Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMG_2929.JPG

O ESTADO FALHOU  - Esta é a frase que sintetiza o ano que passou. Por mais que António Costa insista em clamar que só tem êxitos, a realidade mostra o contrário sobre o funcionamento do Estado: falhas nos comboios e em outros transportes, na protecção civil, na coordenação de serviços públicos, nos hospitais, em escolas, na justiça, na segurança, no Parlamento, nos disparates dos novos ministros da saúde e da cultura, nos numerosos casos de cativações que impedem serviços aos cidadãos que os pagaram nos impostos, impostos desviados para folhas salariais em vez de serem aplicados a garantir meios para que mortes sejam evitadas. António Costa vai entrar em 2019 em plena campanha eleitoral para as duas eleições (europeias e legislativas) do próximo ano sem querer  ouvir falar de Tancos e de Borba - dois exemplos do que vai muito mal no Estado a todos os níveis. O líder do PS encontrou uma caixa cheia de guloseimas quando chegou a S. Bento. Tem vindo a dar cabo delas e a deixar apenas os seus invólucros espalhados por onde passa. Da sua governação pode dizer-se que gastou onde não devia e poupou onde não podia.

 

SEMANADA - Em 2016 Portugal ocupava o 14º lugar europeu no PIB per capita, passou a 15º lugar em 2017 e a 16º em 2018; o Banco de Portugal reviu em baixa a previsão do crescimento do PIB este ano; no mês de Outubro os bancos concederam 640 milhões em empréstimos ao consumo; mais de metade do crédito ao consumo já é contratado diretamente nas lojas onde se fazem as compras;  Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que no caso das operações de busca ao helicóptero do INEM “o Estado falhou”; Nuno Sá, deputado do PS, apagou a página do Facebook onde existiam videos e fotografias da sua campanha eleitoral em Famalicão, no dia 12 de Junho de 2017, a mesma data em que foi dado como presente no Parlamento; este ano já se registaram 173 greves na função pública; o turismo já representa 7,5% da economia e em 2019 deverão abrir 69 novos hotéis em Portugal; Lisboa duplicou a taxa turística para dois euros por noite, mesmo para residentes da cidade que precisem de pernoitar num hotel da capital; o diretor de material circulante da CP foi exonerado depois de ter discordado de uma decisão da administração da empresa que , na sua opinião, podia pôr em causa a segurança dos passageiros; o Presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público acusou o poder político de querer impedir o combate à corrupção.

 

SÓ PARA RECORDAR - Este ano Pacheco Pereira esteve do lado de Rui Rio na eleição para líder do PSD e do lado da Presidente do Conselho de Administração de Serralves no caso da interferência na exposição de Robert Mapplethorpe.

 

IMG_2958.jpg

LER AS BARRAGENS  - Em 2006 a EDP deu início ao projecto Arte e Arquitectura nas Barragens, um iniciativa que até agora envolveu o trabalho de José Rodrigues, Álvaro Siza Vieira, Eduardo Souto Moura, Graça Morais, João Louro, José Pedro Croft, Pedro Calapez, Pedro Cabrita Reis, Rui Chafes e Vihls. “Sobre A Paisagem - Arte nas Barragens Portuguesas” é o livro-álbum agora publicado pela editora AMAG e pela EDP e que recolhe  o trabalho fotográfico que André Cepeda foi fazendo sobre a relação entre as barragens, as obras dos artistas e a paisagem. No texto de introdução António Mexia sublinha a importância da intervenção artística nas barragens num país “onde os projectos de arte pública são escassos” e sublinha que “as regiões envolvidas ficam dotadas de um conjunto de artistas conceituados, visitáveis por todos” - no caso nas barragens da Venda Nova, Caniçada, Picote II, Bemposta, Baixo Sabor, Foz Tua e Alqueva. Aurora Carapinha aborda a necessidade da paisagem num texto acompanhado por fotografias de Duarte Belo. Isabel Lucas escreve sobre “A Paisagem É O Grande Acontecimento” onde, pelo meio de conversas com os vários artistas que realizaram obras nas barragens aborda questões como o que distingue a criação para o que é arte pública e para as galerias e como pode uma obra de arte viver numa dimensão tão grande como é a de uma barragem. Já perto do final surge um ensaio de Francesco Careri sobre a obra de Robert Smithson, um artista norte-americano que foi pioneiro na criação de ligações entre a arte e a paisagem e um texto contextualizador dos coordenadores da obra, Nuno Crespo e Luísa Salvador. O livro termina com um portfolio de André Cepeda onde ele próprio faz a interpretação das obras e da sua localização, para além da simples evocação documental.

