lançar uma colecção de discos de jazz, grande parte dos quais compilações. Paris, já se sabe, atraiu uma multidão de músicos de jazz norte-americanos no pós guerra e muitos deles homenagearam a cidade com belas composições e inspiraram músicos franceses. A «Gitanes» decidiu agora escolher 50 temas que falam de Paris e organizou uma compilação sob a forma de triplo LP e que inclui pérolas de músicos como Michel Legrand, Quincy Jones, Sacha Distel, Max Roach, Memphis Slim, Miles Davis e Eddie Barclay, entre outros. É uma bela banda sonora para um serão tranquilo.

LER – Em matéria de leituras, um dos meus gostos recai em livros sobre História. E, destes, gosto dos que contam pequenos episódios, aparentemente marginais, de certa forma as pequenas histórias que fazem a História. João Amaral, jornalista e jurista, actual director editorial da Leya, passou anos a pesquisar a história das ligações entre o Governo de Salazar e o episódio do casamento, em plena II Grande Guerra, do Duque de Bragança com uma princesa brasileira. O resultado é um livro cativante, muito bem documentado, construído como uma aventura, cativante do princípio ao fim, cheio de revelações sobre os bastidores do poder de Salazar, sobre a sua forma de agir, sobre as conspirações e a pequena política da época. Uma história irresistível contada em 130 páginas. Edição Tribuna.

BACK TO BASICS – A História não é mais que uma sucessão de crimes e patifarias, Voltaire.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:41


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D