 

IMG_0934.jpg

O ESTADO DA ARTE  - Colocar uma instituição no mapa demora tempo, colocá-la à beira do precipício é coisa rápida: este é o retrato do que aconteceu a Serralves este ano. De Museu de referência pela originalidade das propostas apresentadas foi capturado pelo síndrome de treinador de bancada que percorreu a Administração da Fundação e que a levou a querer mandar e interferir na programação artística. João Ribas, Director Artístico, foi ultrapassado pela Presidente do Conselho de Administração, Ana Pinho. O Director Artístico saíu, e como na cultura o crime compensa cada vez mais, Ana Pinho foi reconduzida atendendo aos serviços prestados na destruição da reputação de Serralves. Este foi talvez o caso mais mediático do ano na área das exposições. No pólo oposto, pelo bom trabalho desenvolvido, destaca-se a actividade da Gulbenkian, nomeadamente a forma como a sua Directora, Penelope Curtis, tem vindo a trabalhar a colecção da instituição, explorando-a e cruzando-a de forma imaginativa - como sucedeu com a exposição “Pós-Pop - Fora do Lugar Comum” (na imagem) e, mais recentemente, “Arte e Arquitectura entre Lisboa e Bagdade” que relembra a exposição levada ao Iraque em 1966 e que incluía nomes como Nuno de Siqueira, Artur Bual, Luís Demée, João Vieira Ângelo de Sousa, José Escada, René Bertholo e Júlio Pomar, entre outros, naquele que foi o núcleo inicial da Colecção desenvolvida pela Fundação Gulbenkian. Finalmente, no MAAT, destaque para apresentação, no Porto primeiro e em Lisboa depois, da colecção Cabrita Reis - “Germinal - O Núcleo Cabrita Reis na Colecção de Arte Fundação EDP”, que pode ainda ser vista até dia 31.

 

image (3).png

TEMPOS MODERNOS - Há uns anos os discos gravados ao vivo eram editados um tempo depois das digressões em que  tinham sido gravados. Este ano Springsteen deu o sinal da mudança, na realidade um sinal dos tempos: o seu “Springsteen On Broadway”  foi lançado na mesma semana em que a temporada na Broadway terminou e praticamente em simultâneo no Spotify e na Netflix - na Netflix foi disponibilizado cinco horas depois de terminada a derradeira actuação na Broadway. O resultado é um registo de cerca de duas horas e meia  com 35 das suas mais conhecidas canções. Mas não é só um registo de canções - todas em versão acústica, Springsteen sozinho no palco com a sua guitarra e às vezes ao piano, intercalando entre as canções a história da sua vida - desde as primeiras memórias, às lições de guitarra, passando pela cidade onde cresceu (My Hometown), o dia-a-dia familiar, os músicos com quem tocou, as suas primeiras actuações e, claro, o momento em que se tornou um nome incontornável da música popular e do rock há quatro décadas. “I am here to provide a proof of life” - diz ele logo no início das actuações que fez durante 236 dias, ao longo do último ano, até ao sábado passado, no pequeno teatro Walter Kerr, da Broadway com uma lotação de apenas 960 lugares, permanentemente esgotados.  Graças à Netflix é possível ver além do que se ouve no Spotify - um concerto íntimo, uma actuação forte e emotiva. Toda a actuação estava escrita como um argumento, que Springsteen repetiu noite após noite e se isto pode parecer o caminho para a rotina, desenganem-se: não só na interpretação das canções, mas também na forma como contou a sua vida, the Boss mostrou uma capacidade de ligação com o público como acontece nas peças de teatro da Broadway que se repetem noite após noite, na mesma encenação. Os grandes actores vencem a rotina. Além de músico, Springsteen provou ser um actor a representar o seu próprio papel, com uma enorme simplicidade mas também convicção: “That’s how good I am” - dizia ele todas as noites. Esta forma de fazer e registar a música é o acontecimento editorial do ano.

 

INTRAGÁVEIS -  Na restauração lisboeta há uma espécie de triângulo das Bermudas onde desaparece o bom senso e a arte da culinária. As pontas do triângulo são o Princípe Real, o Largo da Misericórdia e o Largo de Camões. Aqui se concentram os restaurantes surgidos da caça ao turista -  pouco cuidado na cozinha, serviço displicente, desprezo pelos clientes nacionais e preços abusivos para a qualidade geral final. Basta passear nesta zona e noutra sua concorrente, na Baixa, na Rua Augusta e suas perpendiculares, para perceber que se perdeu a arte do petisco e cresceu a arte do engano. A maioria destes novos restaurantes importa-se mais com a comunicação do que com a qualidade e o serviço. Muitas das boas tascas que existiam nestas zonas foram sendo substituídas por manjedouras repetitivas e, nos casos em que o nome do local não mudou, tudo o resto foi modificado. Hoje em dia trabalha-se mais para o conceito e o cenário do que para a substância - muitos dos novos restaurantes surgidos nos últimos meses mostram isso e mesmo algumas das boas referências na restauração moderna lisboeta que fez uma época dão sinais de quebra de qualidade. Eu por mim dedico-me sobretudo a procurar boas descobertas em cozinhas étnicas que vão surgindo e em localizar e guardar quem pratica a boa arte da cozinha portuguesa. A propósito recomendo que sigam o blogue “O Homem Que Comia Tudo”, de Ricardo Dias Felner, onde se dão sugestões de confiança nestas áreas.

 

DIXIT - “O Natal, para mim, começa por ser um cuidado com os outros” - Gisela João, fadista.

 

Best Lover_ Tiago Alexandre.jpeg

 

BOLSA DE VALORES - Em 2018 várias novas galerias de artes plásticas destacaram-se e a Balcony (Rua Coronel Bento Roma 12 A) foi uma delas. Aqui está uma obra de Tiago Alexandre, Spread #16, que integrou a  sua exposição ”Words Don’t Come Easy” e que está à venda por  3.750 euros (IVA não incluido). A técnica é barra de óleo sobre papel e mede 220 x 150 cm.

 

BACK TO BASICS - “Para o Pai Natal conseguir sempre saber onde estás, se te portas bem ou mal, se estás acordado ou a dormir, deve ser de certeza dos serviços de informação” - David Letterman

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00

IMG_0449.JPG

PARADOXOS - O português é uma das línguas mais faladas do mundo (a sétima, na realidade), mas a nossa pegada audiovisual é praticamente inexistente. Isto é um paradoxo e tem a ver com o crónico desfasamento entre uma política viva da língua e as formas de expressão e comunicação contemporâneas. É no som e na imagem - e nas suas correspondências de distribuição e difusão no mundo digital - que hoje em dia se joga a sobrevivência dos idiomas e da cultura. Num altura em que o Reina Sofia em Madrid evoca Pessoa e os seus contemporâneos, em que em Paris obras de Rui Chafes são escolhidas para o Pompidou, em que o filme “Fátima”, de João Canijo, esgotou no início de janeiro as duas sessões públicas no Festival de cinema de Roterdão, é paradoxal ver como continua a não existir uma política cruzada e persistente entre o Instituto do Cinema e Audiovisual e o operador de serviço público de televisão com especial enfoque na produção de séries de ficção e de documentários que possam ter apelo global, percorrendo a obra de criadores portuguesas das mais diversas áreas. O problema não é de falta de talento nem apenas de falta de recursos - é sobretudo de falta uma estratégia continuada e persistente, de incapacidade de decisão política e de uma gestão facilitista dos recursos existentes, que são canalizados para conteúdos que se esgotam rapidamente em vez de produções que perdurem e constituam património audiovisual para o futuro. Numa altura em que está à porta a renegociação dos direitos de transmissão de provas internacionais de futebol será curioso ver se a RTP investe de novo na compra desses direitos ou se consagra esforços orçamentais para iniciar um novo caminho na produção audiovisual.

 

SEMANADA - A receita global fiscal do Estado aumentou dois mil milhões de euros em 2017; a única receita fiscal que caíu no ano passado foi o imposto sobre o tabaco; em 2017 foram distribuídos 4,8 milhões de preservativos em Portugal pelos serviços de saúde; uma em cada dez vítimas de violência no namoro sofreu ameaças de morte e 70% dos jovens consideram normal actos violentos no namoro; aumentou o número de queixas por atrasos nas consultas de oncologia em todo o país; quase dez por cento das refeições servidas nas universidades são vegetarianas; em 2017 o INEM recebeu 1,3 milhões de chamadas telefónicas com pedidos de socorro; até agora estão por cumprir seis dos oito objectivos a que Portugal se comprometeu com a Comunidade Europeia até 2020, entre os quais se destacam deficiências na área da investigação e persistência do abandono escolar; o plano ferroviário apresentado pelo Governo há dois anos só avançou em 79 quilómetros de um total de 528 que já deviam estar em obras; o rendimento das famílias portuguesas ainda está abaixo dos níveis de 2008; a Torre dos Clérigos no Porto recebeu cerca de 666 mil visitantes em 2017, cerca de mais 40 mil que no ano anterior; no ano passado os hotéis portugueses receberam 20,6 milhões de hóspedes, um aumento de 8,9% em relação ao ano anterior;  segundo a Marktest o número de portugueses que afirmou ter adquirido online serviços de viagens e alojamento é hoje mais de 3 vezes superior ao observado em 2010.  

 

ARCO DA VELHA - Estima-se que em Portugal existam mais de um milhão de armas de fogo em situação ilegal, apesar de serem apreendidas dezenas de milhar por ano.

 

IMG_0436.jpg

FOLHEAR -  Gosto de passar horas em livrarias e acho que os alfarrabistas são como um jardim encantado onde se vão descobrindo espécies  raras. Quase sempre há neles pessoas conhecedoras do que têm em casa, entendidos em livros e autores, disponíveis para uma conversa. Luís Gomes é uma dessas pessoas e dirige a Artes & Letras, um alfarrabista que saíu do Largo da Misericórdia para as Avenidas Novas. Ali há um confortável sofá para visitantes, bem perto da mesa onde Luis Gomes trabalha e que é um convite a uma conversa ou a folhear uma obra. Vou citar um texto com que há dias me cruzei ao pesquisar informação sobre esta casa: Um livro é sempre uma caixa de ferramentas. Há livros para tratar das plantas, há livros para ensinar a conduzir um carro, há livros para viajar pelo mundo fora, há livros para mostrar como se vive em sociedade, há livros para conhecermos as naus, os piratas, as aventuras dos mares e as ilhas dos tesouros, há livros para adormecer e histórias para levar as crianças a comerem a sopa.” Aqui, na Artes & Letras, encontram-se dessas caixas de ferramentas - além de cartazes, mapas e de uma peça magnífica, logo à entrada, bem visível da rua, pela montra larga - um imponente cavalo negro, que na realidade é um candeeiro - uma peça contemporânea criada pelas designers suecas da Front, comercializada pela Moooi, e que faz um provocador contraste com o resto do local. Já agora, para quem gosta de tipografia antiga, a Artes & Letras está também ligada a um atelier de tipografia que trabalha ainda com composição em chumbo e que fica na Rua dos Poiais de S. Bento, 90. O alfarrabista Artes & Letras fica na Rua Elias Garcia 153. E é uma perdição. Tem muito que folhear.

 

Serralves Álvaro Lapa 0189 Campéstico (1).jpg

VER - A mais importante exposição que neste momento está patente em Portugal é a retrospectiva de Álvaro Lapa, que agrupa 290 obras e que pode ser vista em Serralves até 20 de Maio. Lapa nasceu em Évora em 1939 e morreu no Porto em 2006, aos 66 anos. Teve um percurso criativo variado e intenso, entre a escrita e as artes plásticas, até se fixar no Porto em 1973 onde fez uma importante parte da sua obra, influenciou  várias gerações enquanto leccionou sobre Estética na Escola de Belas Artes da cidade e fez uma tese de doutoramento sobre o surrealismo em Portugal, orientada por José-Augusto França. “No Tempo Todo” é o título da exposição sobre a obra de Álvaro Lapa, comissariada por  Miguel von Hafe Pérez, que percorre vários períodos da sua carreira, mostrando desenhos, pintura, objectos e originais da sua obra escrita. Em paralelo decorre uma série de iniciativas com debates, conferências, visitas guiadas, peças de teatro e projecções de filmes e documentários relacionados com a obra de Lapa. Ainda em Serralves destaque para  “O Céu É Um Grande Espaço”, da  italiana Marisa Metz, uma exposição organizada pelo Metropolitan Museum Of Art de Nova Iorque e o Hammer Museum de Los Angeles. Em Lisboa, na Fundação Arpad Szènes, está até 21 de Abril uma exposição de desenhos de Maria Lassnig, a mais importante pintora austríaca do século XX, sob o título “Ver não é tão importante como sentir”. E Em Madrid, de 17 a 25, decorre a ARCO, Feira Internacional de Arte Contemporânea, onde estarão presentes várias galerias e artistas portugueses e que tem como tema O Futuro.

 

image.png

OUVIR - Há muitos anos que sigo com atenção o que Miguel Esteves Cardoso escreve sobre música - nos seus vários géneros. Não me tenho arrependido e esta semana voltei a fazer uma boa descoberta graças a ele. Num dos seus mais recentes escritos Miguel Esteves Cardoso elogiava o disco de estreia dos Starcrawler, de quem eu nunca tinha ouvido falar. É uma banda originária de Los Angeles e a sua vocalista, Arrow de Wilde, tem um desempenho marcante. O disco foi editado pela Rough Trade, uma editora de boa memória que em tempos nos trouxe alguma da melhor música das últimas décadas do século passado. Graças ao Spotify descobri o disco e pude constatar como as observações escritas por MEC são certeiras. De facto os Starcrawler são uma lufada de ar fresco num tempo em que as bandas rock parecem bonecos de cera do museu de Madame Tussaud. Os Starcrawler praticam a insubordinação geral nesta desgraçada época de rock bem comportado para ser visto em mega-festivais e grandes pavilhões. Ouvido o disco constatei que as comparações com Stooges e Ramones não são desprovidas de sentido e que os elogios a Arrow de Wilde são bem merecidos. Se querem perceber o espírito da banda vejam o video de “Welcome To L.A. “ no YouTube - é uma das canções emblema da banda e o arranque do video é uma espécie de manifesto sobre o estado da nação - assim que a canção começa perceberão que isto é uma coisa a sério e que Arrow de Wilde tem uma marca tão forte quanto as guitarras dos seus companheiros. No YouTube podem ainda ver alguns videos da banda ao vivo - e embora o álbum seja uma revelação, as actuações ao vivo são ainda mais impressionantes. De caminho ouçam e vejam  “Let Her Be”, outro dos temas imperdíveis dos Starcrawler e descubram o single de estreia, “Ants”, não incluído no álbum.

 

PROVAR - Restaurantes há muitos, boas lojas de produtos italianos há muito poucas. Um local que conjugue as duas vertentes é uma raridade. Estou a falar do Fiammetta, que abriu recentemente em Campo de Ourique, na Rua Almeida e Sousa 20, quase a chegar à Ferreira Borges, pela mão de Ludovica Rocchi. No rés do chão está uma sala de restaurante sempre bastante concorrida e o balcão frigorífico com uma ampla escolha de queijos e carnes fumadas italianas. A sala do restaurante estava cheia, a apreciação da comida ficará para outro dia - mas massas frescas de várias variedades feitas diariamente são a principal matéria prima. Os encantos não terminam neste balcão - descendo à cave encontramos uma sala ampla com uma grande diversidade de produtos - desde vinhos italianos mais ou menos correntes até uma selecção de vinhos mais raros numa zona devidamente salvaguardada em termos de temperatura. Nas prateleiras encontramos massas de várias qualidades e formatos (alguns raros em Portugal como o maltagliati), biscoitos, molhos para bruschetta com diversos ingredientes como alcachofras com noz ou um delicioso de azeitonas com anchovas. Há também conservas de vegetais para aperitivo como beringela ou courgette com tomate e também aperitivos tradicionais como o Aperol ou a clássica cerveja italiana Peroni. Destaque ainda para os azeites simples ou temperados, para vinagres balsâmicos de qualidade e biscoitos tradicionais da Toscania, como um com pistácios e amêndoa. Fiametta, rua Almeida e Sousa 20.

 

DIXIT - “Quando se juntar a revolução tecnológica com a da biotecnologia haverá a possibilidade de rastrear os sentimentos, as decisões e as opiniões de cada ser humano. Não haverá segredos para as empresas que sucederão ao Facebook ou à Google. Ou a estas. Nem para a polícia.” - Fernando Sobral

 

GOSTO - Duas obras de Rui Chafes foram adquiridas pelo Museu Nacional de Arte Moderna de Paris e vão integrar a exposição da sua colecção permanente no Centro Pompidou, a partir de Outubro.

 

NÃO GOSTO - Da ideia da criação de novos impostos europeus.

 

BACK TO BASICS - “Quando uma pessoa é curiosa arranja sempre muitas coisas interessantes para fazer” - Walt Disney

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20

 

FullSizeRender.jpg

 MALABARISMOS - Depois de um período inicial de bom senso, que há uns tempos anda desaparecido, os concursos públicos têm vindo a transformar-se num mundo de opacidade com vários escalões. Alguns escritórios de advogados especializaram-se em criar cadernos de encargos que são uma espécie de encomenda feita à medida para determinado interessado, obviamente a mando da entidade que organiza a consulta, sobrepondo habilidades jurídicas a questões técnicas básicas. Noutros casos as entidades que lançam os concursos resolvem sobrepor-se à apreciação técnica dos júris que nomearam e fomentam justificativos jurídicos, devidamente fundamentados em extensos pareceres que são elaborados de forma a encaminhar a decisão numa determinada direcção, mesmo que não seja aquela que melhor dá resposta técnica aos objectivos do concurso. Tornou-se rotina não haver coerência na apreciação das propostas, na interpretação das regras, não há sequer respeito pelo trabalho desenvolvido. O que nuns casos se aceita em relação a um concorrente, não se aceita noutros casos; o que se tornou regra numa série de concursos passa a ser penalizado noutros. Por isso conheço cada vez mais gente que hesita apresentar propostas a concursos públicos. É mais um sinal da degradação do Estado.

 

SEMANADA - A Comissão Nacional de Eleições já recebeu 450 queixas por causa das autárquicas, 160 delas sobre a “neutralidade e imparcialidade das entidades públicas”; apesar de Domingo ser o dia tradicional dos grandes jogos de futebol, a Comissão Nacional de Eleições desconhecia o facto e mostrou-se surpreendida pela realização de um Sporting-Porto no dia das autárquicas; segundo a Marktest, em Agosto, 52% do tráfego na internet em Portugal foi gerado por PCs (desktop ou portáteis) e 48% por equipamentos móveis, o que representa um aumento de dez pontos percentuais na utilização de smartphones e uma diminuição igual na de PC’s, em relação ao mesmo período do ano anterior; das dez câmaras mais endividadas, oito – Fornos de Algodres, Nordeste, Cartaxo, Vila Franca do Campo, Portimão, Nazaré, Alfândega da Fé e Paços de Ferreira – estão sob a alçada do PS e duas – Fundão e Vila Real de Santo António – do PSD; o número de jovens entre os 15 e os 29 anos que não trabalham nem estudam passou de 11 para 20,8% entre 2000 e 2016; mais de metade da população activa portuguesa não tem sequer o ensino secundário; 14 mil enfermeiros saíram de Portugal desde 2010; um julgamento sobre corrupção no futebol, envolvendo manipulação de jogos sobre os quais eram feitas apostas, está em risco de nulidade por falta de traduções; nos últimos seis meses os portugueses gastaram 1,5 mil milhões de euros em apostas e jogos diversos.

 

ARCO DA VELHA - Numa época de crescente especulação imobiliária em Lisboa Fernando Medina conseguiu inverter a tendência - vendeu o apartamento que tinha há dez anos com um ganho de 36%  e comprou outro por menos 23% do que a vendedora tinha pago por ele, também há dez anos. É o que se chama ter acesso a boas oportunidades.

image (2).png

FOLHEAR - O British Journal of Photography foi fundado em 1854 e inovação e invenção são duas palavras que podem caracterizar a revista. Uma das melhores demonstrações desse espírito é a iniciativa “Portrait of Britain”, que este ano promoveu pela segunda vez. A ideia é simples: a revista pede aos seus leitores para enviarem imagens que mostrem a multiplicidade e diversidade da sociedade britânica este ano enviaram oito mil imagens.  A partir destes envios são seleccionadas cem fotografias que depois são exibidas, durante o mês de Setembro, numa rede de anúncios de exterior digitais, mupis da JC Decaux, em estações de transportes públicos, centros comerciais e nas ruas em todo o Reino Unido. Na sua edição de Setembro a revista mostra uma selecção dos melhores trabalhos e , acima de tudo, procura mostrar cidadãos vulgares no seu dia-a-dia, fotografados por outros cidadãos. Ainda na edição de Setembro pode ser visto um trabalho sobre alguns editores de fotografia cujo trabalho é escolher quem vai fazer as imagens de que necessitam e que critérios presidem às suas escolhas. Há também dois portfolios muito interessantes - Mathieu Pernot mostra o resultado do trabalho feito ao longo de duas décadas com uma família romena que emigrou para o sul de França e Rob Honstra fala de “Man Next Door”, um trabalho sobre o seu vizinho, que ele documentou fotograficamente ao longo de uma década. Finalmente outro destaque da edição é uma entrevista a Quentin Bajac, o novo responsável pela fotografia no MOMA de Nova Iorque. A revista já está à venda em lisboa e a edição digital pode ser adquirida em  http://www.bjp-online.com .

Serralves Jorge Pinheiro FS 0212 (1).jpg

VER - Esta semana todo o destaque vai para o Porto. Em primeiro lugar, Serralves, onde está até 7 de Janeiro a exposição Jorge Pinheiro: D'après Fibonacci e as coisas lá fora” (na imagem). Apresentada como um projecto de Pedro Cabrita Reis com o próprio Jorge Pinheiro, a exposição reúne desenhos, pinturas e esculturas do autor e a sua instalação foi concebida pelo arquitecto Eduardo Souto Moura. O diálogo estreito entre Jorge Pinheiro e Cabrita Reis conduziu à seleção de 80 obras datadas de períodos específicos do percurso de Pinheiro, desde os anos 1960 até ao presente. A exposição inclui ainda uma nova escultura produzida especialmente para ser mostrada em Serralves. O catálogo que acompanha a exposição reproduz, além das obras expostas em Serralves, os cerca de 90 desenhos que integram uma exposição na Fundação Carmona e Costa, em Lisboa, a partir de 23 de Setembro. contextualizadas por uma entrevista de Jorge Pinheiro conduzida por Cabrita Reis e um ensaio do poeta e crítico de arte João Miguel Fernandes Jorge. Ainda no Porto o Centro Português de Fotografia (na antiga Cadeia da Relação), lança um desafio: Quem é que já viu uma prisão do lado de dentro? Assim surgiu “the portuguese prison photo project” que procura  transmitir uma visão das prisões contemporâneas e históricas de Portugal.  A exposição é feita a partir de imagens contemporâneas captadas por dois fotógrafos, o português Luis Barbosa e o suíço Peter M. Schulthess, em 2016 e 2017, complementada por imagens históricas pertencentes aos arquivos nacionais. Até 3 de Dezembro. Podem ver várias das imagens expostas em www.prisonphotoproject.pt . Outras sugestões: na Galeria João Esteves de Oliveira (Rua Ivens 38), a exposição Ouvidos No Deserto, trabalhos em papel de Marco Pires; na Fundação Gulbenkian videos, fotografias e serigrafias de Marie José Burki .

image (3).png

OUVIR - Tori Amos leva quinze discos de originais no activo, desde que começou a sua carreira discográfica em 1988. Depois de em 2014 ter lançado o belíssimo “Unrepentant Geraldines”, Amos regressa agora com “Native Invider”, basicamente construído como reflexo da América que está a desenhar-se depois da vitória de Donald Trump nas presidenciais. Mas para além de uma visão sobre os Estados Unidos, “Native Invider” aborda também, como é tão presente na obra de Tori Amos, a sua relação com a vida e a dor. Amos conta que a ideia deste disco lhe começou a surgir numa viagem às Smoky Mountains, na Carolina do Norte, de onde a sua família é originária,e que a parte mais pessoal tem a ver com a sua própria mãe, que hoje tem dificuldade em comunicar com o mundo exterior. Incomodada com o estado da nação, entristecida pela decadência física da sua mãe, Tori Amos não poupa palavras neste disco e exprime com intensidade as suas emoções. “Native Invider” tem 15 faixas  e algumas das mais marcantes seguem a linha das intensas baladas de voz e piano que são a imagem de marca de Tori Amos - “Reindeer King” (talvez a mais arrebatadora), “Bang” e “Mary’s Eyes”. “Broken Arrow” e “Up The Creek” mostram uma incursão inesperada nas influências da música country e “Wildwood” e “Wings” somam considerações políticas com emoções pessoais, assim como “Breakway” ou “Chocolate Song”. O disco está disponível no Spotify.

 

PROVAR - Há uns tempos que andava com curiosidade de experimentar a Enoteca de Belém, local que me era recomendado por diversos amigos. O local é pequeno, tem poucas mesas, fica numa pequena travessa perto dos Pastéis de Belém, na mesma rua da Galeria da Ermida da Nossa Senhora da Conceição. Aliás a Galeria e a Enoteca são parte do projecto Travessa da Ermida que quer combinar arte com gastronomia e provas de vinhos. Quando se entra na Enoteca a primeira coisa que salta à vista é a variedade de bons vinhos expostos, em prateleiras que vão até ao cimo das paredes - os clientes são convidados a usar uns binóculos de ópera que a casa cede para lerem os rótulos das garrafas mais distantes. A casa tem cerca de uma centena de vinhos e muitos deles podem ser servidos a copo, proporcionando experiências diferentes ao longo da refeição. A cozinha é de inspiração portuguesa com confecção contemporânea - dispensavam-se as espumas da moda. Nesta incursão provou-se com agrado um atum fresquíssimo, no ponto, sobre uma cama de brócolos, anchovas e camarão e um lombo de garoupa muito bem confeccionado com arroz de ameijoas em molho bulhão pato. O chefe ofereceu um amouse bouche interessante - uma mini salada de polvo servida em cone e o couvert inclui uma belíssima manteiga de ovelha. O vinho escolhido foi um branco Casal Santa Maria, de Colares, que estava impecável - embora de início o serviço de vinho fosse desatento. Outras sugestões possíveis são polvo com batata doce, chouriço e molho de ervas ou, na carne, um magret de pato com risotto de cogumelos. O espaço reduzido e a invasão turística aconselham a que se faça reserva. Enoteca de Belém, Travessa do Marta Pinto, 6, Lisboa , todos os dias das 13 às 23,telefone 213 631 511.

  

DIXIT - “Não sei se alguém entrou em Tancos, no limite pode não ter havido furto” - José Alberto Azeredo Lopes, teoricamente Ministro da Defesa.

 

GOSTO - A encenação de “A Viúva Alegre”, que decorre em paris na Ópera da bastilha, tem cenografia de António Lagarto.

 

NÃO GOSTO - O planeta perde 15 mil milhões de árvores por ano.

 

BACK TO BASICS - “A qualidade é mais importante que a quantidade” - Steve Jobs

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

...

por falcao, em 12.11.07
BOM - A criação de uma estrutura, na Fundação de Serralves, que vai servir de incubadora a negócios na área da criatividade (da fotografia à arquitectura passando por produção de conteúdos). A Fundação disponibiliza um open space totalmente equipado que receberá até 12 áreas de trabalho distintas, com um preço de aluguer de 12 euros por metro quadrado de ocupação. O INSerralves, assim se chama o projecto, ajudará os participantes na montagem de planos de negócio, na avaliação do potencial comercial e estabelecimento de parcerias. Em www.serralves.pt estão todos os pormenores.


MAU – A Ministra da Educação. O Ministério da Educação. Os membros do Governo na área da Educação. Os planos e propostas fomentados pela Ministra da Educação.


PÉSSIMO – O que se está a passar na Agência Lusa, a agência noticiosa portuguesa, começa a ser um escândalo. A actuação do seu actual Director de Informação, Luís Miguel Viana, tem afastado do activo profissionais experientes e existem acusações recorrentes, desde que assumiu o lugar, de tentativa de controlo da informação veiculada pela agência – suposta ser imparcial, completa, factual, não descriminatória. No mais recente caso foi afastado o Chefe de Redacção, até à data ainda não lhe foi distribuído qualquer trabalho jornalístico, e em comunicado o Conselho de Redacção afirmou que o Director de Informação dizia que a resolução desta situação estaria dependente de uma conversa entre o referido ex-Chefe de Redacção e o Presidente do Conselho de Administração da empresa, uma situação pelo menos caricata face ao que a Lei determina serem as competências de um Director de Informação.


O MUNDO AO CONTRÁRIO – Eu julgava que se a classe média folgasse um pouco isso poderia ajudar a economia a crescer e o país a melhorar. É engano meu – única explicação possível para este Orçamento de Estado ser em termos fiscais especialmente penalizador precisamente para a classe média, que qualquer dia vai ser espécie em vias de extinção.


DESCOBRIR – Há um programa de rádio, na TSF, que é verdadeiramente exemplar. Chama-se «Mais Cedo ou Mais Tarde», de segunda a sexta, das 14h00 às 16h30. O seu autor é João Paulo Meneses e todos os dias encontra três temas interessantes, a maioria baseados em actividades de ilustres desconhecidos, que têm um interesse prático para a sociedade. Aqui está um bom exemplo de um efectivo serviço público prestado por um órgão de comunicação social privado. No blog www.maiscedo.blogspot.com pode seguir os temas que são abordados dia a dia.


PROVAR – A Wine O’ Clock é uma cadeia de lojas de vinho, nascida em Matosinhos, que no mês passado se expandiu para Aveiro e que este fim de semana chega a Lisboa, à Rua Joshua Benoliel 2B, às Amoreiras. A casa construiu reputação de ter uma boa selecção de vinhos (portugueses e estrangeiros), a preços comedidos. Além disso organiza provas, que permitem aos clientes ir descobrindo o que por aí existe. Se quiserem mais informações vão a www.wineoclock.com.pt .


LER – Escolher bem um livro para alguém é um enorme acto de ternura. Por isso aqui confesso que fiquei enternecido quando me deram «Toutes Les Télés Du Monde», uma edição feita em parceria entre o canal fraco-alemão Arte e a editora Seuil, baseado no trabalho feito por um magazine semanal daquele canal, da responsabilidade de Vladimir Donn, que também assina o livro. É uma deliciosa viagem a esse universo aliciante, em permanente mudança que é o da televisão. O livro seria bem útil a algumas pessoas que por aí falam do assunto com pouco conhecimento de causa. E, a mim, deu-me muito gozo.


OUVIR – Os concertos de piano nºs 2 e 5 de Saint-Saens na interpretação do pianista francês Jean-Yves Thibaudet, com a Orquestra da Suiça Romanda, dirigida por Charles Dutoit. Thibaudet, considerado um dos maiores nomes contemporâneos do piano, faz uma notável interpretação desta música saída da belle-epoque, do mesmo autor da ópera «Sansão e Dalila».


VER – Até segunda feira à noite, inclusive, pode visitar a Arte Lisboa, na FIL, este ano com a presença de 60 galerias nacionais e estrangeiras. O horário é das 16h00 às 23h00. Este ano algumas das boas Galerias de Lisboa fizeram coincidir novas exposições com a Feira, criando assim um circuito complementar que permite aumentar a oferta neste fim de semana – é o que acontece por exemplo na Galeria Luís Serpa Projectos Rua Tenente Raul Cascais 1-B, ao Rato) onde está patente uma curiosa exposição de pintura, desenho e escultura intitulada «Foreign Policy» com obras de Diann Bauer, Matt Franks e Andrea Medjesi-Jones.



PERGUNTANDO… Será verdade que existe um grande corropio nas candidaturas às dezenas de conselhos de administração de empresas públicas e afins que terminam mandatos no fim deste ano? Aqui está uma oportunidade para ver como funciona a relação entre os boys e os jobs…


BACK TO BASICS – « É muito perigoso querer ter razão quando o Governo está errado»- Voltaire.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:57


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D